Economia global deve ser melhor em 2013, diz Coutinho

 

O quadro da economia mundial em 2013 deve apresentar uma melhora relativa em relação ao quadro visto durante o ano passado, de acordo com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, ao falar sobre o desempenho dos desembolsos do banco. Coutinho fez um balanço positivo do momento atual da economia, a partir dos recentes resultados de países como China e Estados Unidos.

“Embora o crescimento da China no primeiro trimestre (divulgado esta semana) tenha sido um pouco aquém do esperado pelo mercado, de 7,7% em vez de 8%, a expectativa em geral é de sustentação do crescimento na China, de recuperação moderada nos Estados Unidos e de crescimento zero na zona euro”, declarou Coutinho, segundo informações da Agência Brasil. “A expectativa de mercado é que 2013 será um ano menos ruim em relação a 2012”.

O presidente do BNDES afirmou que a zona do euro permanece como alvo de preocupação, e que casos como a crise financeira no Chipre ainda podem voltar a ocorrer. Coutinho lembrou que o comércio mundial, que avançava em uma média de 14% a 15% ao ano antes da crise financeira mundial, teve crescimento de apenas 0,7% no ano passado e que a expectativa de crescimento para 2013 – de 3,5% a 4% é a de “modesta recuperação”.

Coutinho também destacou a decisão do Japão de promover expansão monetária em até 50%, ressaltando que a operação de compra de papéis com consequente injeção de dinheiro e liquidez no mercado “tende a derrubar ainda mais a taxa de juros e aumentar muito a liquidez”, em um plano que já foi aplicado nos Estados Unidos e Europa. 

Ao mesmo tempo, o presidente do BNDES informou que uma pesquisa elaborada pela entidade aponta um crescimento industrial na casa de 3% ao ano, com uma retomada dos investimentos que ele espera ultrapasse a casa de 5% em 2013. “Essa enquete revela para os próximos anos uma taxa implícita de investimentos de 5%. O que esperamos é que o ciclo de concessões de logística para o setor privado ajude a acelerar o investimento em infraestruturas em geral e que isso possa resultar num desempenho da formação de capital bruta mais forte, começando já em 2013”, declarou Coutinho.

Para dar suporte à concretização do investimento, Luciano Coutinho disse que os desembolsos do BNDES para este ano devem ser maiores que no ano passado (cerca de R$ 156 bilhões) e vão priorizar capital fixo, em detrimento do capital de giro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome