Leandro Konder, presente!

Jornal GGN – Morre Leandro Konder. Aos 78 anos vai-se o advogado e filósofo marxista. Leia a nota do Estadão.

do Estadão

Morre o advogado e filósofo Leandro Konder

FABIO GRELLET – O ESTADO DE S. PAULO

Morte foi informada na tarde desta quarta-feira, 12, segundo a Boitempo Editorial, editora em que Leandro trabalhava

RIO – O advogado e filósofo marxista Leandro Konder, de 78 anos, morreu na tarde desta quarta-feira (12), segundo a Boitempo Editorial, editora em que Leandro trabalhava. A empresa não soube informar as circunstâncias da morte. A reportagem ainda não conseguiu falar com familiares do filósofo.

Nascido em Petrópolis em 3 de janeiro de 1936, Konder formou-se em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atuou como advogado criminalista e depois, trabalhista, até ser demitido dos sindicatos em que trabalhava, em função do golpe militar de 1964. Foi professor da Universidade Federal Fluminense e da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Atuante pensador, foi autor de inúmeras obras em diversas áreas do conhecimento, como filosofia, sociologia, história e educação.

Em 1972, forçado a sair do Brasil, foi para a Alemanha, onde trabalhou na Universidade de Bonn, e depois para a França. Retornou ao país em 1978 e, de 1984 a 1997, foi professor no Departamento de História da UFF.

Desde os anos 1960, Konder, que tem 21 livros publicados, é um dos principais divulgadores do marxismo no Brasil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  'Sentimo-nos invencíveis naquela época': Nápoles presta homenagem a Maradona

2 comentários

  1. Duas grandes

    Duas grandes perdas.

    .

    “Quando o mundo abandonar meu olho.

    Quando meu olho furado de belezas for esquecido pelo mundo.

    Que hei de fazer?

    Quando o silêncio que grita de meu olho não for mais escutado.

    Que hei de fazer?

    Que hei de fazer se de repente a manhã voltar?

    Que hei de fazer?

    – Dormir, talvez chorar.”

    ( Manoel de Barros)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome