Governo subestima preocupação com Amazônia: “O Brasil se precisar de ajuda, vai pedir”

Sem negar interesses econômicos, disse Bolsonaro: "Árdua é a missão de desenvolver a Amazônia. Muito mais difícil foi a de nossos antepassados de conquistá-la”

De acordo com especialistas, queimadas estão relacionadas ao desmatamento, além de provocarem poluição que, nesta segunda (19), fez do dia "noite" em São Paulo | Foto: Arquivo EBC

Jornal GGN – Em nova tentativa de dar respostas à grande repercussão das queimadas na Amazonia brasileira, que se alastrou mais de 80% em comparação ao mesmo período do ano passado, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tentou amenizar o cenário e disse que era preciso “baixar a temperatura” sobre o tema. Da mesma forma, o presidente Jair Bolsonaro mostrou suas intenções de produtividade e exploração econômica, ao dizer que é difícil a missão de “desenvolver” a Amazônia.

Na manhã desta sexta-feira (23), a ministra da Agricultura somente manifestou sua preocupação sobre o tema no sentido do possível impacto no acordo comercial do país com a União Europeia e o Mercosul. O bloco europeu mostrou insatisfação com o Brasil após as criticas de Bolsonaro sobre o Fundo Amazônia, financiado pela Noruega e Alemanha. Mas os incêndios na região também podem influenciar na agropecuária.

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

Mas ao ser questionada, Tereza Cristina tentou diminuir o que os números do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e até as imagens da Nasa mostram sobre os incêndios na região: Primeiro, as queimadas no Brasil todo ano acontecem. Queimadas. Tem duas coisas diferentes. Uma coisa é queimada, outra é incêndio. Há um diferença entre os dois acontecimentos. Nós temos estamos vivendo uma seca grande que todo ano a região norte tem uma definição clara dessa estiagem, a gente fica às vezes até 6 meses sem chuva. Esse ano tá mais seco e as queimadas estão maiores”.

Leia também:  De Poços de Caldas das Minas Gerais à Amazônia, por Rui Daher

Ainda ignorando o fato de que a Amazônia é responsável pela principal concentração de oxigênio no mundo, influindo sobre o planeta de modo geral, a ministra ainda disse que o Brasil não interfere quando há incêndios em outros países:

“Quando houveram incêndios em Portugal, esse ano tiveram incêndios na Sibéria, tiveram no mundo todo na época da seca também da Europa, o Brasil não foi lá questionar nem pedir para não receber nada. Acho que a gente precisa baixar essa temperatura. A Amazônia é importante. O Brasil sabe disso. O Brasil cuida da Amazônia”, afirmou.

Continuando nesta linha sem a devida preocupação para a temática, Tereza Cristina ainda tentou separar a diferença de “incêndios” e “queimadas” porque o primeiro, segundo ela, prejudicam os seres humanos, “matam pessoas, queimam casas”. O Brasil se precisar de ajuda, vai pedir”, acrescentou.

Também em discurso na manhã desta sexta (23), Bolsonaro disse que a missão de desenvolver a Amazonia é “árdua” e que “muito mais difícil, porem, foi a de nossos antepassados de conquistá-la”. O mandatário é criticado por justamente não conter os incêndios que se alastraram pela região, fazendo com que os focos de fogo tenham sido ainda maiores, em mais de 80%.

Sem negar os interesses econômicos na área, afirmou durante uma solenidade no Exercito, em Brasilia: “Árdua é a missão de desenvolver e defender a Amazônia. Muito mais difícil, porém, foi a de nossos antepassados de conquistá-la e mantê-la”, disse.

4 comentários

  1. 350 Seres Humanos Africanos estão à deriva no mar, sem poder atracar na Europa. Mulheres, Idosos, Crianças,…A Europa que quer preservar gorilas e tamanduás. Hipocrisia tem limite?!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome