Bira Reis foi Mestre Popular da Cultura, por Josias Pires

Bira Reis foi Mestre Popular da Cultura, por Josias Pires

Tambores do Olodum, sopros, cantos e palmas acompanharam o corpo do músico baiano Bira Reis no interior do cemitério até a sepultura. 

Amigos e amigas relembraram seus feitos durante o cortejo (teria que haver cortejo) e antes do sepultamento alguém disse: o seu último concerto, que realizou com silêncio, sem emitir uma única nota musical. Nosso amigo Antonio Olavo lembrou da abertura do show de Paul Simon em Salvador, com a participação do Olodum, cuja abertura foi o solo de saxofone feito por Bira Reis. Sua passagem pelo Olodum foi curta (menos de dois anos) porém intensa. 

Na segunda metade da década de 1970 foi marcante sua parceria com o teatro de Antonio Jorge Godi, Kal e Lia Spósito no Palmares Iñaron. Investiu na formação de jovens, artística, artesanal, profissional. Atuou no Projeto Axé na formação de adolescentes. Criou um espaço de música à base de instrumentos africanos e indígenas, e de outras tradições. 

Este espaço funcionou inicialmente no Forte da Capoeira, no largo de Santo Antonio Além do Carmo; posteriormente e até o presente funciona em um casarão que adquiriu no Largo do Pelourinho e onde mantém a Oficina de Investigação Musical, espaço de produção, exposição e comércio de instrumentos musicais e espaço para apresentação de teatro, música e artes visuais. 

São incontáveis os africanos interessados em música que passaram pela Bahia e que estiveram com Bira Reis – sua intensa atividade criativa tornava-o ponto de conexão da diáspora africana no mundo. A morte o colheu em pleno vigor. Da última vez que nos vimos me falou do convite para participar de um concerto com músicos de vanguarda na Alemanha. Vinha mantendo há anos o bloco de carnaval Quizomba. Alguém mais lembrou: todos passam por ele e muitos nada deixam, ainda assim Bira investiu tudo que tinha na atividade criativa, colaborativa. Os amigos sabem que precisam chegar junto. Pesquisador incansável, irreverente, dedicado tudo aprendeu do mundo e com os mestres. Ele mesmo um mestre popular da cultura.  

Leia também:  Lá se vai Don Diego Maradona jogar em outra dimensão

https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2019/01/21/corpo-do-multi-instrumentista-baiano-bira-reis-e-enterrado-em-salvador.ghtml

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome