Resolvido: Bolsonaro aceita ajuda do G7 se Macron pedir desculpas

Disse ele que só conversará com o presidente da França, Emmanuel Macron, sobre a ajuda de US$ 20 milhões (perto de R$ 83 milhões) anunciada pelo G7, se ele retirar os ‘insultos’ feitos contra sua pessoa.

Ueslei Marcelino / Reuters

Jornal GGN – Na manhã desta terça, dia 27, o presidente Jair Bolsonaro conversou com a imprensa. Disse ele que só conversará com o presidente da França, Emmanuel Macron, sobre a ajuda de US$ 20 milhões (perto de R$ 83 milhões) anunciada pelo G7, se ele retirar os ‘insultos’ feitos contra sua pessoa.

‘Primeiramente, o senhor Macron deve retirar os insultos que ele fez à minha pessoa’, disse o presidente do Brasil. ‘Primeiro me chamou de mentiroso e depois, as informações que eu tive, de que a nossa soberania está aberta na Amazônia. Então para conversar ou aceitar qualquer coisa da França, que seja das melhores intenções possíveis, ele vai ter que retirar essas palavras e daí a gente pode conversar’, disse Bolsonaro.

O GGN prepara uma série de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato e a indústria do compliance. Quer se aliar a nós? Acesse: www.catarse.me/LavaJatoLadoB

Macron declarou que os incêndios da Amazônia são ‘emergência global’ e que não poderia ratificar o acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Européia devido às ‘mentiras’ do presidente Bolsonaro quanto ao seu real compromisso com as mudanças climáticas e preservação ambiental. Macron citou o fato de que, após prometer comprometimento com a preservação do meio ambiente, o governo Bolsonaro autorizou ações de desmatamento quinze dias depois da conversa. Disse também que existe a possibilidade de um status internacional para a Amazônia.

Na contramão do problema internacional, o Palácio do Planalto deu indicações, nesta segunda-feira, 26, de que pode rejeitar os recursos oferecidos. Já Ricardo Salles disse que a ajuda é bem-vinda, mas que o país o gastaria como quisesse. Mostrando uma certa bagunça nos pronunciamentos, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que o tema está sob análise do Ministério das Relações Exteriores.

Enquanto isso, a Amazônia arde.

Com informações da Agência Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora