Como o mercado tecnológico da China superou concorrentes dos EUA

A ausência de concorrentes estrangeiros não significa que a vida seja menos agressiva para grupos nacionais, narram empresários

Foto: REUTERS
Quão competitivo é o mercado tecnológico da China?

A ausência de concorrentes estrangeiros não significa que a vida seja menos agressiva para grupos nacionais, argumentam empresários 

Por HENNY SENDER
Do Financial Times

(…)

Hoje, parte da reação dos EUA contra a China se baseia no fato de o país ter manipulado o jogo da tecnologia – fechando seu mercado a competidores estrangeiros em diversos setores ou exigindo que eles entreguem tecnologia crítica a seus parceiros locais ou roubando-a, diretamente. Muitos políticos e executivos dos EUA acreditam que, se a China tivesse condições equitativas e abertas, o cenário seria muito diferente.

Os atores locais dominam o cenário tecnológico da China. O Alibaba tem uma participação de mercado maior no comércio eletrônico do que a Amazon, com cerca de 56% e afastou de forma determinada o eBay há mais de uma década; O WeChat é a primeira escolha para comunicação, não o Facebook; O Baidu é o principal mecanismo de pesquisa, não o Google.

(…)

No entanto, qual seria o cenário diferente se o mercado chinês estivesse realmente aberto? O domínio local é devido a um grande firewall de censura em massa à Internet, em vez de qualquer competitividade real?

Wang, junto com praticamente todos os empreendedores e capitalistas de risco do continente, acredita que o quadro ainda seria semelhante. Uma atitude darwiniana de “sobrevivência do mais apto” prevalece no mundo corporativo, mas a ausência de candidatos estrangeiros significa que pessoas de fora deixam de apreciar o quão competitiva é a China, argumentam eles.

Leia também:  Na ONU, China defende multilateralismo e rejeita guerra fria com EUA

“Para cada IPO de uma empresa de tecnologia, existem 40.000 startups que não conseguiram”, diz Richard Ji, fundador da empresa de capital de risco All-Stars Investment, e anteriormente analista de tecnologia do Morgan Stanley. “Os reguladores impõem algumas barreiras à entrada, mas essa não é a causa raiz do domínio das empresas domésticas. A causa raiz é a qualidade dos empreendedores. Os empreendedores precisam ter um instinto assassino para sobreviver a tanta concorrência.”

(…)

As empresas de tecnologia chinesas também evoluíram mais rapidamente, sendo pioneiras no conceito de “super aplicativos” – oferecendo vários serviços em um único aplicativo – que seus rivais americanos apenas agora estão começando a imitar. As plataformas não querem apenas uma fatia da lealdade do cliente: elas querem possuí-las inteiramente.

Certamente, algumas vantagens para os atores locais são inevitáveis, dado o grande papel do estado. “Você precisa de conhecimento político”, argumenta Ji. “Você precisa saber onde estão as linhas que não devem ser cruzadas.”

(…)

Além disso, muitos empresários chineses que visitam o Vale do Silício pela primeira vez ficam chocados com o que consideram os hábitos preguiçosos de trabalho de seus colegas americanos.

“Os empreendedores chineses mantêm o ritmo implacavelmente. Eles sacrificam a vida pessoal para se adaptar mais rapidamente às oportunidades. No Vale do Silício, as pessoas têm melhor equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Isso vai acontecer na China – mas ainda não”, diz Rebecca Chua, da Premia Partners, sediada em Hong Kong.

Leia também:  O fracasso da política protecionista de Trump, por Luis Nassif

 

Leia a matéria completa aqui.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. É essa a vantagem de China: sacrificar a vida pelo capital. Dos executivos, passando pelos engenheiros e programadores até os peões precarizados das fábricas e lojas. Muito trabalho intenso com pouca folga para existir como ser humano. E uma crescente desigualdade social, apesar do país ter superado a miséria absoluta.
    É esse paraíso capitalista que queremos? Pois é para esse ‘éden’ que o capital globalizado nos conduz: dê o suor e o sangue para o capital e pague as contas ou caia na miséria dos inservíveis.

    5
    2
  2. Os jovens ocidentais [o modelo]q ue até agora seguem o modelo americano, estão sendo vencidos pelo modelo chinês ou asiático. Desses países acho que só vão escapar a Alemanha e os escandinavos.

  3. Se o mundo seguir os EUA e começar a boicotar tecnologicamente a China, levando-se em conta que o governo chinês pode impor avanços tecnológico com maior velocidade para sua população criando um gap tecnológico a favor da china diante do resto do mundo!
    Eles podem escolher tecnologias independente do mercado e ficando sem o compromisso de compartilhar tecnologia seguindo o caminho que quiser!
    O brasil regrediu com a reserva de mercado e sem as “travas” do ocidente a China poderá avançar criando uma nova realidade tecnológica!
    Basta a China, que pode aplicar o poder de governo para dirigir inovações ao seu mercado orientada para si mesma!
    Acho uma burrice dos EUA essa reação à China, lembrando que a Rússia foi duramente pressionada pela Otan e olha no que deu, hoje seu arsenal bélico é o mais avançado do mundo e certamente a espionagem russa, acusada pelos EUA de interferir em sua eleição não fica atrás!
    Ao invés de investir positivamente em seu povo e ciência, os EUA vão repetir o Brasil de bolsonaro…

  4. É essa a vantagem dos EUA: Sacrificar a vida pelo capital. Dos executivos… É essa a vantagem da Europa: Sacrificar a vida pelo capital. Dos executivos… É essa a vantagem da América Latina: Sacrificar a vida pelo capital. Dos executivos… É essa a vantagem da África. Sacrificar… É essa… Oriente Médio… É essa… Ásia….

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome