Só a estirpe dos canalhas me ama, por Romério Rômulo

As águas que me lavam são um pedaço do escuro.

Cândido Portinari

Só a estirpe dos canalhas me ama

por Romério Rômulo

1.
Só a estirpe dos canalhas me ama
sem vergonha e sem rancores. Isto
por minha carne ser um pedaço de
pedra. Os olhos que me veem são
de vidro e ferro. Tudo é candente
numa pedra. As águas que me lavam
são um pedaço do escuro. Vou vê-las
amanhã.
2.
As carnes não deixarão rastros
e o ferro das ruínas
não caberá no poema.

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora