Antônio Roberto Espinosa, presente!

Jornal GGN – Morreu, na noite desta terça-feira, dia 25, o jornalista e ex-militante contra a ditadura Antônio Roberto Espinosa, em Osasco. Espinosa era professor da Unifesp no curso de Relações Internacionais. 

Ele foi uma das vítimas dos anos de ditadura militar, sendo brutalmente torturado em 1969, no mesmo período em que Dilma passou por isso. Em docorrência da tortura, Espinosa ficou surdo e perdeu m uitos dentes. Em ato extra de crueldade, foi obrigado a assistir à tortura de sua companheira Dodora e do amigo Chael, que morreu no Dops em decorrência de golpe de fuzil no peito.

Espinosa estava entre os organizadores da greve da Cobrasma, a primeira do regime militar, e foi dirigente da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) e VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares).

Em 1974, saiu da cadeia, e dedicou-se ao jornalismo. Foi ligado à editora Abril por 11 anos e depois fundou seu jornal, o Primeira Hora.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Jornalista e comentarista esportivo Fernando Vanucci morre aos 69 anos

1 comentário

  1. Tive aula com ele, apendi

    Tive aula com ele, apendi muito sobre ciência política. Um homem integro. Que deus o tenha… lamento que ele tenha morrido vendo tudo o que estamos vivendo hoje, principalmente no que se refere a requentar a guerra fria. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome