Bolsonaro restringe decisão de fundo milionário do Meio Ambiente ao governo

Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA) tinha entre os seus membros do conselho deliberativo representantes da sociedade civil, que agora foram excluídos

Foto: Divulgação

Jornal GGN – Um fundo que dispõe de mais de R$ 30 milhões para fomentar a sustentabilidade no país ficará a cargo, exclusivamente, do governo Bolsonaro. O Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA) tinha entre os seus membros do conselho deliberativo representantes da sociedade civil, que foram excluídos a partir de agora.

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de retirar a sociedade civil do órgão que decide o futuro das verbas arrecadadas nas concessões florestais foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (06). Neste ano, o orçamento do Fundo é de R$ 33 milhões.

Agora, somente figuras do governo de Jair Bolsonaro passam a compor o conselho deliberativo, que decidirá para onde estas verbas irão. Fará parte deste grupo o ministro do Meio Ambiente, o representante da Casa Civil, um representante de Paulo Guedes no Ministério da Economia, mais um representante do Ministério do Meio Ambiente, e duas entidades que também respondem ao governo: o Ibama e o ICMBio.

Diversas outras associações e entidades integravam este conselho: a Associação Brasileira de Entidades do Meio Ambiente (Abema), a Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente (Anamma), o Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (FBOMS), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Além disso, saem do seleto grupo as representatividades regionais. O secretário de Meio Ambiente de Minas Gerais, por exemplo, disse que pediu ao governo uma reconsideração da medida. “Os estados fazem questão de ter representatividade no Fundo”, disse ao G1.

Leia também:  Chega! Precisa-se de um projeto alternativo, já. Por Antonio Martins

“De fato é necessário racionalizar os comitês e conselhos para eles serem mais objetivos, mas é importante que todos os entes da federação estejam presentes porque são eles que fazem parte das ações, que sabem que áreas e projetos precisam de apoios financeiros.”

A decisão de Jair Bolsonaro ocorre após um série de reduções de conselhos e representações da sociedade civil nestes órgãos do governo, como o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), que sofreu uma redução de 22 para apenas 4 participantes, o Conselho Superior de Cinema e o Conselho Nacional de Política Sobre Drogas.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. A Verdade é Libertadora. Esta aí todo interessante preservação do Meio Ambiente. Fundo Milionário? E Bolsonaro vai tirar a gente desta mamata !!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome