Óleo chega a Morro de São Paulo, na Bahia

Mancha atinge terceiro maior destino turístico do Estado; equipes de apoio já trabalham no local

Praia em Morro de São Paulo, na Bahia - Foto: Reprodução morrodesaopaulo.org.br

Jornal GGN – Grandes manchas de óleo chegaram à praia de Morro de São Paulo, o terceiro maior destino turístico da Bahia, na madrugada desta terça-feira (22). Com aproximadamente 50 centímetros de extensão, o rastro de óleo chegou a outras praias no município de Cairu, que fica a 176 km de Salvador.

Informações do jornal Folha de São Paulo apontam que este é o primeiro registro de uma quantidade mais expressiva de óleo no litoral ao sul da cidade de Salvador – manchas em menor quantidade foram encontradas em Itacaré e Ilheus no último final de semana.

Manchas também foram registradas na praia de Cueira, na ilha de Boipeba, e na praia Ponta do Quadro, na vila de Garapuá. A região é considerada ambientalmente sensível, uma vez que abriga a Área de Proteção Ambiental das Ilhas de Tinharé e Boipeba.

Voluntários e equipes da secretaria municipal de Desenvolvimento Sustentável e da secretaria especial do Morro trabalham para remover o material. Nota divulgada pela prefeitura de Cairu afirma que as praias do arquipélago estavam sob monitoramento e foram adotadas as regras do plano de emergência ambiental recomendado pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

A praia de Morro de São Paulo é o terceiro maior destino turístico da Bahia, ficando atrás de Salvador e Porto Seguro. Na alta temporada (entre novembro e março), a vila pode receber até 400 mil turistas. Boa parte do litoral nordestino tem sido afetada por manchas de óleo pesado desde o mês de setembro.

Leia também:  Imprensa internacional destaca Amazônia em perigo com Jair Bolsonaro

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Enquanto isso, o sinistro Salles finalmente tomou uma “atitude”: já vislumbrou negócios em abastecer indústrias (digrátis?) com o óleo, recolhido por pescadores e voluntários. Provavelmente com frete de entrega grátis.
    Isto é, nós “the people” fazemos e pagamos tudo.
    E eles ganham.

  2. Criminosamente inertes, os canalhas governamentais continuam alimentando factóides cacarejando bobagens como “é óleo venezuelano”.
    Seus cretinos, o que preocupa é saber que voces são um bando de inúteis, incapazes de agir de forma proativa em qualquer tipo de catástrofe.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome