Um livro que causa impacto desde o 1º capítulo

“American Dervish”, de Ayad Akhtar. Ed.Little, Brown & Company, 2012. ( *)
 
Existem livros que causam um impacto desde o primeiro capítulo, e que após 10 ou 15 páginas de leitura já farejamos: “vai virar filme”, “vai ser mega premiado”, “vai virar best-seller”.
 
“American Dervish”, sem dúvida, entra na categoria de obra que vai render muita coisa futura. Ainda que a realidade tratada nos pareça, aqui nos confins latinoamericanos, tão distante do que nos é usual.
 
Hayat Shah é um pré-adolescente imaturo e ingênuo, filho único de uma família ilustrada, de origem paquistanesa, instalada  em Milwaukee/USA, no final dos anos 70.  
 
Sua existência  monótona e confortável, é abalada pela chegada da melhor amiga de infância de sua mãe,  Mina Ali, e seu filho  de 4 anos, Imran. Ambos  fugiram de uma vida de violência, abusos e repressão no Paquistão. Mina é uma mulher belíssima e uma insuspeita admiradora dos autores ocidentais como  Henry Miller e F. Scott Fitzgerald, que vai seduzir o pequeno Hayat pela escolaridade surpreendente, pela personalidade doce e vanguardista, assim como por suas interpretações liberais e cativantes do Alcorão.
 
A trama vai acompanhar o despertar espiritual do menino, maravilhado  pelas possibilidades apresentadas por Mina, de um Islã tão profundo e generoso, em um momento que coincide com seu despertar sexual. Tudo enquadrado por um cenário de enorme confusão inter-cultural; afinal, contrariando as expectativas pueris de Hayat,  a musa Mina se apaixona pelo radiologista judeu,  Nathan Wolfsohn, que trabalha ao lado de seu pai, um neurocientista alcóolatra, brilhante, e que renega suas origens muçulmanas.
 
E assim o autor vai tecendo  confrontos entre o mundo antigo e o novo,  entre Ocidente e Oriente, entre o secular e o sagrado, entre os imigrantes  e os nativos. Preso entre infância e maturidade, entre o desejo e abnegação, entre o novo e o proibido, Hayat é um turbilhão vertiginoso de paradoxos.
 
É um belíssimo romance, carregado nas tintas do melodrama, mas com personagens complexos, incoerentes, densos, que jamais são vítimas indefesas, ao contrário, um a um são capazes de erros irrevogáveis e atos de consequências terríveis. Ainda assim, o autor consegue puxar  o fio da compreensão e do perdão, e revelar o que há de mais belo na alma humana.
 
Portanto, caro leitor, não se preocupe. Há um lindo desfecho, que cai como um bálsamo, pra quem passou quase 400 páginas sem fôlego, coração na mão.  
 
(*) Não identifiquei tradução em português, ainda. Mas certamente não tardará!!

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ivan Pedro

- 2013-09-30 02:48:38

Deve ser bom ...

Vou comprar e ler em inglês mesmo !!!

zuleica jorgensen

- 2013-09-29 18:16:32

Fazer uma resenha destas para

Fazer uma resenha destas para um livro ao qual ainda não temos acesso em português é maldade. Na verdade, quase uma tortura. Mas vamos aguardar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador