Uma fábula tão medíocre e simplória quanto os tempos que vivemos, por Sebastião Nunes

Certo dia o dono das ovelhas foi picado por uma jararaca e, como vivia isolado e sem recursos médicos, acabou morrendo.

Uma fábula tão medíocre e simplória quanto os tempos que vivemos

por Sebastião Nunes

Era uma vez um pastor que morava muito longe, distante de qualquer cidade ou povoado, e tinha um rebanho de ovelhas brancas.

Tranquilas e dóceis como é o normal nas ovelhas, elas pastavam, o pelo crescia, o pastor tosquiava no tempo certo e vendia a lã no mercado de Aquidabã.

De vez em quando, algumas ovelhas pariam, uma que outra era convidada para um churrasco, e assim o rebanho crescia.

O pastor estava feliz com sua vida e as ovelhas também.

Certo dia o pastor percebeu que a brancura das ovelhas era tão monótona que lhe dava dor de cabeça, e assim resolveu pintá-las.

Pintou um terço das ovelhas de cinza, outro terço de vermelho e o terço restante ele pintou de verde-e-amarelo.

Depois separou cada grupo em espaços cercados com ora-pro-nóbis, de modo que não pudessem se misturar.

Do alto de uma pequena colina contemplou sua obra e viu que era boa.

No sétimo dia, que caiu num domingo, descansou.

Na verdade, descansou para sempre, porque viu que as ovelhas não lhe davam trabalho algum e por isso não precisava pastorear: só aparecia de vez em quando para uma visitinha rápida ou para tosquiar ou para churrasquear.

 

O COMPORTAMENTO DAS OVELHAS

No entanto, agora que tinham cores diferentes, os grupos de ovelhas passaram a se comportar de forma diferente uns dos outros.

As ovelhas vermelhas acreditavam que as ovelhas mais fortes deviam ajudar as mais fracas. E assim faziam, de modo que todas as ovelhas desse grupo eram mais ou menos iguais. As que adoeciam eram cuidadas pelas sadias e se alguma se machucava as outras tratavam do seu machucado. O dono delas nem ficava sabendo.

As ovelhas verde-e-amarelo achavam, ao contrário, que cada qual devia cuidar da própria vida. Aos poucos, as mais fortes foram expulsando as mais fracas dos capins tenros e saborosos, de modo que as mais fracas começaram a emagrecer e a adoecer, e só não morriam porque o dono de vez em quando aparecia e cuidava das doentes. Estranhava um pouco, mas deixava por isso mesmo.

As ovelhas cinzentas não achavam nada e também entre elas cada qual cuidava da própria vida, de modo que viviam como as ovelhas verde-e-amarelo.

 

A GUERRA DAS OVELHAS

Certo dia o dono das ovelhas foi picado por uma jararaca e, como vivia isolado e sem recursos médicos, acabou morrendo.

Não havendo mais quem cuidasse delas, as ovelhas verde-e-amarelo destruíram as cercas de ora-pro-nóbis e invadiram os espaços das outras ovelhas.

As ovelhas cinzentas se encolheram num canto e deixaram que as ovelhas verde-e-amarelo tomassem conta de seu espaço. Aos poucos foram morrendo de doença e de fome, de modo que depois de certo tempo não sobrou nenhuma.

As ovelhas vermelhas decidiram reagir e lutar pelo seu espaço. E foi o que fizeram.

 

MORAL DA HISTÓRIA

Só não enxerga quem faz parte dos rebanhos cinzento ou verde-e-amarelo.