Uma joia violeta rara

Enviado por Felipe A. P. L. Costa

Uma joia violeta rara

por F. Ponce de León

Se o conteúdo do livro 26 poetas hoje (Aeroplano, 2001, 4ª ed.; a 1ª ed. apareceu em 1976), organizado por Heloísa Buarque de Hollanda, é uma amostra representativa da poesia que prosperou nos anos 1970 (a chamada ‘poesia marginal’), arrisco dizer que alguns dos nomes mais interessantes ali presentes são pouco ou nada conhecidos do público. É bom lembrar que vários autores estão vivos e em plena atividade.

Entre os nomes que mereceriam maior destaque citaria os de Zulmira Ribeiro Tavares (autora, por exemplo, de ‘Um estado muito interessante’ e ‘Meio metro’) e Isabel Câmera (‘Lençóis’). Todavia, se tivesse de escolher o ‘melhor’ poema da coletânea, talvez ficasse com este:

 

SONHO DO VESTIDO VIOLETA

Vera Pedrosa

 

Descobri o cadáver muito mais tarde

no meio de uma viagem.

Passava por regiões

de passado futuro

o trem atacado por índios atarefados

ruínas negras de megalópolis de concreto.

E tendo achado o cadáver

soube que me haviam enterrado

com meu vestido de seda violeta

um vestido precioso anunciador

da precognição da morte.

Então determinei

que desencarnassem o cadáver

e enterrassem a ossada límpida, polida

numa cova de terra úmida

enquanto a multidão de índios

sem real perigo

cercava o cemitério

mas depois se dedicava à tarefa muito mais séria

de destroçar as vigas que sustentavam nosso teto.

 

E mais: em termos comparativos, ouso dizer que a ‘vaga’ que caberia a esta pequena joia rara em coletâneas mais recentes, tais como Os cem melhores poemas brasileiros do século (Objetiva, 2001), organizada por Ítalo Moriconi, e Os cem melhores poetas brasileiros do século (Geração, 2004, 2ª ed.), organizada por José Nêumanne Pinto, foi imerecidamente ocupada por outros poemas (e seus autores).

[Nota: F. Ponce de León organizou e publicou Poesia contra a guerra (2015), coletânea de 100 poemas extraídos do blogue homônimo; para detalhes, inclusive sobre a aquisição por via postal, ver aqui.]

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora