Geraldo Pereira, um exemplo da criatividade do povo brasileiro, por Carlos Motta

Geraldo Pereira, um exemplo da criatividade do povo brasileiro

por Carlos Motta

Uma lembrança obrigatória para quem gosta da música popular brasileira: Geraldo Pereira, nascido em 23 de abril de 1918, há um século, portanto.

Geraldo Pereira morreu jovem, aos 37 anos, em 1955, mas marcou a cultura nacional com obras-primas perenes, como “Falsa Baiana”, “Sem Compromisso”, “Escurinho”, “Escurinha”, “Acertei no Milhar”, “Bolinha de Papel” e várias outras, regravadas dezenas de vezes.

Geraldo Pereira é um claro exemplo da imensa força e criatividade do povo brasileiro. 

É incrível que gênios como ele tenham prosperado em ambientes absolutamente inadequados a qualquer manifestação civilizatória.

Dá o que pensar… 

Que maravilha seria do Brasil se a todos fossem oferecidas condições aceitáveis de moradia, saúde e educação!

Os sambas de Geraldo Pereira podem ser ouvidos como crônicas do seu tempo, de um Rio de Janeiro que não existe mais. 

Sua obra também ajudou a fixar um subgênero do samba, o sincopado.

E, acima de tudo, serve até hoje como lição sobre como deve ser a arte popular.

“Ministério da Economia” é uma desses sambas imorredouros, um retrato de um país que, incapaz de reagir aos suplícios provocados pelos seus donos, utiliza o humor, a zombaria, para se vingar dos poderosos.

https://www.youtube.com/watch?v=sKO5qLEhS10

Seu Presidente,
Sua Excelência mostrou que é de fato
Agora tudo vai ficar barato
Agora o pobre já pode comer
Seu Presidente,
Pois era isso que o povo queria

O Ministério da Economia
Parece que vai resolver
Seu Presidente
Graças a Deus não vou comer mais gato
Carne de vaca no açougue é mato
Com meu amor eu já posso viver
Eu vou buscar
A minha nega pra morar comigo
Porque já vi que não há mais perigo
Ela de fome já não vai morrer
A vida estava tão difícil
Que eu mandei a minha nega bacana
Meter os peitos na cozinha da madame
Em Copacabana
Agora vou buscar a nega
Porque gosto dela pra cachorro
Os gatos é que vão dar gargalhada
De alegria lá no morro

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome