Morre Derlei Catarina de Luca, a voz de SC na luta pelos direitos humanos

Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

Morre Derlei Catarina de Luca, a voz de SC na luta pelos direitos humanos Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS

do Diário Catarinense

Morre Derlei Catarina de Luca, a voz de SC na luta pelos direitos humanos

por Rafael Martini

O Brasil perdeu neste sábado, Derlei Catarina de Luca. Aos 70 anos, a professora e escritora perdeu a batalha que travava contra o câncer. Catarinense, natural de Içara, Derlei era reconhecida no país como uma das principais vozes a denunciar os horrores praticados pela Ditadura Militar.

Trazia no corpo as marcas das intermináveis sessões de tortura a que foi submetida nas vezes em que ficou presa em São Paulo na Operação Bandeirantes (Oban). Após conseguir fugir, exilou-se no exterior e só voltou ao Brasil em 1979 com a Lei da Anistia.

Desde 1980 dedicou-se ao resgate da memória dos desaparecidos políticos nos anos de Chumbo. Fundou o Comitê Catarinense Pró-Memória dos Mortos e Desaparecidos e o Coletivo Catarinense Memória Verdade e Justiça. Participou ativamente aqui, em Brasília e São Paulo dos trabalhos para localização dos corpos. Sua maior batalha desde então foi a incansável pesquisa para descobrir o destino do amigo, o deputado catarinense Paulo Stuart Wrigth,, morto em 1973 e até hoje desaparecido.

Sua trajetória já foi contada em livro de sua própria autoria. Mas Derlei merece filme, documentário e tantas outras obras for possível produzir para retratar a história dessa mulher de coração gigante.

Derlei foi objetivo de inúmeras reportagens nos principais jornais de Santa Catarina. Em 2005, uma matéria assinada por Renê Müller e Marcos Espíndola, publicada no Diário Catarinense, foi finalista do Prêmio RBS de Jornalista. Sob o título o Bebê que driblou a Ditadura, os repórteres contaram a saga de Derlei, que teve de abandonar o próprio filho para fugir da perseguição política e só foi encontrá-lo anos depois.

Derle era, antes e acima de mais nada, uma humanista, democrata convicta. Lamentavelmente, palavras em desuso em tempos de ignorância e intolerância nas redes sociais.

Católica praticante, neste momento deve estar ao lado de pessoas queridas como Paulo Stwart Wrigth e Luiz Carlos Cancellier. Gente que deu a vida na luta pela defesa da liberdade. Querida amiga Derlei, vá em paz. Você fez sua passagem por aqui valer a pena como poucos. 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Vai-se um ser humano

    Vai-se um ser humano extraordinário como essa senhora Derlei e ficam aqui, gilmar mendes, temer, serra, moro, dalagnol, bolsonaro, aécio,….

    • Máfia tucana dos inférno!! Tomaram os 3 poderes e tudo +

      … esqueceu do cabeça fernando henrique cardoso clinton, tambem conhecido nos eua por bláu bláu.

  2. Presente!

    Nas mensagens do grupo “os amigos de 68” ela sempre esteva combattiva e até mesmo bem humorada. Sempre terminava suas palavars desta maneira:

    “Não importa o que o passado fez de mim, importa o que eu faço com o que o passado fez de mim”.

    Derlei Catarina De Luca

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome