Mourão defende gestão Bolsonaro na Amazônia e retoma planos de “desenvolvimento”

Defendeu a regulamentação da mineração em terras indígenas: "A regulamentação vai permitir a exploração dentro das normas ambientais"

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – O vice-presidente Hamilton Mourão voltou a defender a gestão ambiental de Jair Bolsonaro, amplamente criticada pelo mundo, afirmando que são “ataques ideológicos” contra o mandatário brasileiro, e voltou a falar em “desenvolvimento” da Amazônia.

“Hoje existe muito mais um ataque ao país por questões ideológicas, na pessoa do presidente, muito mais do que pelo que está acontecendo”, disse o vice, em entrevista à rádio Eldorado.

O discurso é o mesmo adotado pelo próprio mandatário, em declarações às Nações Unidas (ONU), apresentando dados falsos do cenário ambiental do Brasil, que vive sob a sua gestão um recorde de desmatamento e queimadas na Amazônia e no Pantanal.

De acordo com dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o país teve nos últimos 5 meses a duplicação dos focos de incêndio, entre os dias 1 e 4 de cada mês. Ainda, segundo o Giro GGN Queimadas, com base nestes dados, Minas Gerais teve um aumento de 453% no número de focos de incêndios.

Exploração econômica

O vice-presidente também comanda o Conselho da Amazônia, órgão criado pelo governo Bolsonaro, e afirmou que tem interesse em trazer “investimento” privado “para o desenvolvimento da Amazônia, que permita gerar emprego e renda”.

Por outro lado, mostrou-se contrário às doações específicas para a recuperação das florestas. Segundo Mourão, as doações como as anunciadas por Joe Biden, candidato democrata dos EUA, seriam difíceis de serem usadas por supostamente impactar o teto dos gastos, mas disse que o governo aceita doações para projetos ou para Estados com o intuito de “desenvolvimento”.

E defendeu a regulamentação da mineração em terras indígenas. “A regulamentação vai permitir a exploração dentro das normas ambientais, vai gerar impostos e royalties para as comunidades.”

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora