Brasileiros protestam contra Bolsonaro e Salles no Dia Mundial do Meio Ambiente

Jornada Internacional de Luta Anti-Imperialista lançou manifesto e organizou manifestações contra destruição do planeta

Protesto em frente ao Ministério do Meio Ambiente contra o chefe da pasta, Ricardo Salles - Scarlett Rocha

do Brasil de Fato

Movimentos populares foram às ruas em 21 países, neste sábado (5), contra a destruição do planeta pelo poder econômico. A iniciativa, que ocorre no Dia Mundial do Meio Ambiente, foi formalizada pela Jornada Internacional de Luta Anti-Imperialista, que reúne organizações dos cinco continentes.

“O poder destrutivo da atual etapa do capitalismo, em sua fase financeira, não tem precedentes. As empresas transnacionais aumentam sua capacidade de exploração dos bens comuns, avançando na exploração de minérios, no desmatamento, na apropriação privada da água, entre outras formas”, denuncia o manifesto da Jornada, publicado pela manhã.

No Brasil, várias capitais tiveram protestos e atividades relacionadas ao tema, como o plantio de árvores. Sob o lema “Povo vivo, floresta em pé! Fora, Bolsonaro”, os movimentos foram às ruas e exigiram, também, a saída de Ricardo Salles do comando do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Em Brasília (DF), protestos foram registrados em frente ao Congresso Nacional e ao prédio do MMA. Estados como Pará, Alagoas, Maranhão, Roraima e Rondônia também tiveram mobilizações por volta do meio-dia.

As organizações que compõem a Jornada de Luta Anti-Imperialista no Brasil são (em ordem alfabética): Centro Brasileiro de Solidariedade e Luta pela Paz, Central de Movimentos Populares, Coordenação Nacional de Entidades Negras Brasil, Consulta Popular, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, Central Única dos Trabalhadores, Frente Brasil Popular, Federação Única dos Petroleiros, Levante Popular da Juventude, Movimento dos Atingidos por Barragens, Movimento Camponês Popular, Movimento de Mulheres Camponesas, Marcha Mundial das Mulheres, Movimento dos Pequenos Agricultores, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, Partido Comunista do Brasil, Pastoral da Juventude Rural, Partido dos Trabalhadores, Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, Sempre Viva Organização Feminista, União Brasileira de Mulheres, União da Juventude Socialista e União Nacional dos Estudantes.

Confira imagens das manifestações:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome