Falta de consenso adia implantação do PIB sustentável, avalia especialista

Embora haja consenso internacional quanto à necessidade de um indicador para medir a sustentabilidade dos países, o chamado PIB Verde, permanecem dúvidas entre os especialistas que examinam a questão. O tema foi discutido nos últimos dias 28 e 29 de outubro, na 2ª Rio Climate Challenge: Rio Clima, conferência promovida pelo Instituto OndAzul.

Há dúvidas sobre se convém trabalhar em cima do Produto Interno Bruto (PIB, que mede o total de bens e serviços produzidos no país) tradicional, agregando uma série de elementos qualitativos de natureza ambiental e social, ou se seria melhor construir outro indicador baseado no consumo que, neste caso, seria a renda disponível das famílias, após o pagamento de suas necessidades básicas.
O deputado Alfredo Sirkis (PSB-RJ), presidente da Subcomissão Especial da Câmara dos Deputados para a 19ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro da Organização das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-19), concorda que o atual PIB já não é suficiente para mensurar o desenvolvimento de um país, considerando as três vertentes (econômica, ambiental e social), como faria o PIB Verde. A ideia do PIB sustentável foi lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU) durante a Conferência para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), ocorrida no Rio de Janeiro, em 2012. O indicador proposto refletiria a riqueza real dos países, bem como a sua capacidade de crescimento futuro, considerando, entre outros fatores, a disponibilidade de recursos naturais, educação das populações, qualidade de vida.
 
Sirkis disse que o PIB virou um “fetiche” dos governos, que passam a considerar que, se ele está aumentando, tudo está bem, e se não aumenta, tudo vai mal. “Não é isso que determina de fato o desenvolvimento”, sustentou. Admitiu, por outro lado, que uma recessão ou um PIB negativo são um indício alarmante em uma sociedade, em uma economia.
 
“Mas achar que quanto mais o PIB crescer, melhor, e se ele estiver com um crescimento discreto é ruim, é uma noção equivocada, mas que está muito generalizada atualmente”. Pessoalmente, Alfredo Sirkis é favorável a que se aplique sobre o PIB uma série de outros indicadores e se tire uma média ponderada.
 
Como aplicar as três vertentes (econômica, social e ambiental) sobre o PIB é o objeto da grande discussão global em curso, enfatizou. “Não é nada trivial”. Esclareceu que o problema não é o PIB, mas o uso dado a esse indicador. O índice foi criado na década de 1930, em resposta à Grande Depressão (crise econômica iniciada em 1929 e que persistiu ao longo da década de 1930, terminando apenas com a 2ª Guerra Mundial) e, depois, às destruições causadas por esse conflito. “Era importante, naquela época, se ter a possibilidade de se apropriar de tudo que existia de produtivo nos vários países e ter um indicador baseado nisso. Era, basicamente, um indicador de reconstrução”. Com o passar do tempo, ações como destruição de florestas tiveram consequências negativas sobre o desenvolvimento de muitos países.
 
Hoje, a discussão em torno de um novo indicador de sustentabilidade é complexa, tendo em vista as diferenças ambientais, sociais e econômicas apresentadas pelas nações. “O diabo mora nos detalhes”, ressaltou Sirkis. Acrescentou que o agravante disso é saber quais são os danos compatíveis na contabilidade dos diferentes países. Apesar de a maioria das nações já calcular o seu PIB, há dados que seriam importantes para uma análise mais qualitativa que não são calculados por todos.
 
O debate sobre o PIB Verde ocorre no âmbito da conferência dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), processo aberto a partir da Rio+20, e não na Conferência do Clima, que ocorrerá em Paris, na França, em 2015. O presidente da Subcomissão Especial para a COP-19 disse, porém, que existem muitas interfaces entre a Rio+20 e o evento da ONU, em Paris.
Diante da dificuldade de se chegar a um consenso sobre o PIB Verde, o tema não integra as recomendações que serão levadas pela subcomissão da Câmara dos Deputados à COP-19, em Varsóvia. “Todo mundo concorda que o PIB é ruim, pelo uso que se dá, do ponto de vista do desenvolvimento sustentável, mas não houve consenso em relação a essa situação”. Ele acredita, entretanto, que mais à frente, no âmbito dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a ONU vai chegar a algum tipo de consenso.
 
Alfredo Sirkis salientou que outro debate que precisa ter andamento é sobre a atribuição de valor econômico para serviços prestados por ecossistemas.

1 comentário

  1. Um grande erro que persiste.

    Um grande erro que persiste. “PIB, que mede o total de bens e serviços produzidos no país”.

    O PIB mede apenas o valor monetário de todos os bens e serviços finais que foram comprados e vendidos dentro das fronteiras do Brasil em um dado ano. Vc pode produzir e estocar e não é contabilizado, ou vc pode gastar os estoques sem ter produzido nada e o PIB aumenta no ano.

    E o gasto que é contado e não a produção.

    Pega fogo em uma casa e o esforço de reconstruir contabiliza como aumento do PIB, mesmo sem qualquer aumento no numero de casas.

    O PIB contabiiza duas vezes o gasto estatal, como o governo não tem recursos próprios necessita retira los da  iniciativa privada, parte da venda da produção já contabilizado no PIB é desviada para financiar os gastos do governo, que ao gastar estes recursos novamente é contabilizado como aumento do PIB.

    PIB = C + I + G + X – M

    C representa os gastos do setor privado, I representa o total de investimentos realizados na economia, G representa os gastos do governo, X é o volume de exportações e M, o de importações.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome