Don Diego: o mito próximo do ser humano, por Alfeu

Mais cedo ou mais tarde a consagração viria, e nada melhor do que uma Copa do Mundo, e a dele foi a de 86. Pode-se resumir numa expressão: Foi a Copa de Maradona.

Don Diego: o mito próximo do ser humano, por Alfeu

Naquele 1979, as notícias vindas de Tóquio, Japão, sobre as atuações de um jovem durante a Copa do Mundo Sub-20, não surpreendeu a quem já acompanhava a sua carreira. Maradona se destaca no torneio onde a Argentina foi campeã; ele não era uma promessa, já era a realidade.

Realidade essa que, no ano anterior, a comissão tecnica da seleção principal com um pensamento burocrático, disfarçado de racionalidade, impediu que Maradona disputasse a Copa de 1978 em casa.

Muito jovem? Inexperiente? Seja como for que, bom seria vê-lo jogar nessa Copa para que ao menos aliviar um pouco a dor, o sofrimento e a angústia que o seu povo estava sendo submetido por um regime criminoso e assassino da ditadura militar.

Mais cedo ou mais tarde a consagração viria, e nada melhor do que uma Copa do Mundo, e a dele foi a de 86. Pode-se resumir numa expressão: Foi a Copa de Maradona.

Todavia, a sua ida a Napoli e ao Napoli foi um dos acontecimentos mais importantes na sua vida de jogador e no plano pessoal. A cidade se localiza na parte sul, mais pobre, da Itália, onde a vida do trabalhador de lá o faz recordar as suas origens de escassez; se estabelece uma relação intensa entre o ídolo e seus admiradores.

Sua vida segue como a maioria dos cidadãos, cheias de idas e vindas, altos e baixos, mas é esmiuçada a cada movimento  através da tela de uma televisão e da voz fúnebre de um locutor; tudo é escandaloso. Maradona não iria esperar  algumas décadas para revelar algo da sua vida privada que ficaria por um longo tempo escondido, a fim de não afetar a sua imagem, que é o mais comum. Ele não temia se expor.

Leia também:  Um pequeno gigante nos deixa deixando um rastro de exemplo de vida, por Rogério Maestri

Um ídolo popular, que não foi forjado pelos piores ou pelos melhores formadores de opinião; do esporte mais popular do planeta, é tudo que certos setores importante da sociedade abomina. Como consequência, os estádios padrão FIFA são justamente aqueles em que o torcedor mais apaixonado não tem mais condições para assistir a um jogo de futebol.

A morte de Maradona levou os seus seguidores e fãs a uma rara comoção, real e sincera. Essa estreita identificação faz com que seus admiradores sintam que algo em seus corpos estivesse os abandonando.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora