Raphael Martinelli, um expoente da luta por Memória, Verdade e Justiça no Brasil

É com profundo pesar que os membros do Núcleo de Preservação da Memória Política comunicam o falecimento de Martinelli

Foto: Arquivo

Do Núcleo de Preservação da Memória Política

É com profundo pesar que os membros da diretoria, os conselheiros e os associados do Núcleo de Preservação da Memória Política comunicam o falecimento na data de hoje, 16 de fevereiro 2020 , do seu fundador e expoente da luta por Memória, Verdade e Justiça no país, RAPHAEL MARTINELLI.

Raphael Martinelli nasceu no dia 16 de outubro de 1924, no bairro da Lapa, em São Paulo. Filho de mãe italiana e pai brasileiro, começou a trabalhar aos 12 anos de idade como ajudante na indústria de anilina Produtos Químicos Sucuri. Antes de entrar na ferrovia, trabalhou na Vidraçaria Santa Marina e na Indústria Metalúrgica Tupi como ajudante de ferreiro e, depois, como polidor de enxada.

Em 1941, ingressou na companhia São Paulo Railway como aprendiz escriturário de “quinta categoria”, onde fez carreira e profissionalizou-se como ferroviário, a exemplo de seu pai e de seus irmãos. No início da década de 1950, tornou-se líder sindical da categoria. Foi candidato a deputado federal em 1958 pelo Partido dos Trabalhadores do Brasil (PTB). Entre os anos de 1959 e 1961, cumpriu seu primeiro mandato como presidente da Federação Nacional dos Ferroviários.

Foi membro do Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) e, já no contexto da ditadura civil-militar (1964-1985), após sua saída do “Partidão” (PCB, Partido Comunista Brasileiro), participou da fundação da Ação Libertadora Nacional (ALN) ao lado de Carlos Marighela e Joaquim Câmara Ferreira, em 1967. Por conta de sua militância, já havia sido preso em 1955 como líder sindical dos ferroviários. Atuando na clandestinidade, foi perseguido e preso novamente no ano de 1970, como militante de esquerda subversivo, pela Operação Bandeirante (OBAN), em São Paulo.

Leia também:  Coronavírus: Trump é contra resolução que flexibiliza acesso brasileiro à futura vacina

Condenado a oito anos de prisão, entrou com recurso e conseguiu ter a pena reduzida para quatro anos. Durante pouco mais dos três anos em que ficou preso, passou por outros centros de repressão como o DOI-Codi/SP e Deops/SP, onde foi submetido a torturas. Nesse período, destacou-se como um dos militantes mais velhos, com quase 50 anos de idade, prestando auxílio aos mais jovens. Na década de 1980, com o processo de redemocratização, formou-se bacharel em Direito e participou da fundação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do Partido dos Trabalhadores (PT).

No ano de 2001, foi um dos fundadores do Fórum dos Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo, instituição em que atuou por muitos anos como presidente. Nesta instituição foi um dos principais responsáveis pela reinvindicação da transformação do antigo DEOPS no Memorial da Resistencia.

Em 2009, foi um dos fundadores, juntamente com outros ex-presos políticos, do Núcleo de Preservação da Memória Política, onde durante os primeiros 4 anos do Núcleo Memoria fez parte do Conselho Administrativo da entidade. Nos últimos anos, foi advogado do Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil e membro fundador e Presidente emérito do Núcleo dos Irredentos.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Sigamos o exemplo destas verdadeiras lendas da resistência! DESCANSE EM PAZ Martinelli!
    A NOSSA LUTA CONTINUA

    1
    1
  2. O conheci pessoalmente em meados da década de 80,na subsede do bancários da Lapa onde eu era funcionário e a subsede era palco de reuniões de va´rios grupos de oposições, como MOMSP, Quimicos, Plásticos, Condutores, Vidreiros Frios etc.

    Martinelli, presente!

    1
    1
  3. A beleza não vence a morte. Que merda. Um gesto, um instante, momento, um dia. Não adianta a trajetória. única como uma inexpressão, ela iguala. A plaina do marceneiro que modela e mobilha o mundo. A régua do carpinteiro que molda o andaime dos andares. o andar mal olhado. Essa resistência continua.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome