O Carnaval Carioca, na segunda década do século XX

por Luciano Hortencio

Vários Artistas – CARNAVAL CARIOCA – Costa Jr. (Juca Storini).

Disco  Favorite R-1-457.027.

Ano de 1912.

Disco constante do Arquivo Nirez.

Coisas que o tempo levou.

Obs: Consegui transcrever a primeira marcha, que faz referência irreverente e jocosa à “Vacina Obrigatória” e também o samba, que vem em terceiro lugar da gravação.

Interessante salientar que a gravação é anterior ao samba “Pelo Telefone”, porém o apresentador fala e reitera duas vezes:

“Agora é o samba, agora é o samba, agora é o samba…”

 

Primeira marcha:

Eu vou-me embora, pai, tô indo embora.

Para livrar-me da vacina obrigatória.

Eu vou-me embora, pai, vamos embora.

Para livrar-me da vacina obrigatória.

Ai, houve tiro de revólver, muita pancadaria,

A vacina obrigatória precisou cavalaria.

Eu vou-me embora, pai, vamos embora.

Para livrar-me da vacina obrigatória.

Toca toca o telefone lá vem a cavalaria,

Fazendo pouco do povo, da forma que ela queria.

Eu vou-me embora, pai, vamos embora.

Para livrar-me da vacina obrigatória.

 

O samba:

Crioula, mulata,

As tuas cadeiras são que me matam.

Crioula, mulata,

As tuas cadeiras são que me matam.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

6 comentários

  1. Interessantíssimo, Luciano.

    Interessantíssimo, Luciano. Valeu. 

    Não conhecia a marcha sobre a vacina obrigatória. Reparou que a melodia do refrão desse trecho é igual à do refrão de “No bico da chaleira”? E também, como “No bico da chaleira”, vêm em seguida as quadrinhas sobre os democratas e a bela iaiá, me deixa passar.  

    É evidente que Storoni recolheu das ruas muita coisa, inclusive a marcha inicial sobre a vacina.

    A revolta da vacina foi em 1904, No bico da chaleira é de 1909, esse pot-pourri foi lançado de 1912.

  2. Historia do samba

    Que preciosidade esse arquivo do Nirez e que beleza que ele e o Luciano compartilhem essa pérolas conosco. Fala-se muito d do rancho como precedente ao samba, mas o samba nasceu nas ruas, com pai e mãe e acabou nos enredos das, então, escolas de samba. E o interessante ao ler as historias do carnaval carioca é ver como aos poucos foi se desenvolvendo e popularizando o carnaval de rua.

    [video:https://youtu.be/iHTBsV1YQDU%5D

  3. Refiro-me a esta versão de

    Refiro-me a esta versão de “No bico da chaleira”, cantada no carnaval de 1909, gravada mais tarde pelo Almirante no programa de rádio dele. Foi ela que abriu o bloco das outras marchas sobre a chaleira. Me mande seu email que mando o arquivo de áudio.

     

    Iaiá, me deixe subir esta ladeira
    Que eu sou do grupo do pega na chaleira.

    Quem vem de lá,
    Bela Iaiá,
    Ó abre alas
    Que eu quero passar.

    Sou Democrata,
    Águia de Prata,
    Vem cá mulata
    Que me faz chorar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome