Maysa e a gratidão da bossa nova, por Nicolau de Souza

Por Nicolau de Souza

Hoje Maysa estaria completando 80 anos de vida.Se não fosse a ela, a bossa teria demorado mais a acontecer. Nesse disco “O Barquinho”, ela lançou esse e outros grandes sucessos desse, então, novo estilo. Saudades eternas dessa voz imortal.”, afirmou esta semana em sua FanPage o compositor, músico e produtor, Roberto Menescal. Esta é a gratidão da turma da bossa nova à cantora e também compositora Maysa Figueira Monjardim, mãe do diretor de televisão, Jayme Monjardim. Na segunda (6) completaria seus 80 anos.

O jornalista e escritor Ruy Castro conta em seu livreto/CD número 16 “Maysa – “Coleção Folha 50 Anos de Bossa Nova” (MEDIAfashion, 2008) que “Maysa inaugurou uma linha na nova música: a da bossa adulta, madura, ponderada. Na sua voz, canções como “O Barquinho”, “Nós e o Mar” e “Ah! Se eu pudesse”, todas da dupla Menescal/Bôscoli, perderam instantaneamente o ar infanto-juvenil com que foram compostas e ganharam em mistério e densidade…”.

     

Outra homenagem à cantora e compositora Maysa esta semana foi a do jornalista e radialista da CBN, João Carlos Santana, em sua “Sala de Música” . Se viva fosse, a artista completaria 80 anos. O jornalista e escritor Lira Neto, biógrafo de Maysa, foi seu convidado especial. Vale conferir a entrevista na rádio CBN, clicando aqui.

Com informações de Roberto Menescal, Coleção Folha 50 Anos de Bossa Nova e João Carlos Santana/Rádio CBN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Pedro alçou vôo com seu anel de tucum, por Ricardo Rezende

4 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome