Te dou de mim/o que couber tua mão, por Romério Rômulo

Sou pouco / e vendo um corpo com tantos anos / de uso

Gustav Klimt

Te dou de mim/o que couber tua mão

por Romério Rômulo

1.
Te vendo um corpo gasto
e uma canção que tortura.
De vastos tenho meu sangue
e minha guerra.

2.
Sou pouco
e vendo um corpo com tantos anos
de uso e uma sombra
que não me cabe.

3.
Quando virá tua mão
que sempre salva?

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Um guerrilheiro solitário planeja atacar o Grande Irmão, por Sebastião Nunes

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome