Todos os diabos são em vão?, por Romério Rômulo

Quando você, da branca renascença / moldou a minha fé, quebrou a crença / que todos os diabos são em vão?

Todos os diabos são em vão?

por Romério Rômulo

1.
Onde você, temido blanco
pôs o imortal do meu olho na varanda?
Quando meu pé, meu braço, uma ciranda
sobrou sobre teu gesto mais confuso?
2.
Quando você, da branca renascença
moldou a minha fé, quebrou a crença
que todos os diabos são em vão?
3.
Morrer em substrato de poesia
numa instância de vida e em combate
por certo é missão mais suicida.

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora