China busca a energia alternativa

Por Alessandro

Enquanto o Brasil pensa Belo Monte, olha o que pensam os chineses…

Incentivos generosos para usar fontes alternativas

O meio ambiente como negócio é levado a sério na China

O governo chinês anunciou a criação de uma Comissão Nacional de Energia composta de ministros de gabinete como um superministério liderado pelo próprio primeiro-ministro Wen Jiabao. Os reguladores fixaram normas para incentivar o uso de energia renovável.

Subsídios generosos para os consumidores instalarem os próprios painéis solares ou aquecedores de água movidos a energia solar produziram intensa atividade nos telhados pela China.

Além de reforçar as exportações, o que move a China em direção às novas tecnologias é sua demanda doméstica por energia, que cresce 15% ao ano. Para atender a necessidade nesta década, segundo a Agência Internacional de Energia, a China precisará acrescentar quase nove vezes mais capacidade de geração de energia do que os EUA.

No problem: os produtores chineses têm enorme eficiência na produção em larga escala.

Nos EUA, as empresas de energia enfrentam, quase sempre, uma escolha entre comprar equipamentos de energia renovável ou continuar a operar usinas de energia movidas a combustíveis fósseis que já foram construídas e quitadas. Na China, empresas de energia têm que comprar muitos equipamentos novos. Então, optar pelas novas fontes é um caminho natural.

E tem mais: os baixos custos de trabalho na China são uma vantagem. Apesar de os salários chineses terem aumentado bastante nos últimos cinco anos, a dinamarquesa Vestas ainda paga trabalhadores apenas US$ 4.100 por ano.

Apesar de os custos estarem caindo com a produção em massa, a energia renovável ainda é 20% a 40% mais cara do que energia a carvão. A energia solar é ainda, pelo menos, duas vezes mais cara que o carvão.

O que se faz para driblar este problema? O governo chinês cobra uma tarifa de energia renovável a todos os usuários de eletricidade. A tarifa aumenta as contas de eletricidade residencial em 0,25% a 0,4%. Para usuários industriais de eletricidade, a tarifa dobrou para 0,8% da conta.

A receita da tarifa vai para empresas que operam a rede elétrica, para cobrir a diferença de custo entre energia renovável e a carvão. Nada mal.

Não dá para agradar todo mundo. Operadores de rede elétrica chineses estão descontentes.

Eles são reembolsados pelo custo extra de comprar energia renovável em vez de energia a carvão, mas não para o alto custo de construir linhas de transmissão para turbinas eólicas e outros produtores de energia renovável, muitos deles em áreas remotas, expostas ao vento. As perdas de transmissão são altas por enviar energia em longas distâncias até as cidades, e quase um terço das turbinas eólicas da China não está conectado à rede elétrica nacional. Isso sai caro.

A maioria dessas turbinas foi construída apenas no ano passado, contudo, e a construção da rede não alcançou o mesmo ritmo.

De acordo com a legislação aprovada em 26 de dezembro, um operador da rede que não conecta uma operação de energia renovável à rede tem que pagar essa operação duas vezes o valor da eletricidade que não pode ser distribuída.

O fato é que as indústrias solares e eólicas da China querem cada vez mais vender equipamentos no exterior, mesmo tendo que enfrentar reclamações das empresas ocidentais de que elas têm vantagens injustas. Quando uma empresa chinesa fez acordo para fornecer turbinas para uma grande fazenda eólica no Texas, havia pedidos no Congresso para frear a transação.

– Todos os países, incluindo EUA e países europeus, querem baixo custo de energia renovável – diz Ma Lingjuan, diretor-geral da associação de energia renovável da China. – Agora, a China alcançou esse nível, mas ela é criticada pelo resto do mundo.

(Jornal do Brasil, 2/2)

http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=68857

Comentário

Essa preocupação dos chineses tem um dado objetivo: ela já gastou o que podia com o meio ambiente, que é totalmente degradado. Ela nem está pensando o amanhã: é o hoje mesmo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome