A amizade de Manuel Bandeira com Mademoiselle Seroa da Mota

Hoje completam-se 52 anos da morte de Manuel Bandeira.

Enviado por Gilberto Cruvinel

A amizade de Manuel Bandeira com Mademoiselle Seroa da Mota

Hoje completam-se 52 anos da morte de Manuel Bandeira.

 

A amizade de Manuel Bandeira com Mademoiselle Seroa da Mota

Cleonice Berardinelli, 104 anos completados em agosto, fala de Manuel Bandeira

– Ele diz Mademoiselle Seroa da Mota que era o meu nome de solteira. O que eu acho uma delícia é este “Mademoiselle”, mas ele nos chamava a todas “Mademoiselle” muito elegantemente à moda daquele tempo, 1942, portanto já lá vão muitos anos.

Edney Silvestre: Dona Cleo, a amizade de vocês foi até o fim dos dias dele.

Cleonice Berardinelli: Até o fim dos dias dele em que ele no hospital, fui visita-lo, um hospital no Leblon. E eu cheguei, ele estava muito branco, muito pálido assim, muito magrinho, deitado com as mãos estendidas. E eu olhei e a mão dele estava toda roxa. Eu peguei a mão e o beijei. Quando eu o beijei, ele fez assim [tirando a mão]. Eu disse: – eu o machuquei? Ele disse: – Cleonice, é que  tiram o meu sangue e me dão injeções aqui. Então, eu fiquei muito, muito triste porque eu tinha causado uma pequena dor ao meu querido amigo.

E quando ele morreu, eu fui à Academia e levei prá ele uma rosa branca. Ele tem um poema lindíssimo sobre a rosa branca ligada à idéia da morte.

Eu vi uma rosa

Eu vi uma rosa

– Uma rosa branca –
Sozinha no galho.
No galho? Sozinha
No jardim, na rua.

Sozinha no mundo.

Leia também:  Pasquim: 50 anos da prisão de uma redação de craques, por Rogério Marques

Em torno, no entanto,
Ao sol de meio-dia,
Toda a natureza
Em formas e cores
E sons esplendia.

Tudo isso era excesso.

A graça essencial,
Mistério inefável
– Sobrenatural –
Da vida e do mundo,
Estava ali na rosa
Sozinha no galho.

Sozinha no tempo.

Tão pura e modesta,
Tão perto do chão,
Tão longe na glória,
Da mística altura,
Dir-se-ia que ouvisse
Do arcanjo invisível
As palavras santas
De outra Anunciação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora