Bancos privados registram aumento no lucro no primeiro trimestre

itau.jpg
 
Foto: Marcelo Alves
 
Jornal GGN – Em meio a uma crise econômica que não dá sinais de retroceder, com um desemprego que ultrapassa a marca das 14 milhões de pessoas, os bancos privados registraram aumentos em seus lucros no primeiro trimestre deste ano.
 
Hoje (3), o Itaú anunciou que seu lucro recorrente entre janeiro a março de 2017 chegou a R$ 6,176 bilhões, um aumento de 6,2% na comparação com o trimestre anterior e de 19,6% em relação ao mesmo trimestre do ano passado. 
 
O lucro líquido do maior banco privado do país alcançou R$ 6,05 bilhões, uma elevação de 9,2% em relação ao último trimestre de 2016 e de 16,7% na comparação anual.

 
O Itaú afirmou que o aumento do lucro resulta do controle de despesas administrativas e melhor qualidade de sua carteira, com menos provisões para  perdas com calotes.
 
Na semana passada, o Bradesco, o segundo maior banco privado do Brasil, teve lucro líquido recorrente de R$ 4,648 bilhões, um aumento de 6% com o trimestre anterior e de 13% na comparação com o mesmo período de 2016.
O Bradesco também disse que o aumento do seu lucro está relacionado com a redução de custos administrativos, com pessoal e com a diminuição dos valores provisionados para perdas com calotes. 
 
Já o lucro líquido contábil, que serve como base para a remuneração de acionistas, teve recuo de 1,2% em relação ao primeiro trimestre de 2016, mas apresentou crescimento de 13,3% ante o quarto trimestre do ano passado. 
 
No caso do Bradesco, os valores incluem o desempenho do HSBC Brasil, que foi incorporado aos resultados do banco desde o terceiro trimestre do ano passado. A operação brasileira do HSBC foi adquirida pelo Bradesco em agosto de 2015, por R$ 16 bilhões, e a negociação foi aprovada pelo Cade em junho de 2016. 
 
O Santander teve lucro líquido de R$ 2,28 bilhões no primeiro trimestre do ano, um aumento de 37,3% na comparação com o mesmo período do ano passado e de 14,7% ante o trimestre anterior. 
 
Assim como Itaú e Bradesco, a redução das provisões contra calotes contribuíram para o resultado, além do aumento da receita com tarifas e serviços. 
 
Com este resultado, a operação brasileira do banco espanhol respondeu por 26% da participação no lucro da matriz. Em geral, a fatia varia entre 18 a 20%. 
 
Na apresentação do balanço do trimestre, Sérgio Rial, presidente do banco, afirmou que a economia brasileira terá “uma demonstração de maior crescimento do que o mercado está sinalizando”.
 
“Nunca subestimei o Brasil. Quem subestima o Brasil geralmente erra. Não há um analista de mercado que não veja o Brasil crescendo de 3% a 4% no ano que vem”, disse. 
 
Ele diz que o país está no “caminho certo” (ao contrário do que pensa a maioria da população, segundo pesquisa Ipsos) e comentou sobre a reforma trabalhista, dizendo que “a modernização, voltarmos a dar capacidade à empresa e ao empregado de pactuar aquilo que for de seu melhor interesse em uma sociedade transparente, flexível e mais veloz, é de interesse de todos. A reforma que está sendo discutida hoje é, na minha opinião, algo que visa, entre outras coisas, a geração de emprego”.
 
Assine

5 comentários

  1. Eis os donos do pedaço.
    No

    Eis os donos do pedaço.

    No caso, os representantes nativos.

    O Brasil rumo à ” modernidade” de séculos atrás, com implantação, inclusive, de trabalho escravo.

    Perspectiva de que todos os recursos da previdência desaguem nos seus cofres, sem qq compromisso de retorno aos contribuintes no futuro remoto.

    O paraíso na terra para essa casta que sequer é alvo da ira dos infelizes.

    Com maestria, desviaram toda indignação para os políticos, facilmente subornados e chantegeados, além de cooptar a justiça. 

     

  2. Mas não há nenhuma novidade.

    Mas não há nenhuma novidade. A TOTALIDADE da politica monetaria, cambial e no geral da politica economica é OPERADA POR BANQUEIROS, o Ministro da Fazenda é banqueiro há decadas e foi até ser Ministro da Fazenda, era presidente do Conselho do Banco Original, controlado pelo Grupo JBS, o presidente do BC era da alta cupula do Banco Itau até a vespera de ir para o Banco Central, queriam o que? A politica economica foi TERCEIRIZADA para o sistema bancario.

    Objetivos do sistema bancario:

    1.Maximizar o valor do REAL , quanto mais valer o REAL em relação ao dolar, mais valem seus ativos em Reais, que são 95% dos ativos bancarios, hoje os bancos nem imoveis tem mais, preferem alugar, todo seu capital está em REAIS.

    2.Manter os JUROS altissimos e incontrolados para sugarem o maximo da economia produtiva e da população.

    3.Lutar já não mais para a inflação baixa mas agora pela DEFLAÇÃO, pelo mesmo principio da valorização maxima do Real,

    quanto mais esse valer mais valem os bancos e mais ricos são seus acionista em dolar, os quatro maiores bancos privados, Itau, Bradesco, Santander e Safra são avaliados em DOLAR ,  tres são cotados na Bolsa de Nova York e o quarto tem seu dono morando na Suiça, quanto mais valer o Real contra o Dolar mais valem os bancos em Dolar. Hoje os bancos privados brasileiros estão entre os maios valiosos do mundo (Market Value) e portanto seus acionistas são cada vez mais ricos em DOLAR, o Brasil trabalha para eles.

    4.Toda essa montagem se faz CONTRA A ECONOMIA PRODUTIVA E CONTRA A POPULAÇÃO BRASILEIRA.

    A ´prova provada é os LUCROS DOS BANCOS SOBEM A CADA ANO EM MEIO Á MAIOR RECESSÃO DA HISTORIA DO BRASIL. Quanto menor a inflação maior o numero de desempregados e maior é o lucro dos bancos.

    5.O conceito de META DE INFLAÇÃO foi trazido para o Brasil pelo banqueiro Sergio Werlang, que era do Itau,  com base em uma ideia defendida por  Arminio Fraga. A origem do conceito é portanto 100% da area financeira, a quem quanto mais baixa a inflação mais lucros conseguem. O grande truque que venderam à população brasileira, propagado pelal midia,

    é que QUANTO MAIS BAIXA A INFLAÇÃO MELHOR É PARA O POBRE, o que é absolutamente falso para quem não tem emprego e renda  MAS a inflação cada vez mais baixa faz a alegria dos rentistas, CADA VEZ SEU CAPITAL E RENDA VALEM MAIS, seu capital e sua renda cada vez compra mais coisas e permitem mais viagens a Miami, enquanto

    a mesma situação torna a vida do desempregado cada vez pior e sem esperança.

    Os lucros cada vez maiores do BANCOS são apenas a chancela dessa politica.

     

  3. Geração de empregos?

    Piada. Nenhum Banco registrou aumento da geração de empregos nos últimos anos. Pelo contrário, cada vez enxugam mais, trocando funcionário pelo atendimento via internet, eletrônico e telefone, além de terceirizar boa parte da mão de obra. A maior parte do lucro vem da especulação pura e simples. Investimento na cadeia produtiva é parcela bem menor.

  4. Sei lá, perguntar não ofende:

    Sei lá, perguntar não ofende: os bancos  (e banqueiros)  não ganharam nadica de nada em cima de tanto dinheiro de propinas, tráfico e outros crimes que circula por aí?

  5. Lucro dos bancos
    A justificativa para esses lucros é de uma pedalante criatividade. Acredito que os super-lucros têm mais a ver com negociação de títulos públicos, a conhecida orgia financeira. Essa de que lucros têm a ver mais com ajustes administrativos e técnicos é tentativa, mais uma, de emburrecer as pessoas. Dá-lhe gerenciamento “mamãe é gente boa” da dívida pública/receita privada. Os juros da dívida pública estão eufóricos. “O Brasil vai ficar rico; vamos faturar um milhão”. O “consultor” Renato Russo deixou isso profetizado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome