A Folha sem medo do ridículo

Enviado por Geraldo Reco

Está em destaque no UOL e também na Folha a notícia de que o Ministro da Jusrtiça e o Procurador Geral da República tiveram um “encontro secreto no exterior”. Ao ler o título pensei que, para ser secreto, talvez eles tenham se encontrado no Alaska ou algum lugar assim não muito frequentado. Mas nada disso, o tal encontro foi na Argentina, em Buenos Aires, mais precisamente um almoço em Puerto Madero. Para quem não sabe, Puerto Madero é um dos pontos turísticos mais visitados de Buenos Aires e a capital argentina uma das cidades mais visitadas por brasileiros. Denominar de “secreto” um almoço num lugar desses, recheado de brasileiros por tudo quanto é lado, é algo ridículo.

O link é este aqui:

Da Folha de S. Paulo

Ministro da Justiça teve encontro secreto com procurador no exterior

Por Andréia Sadi 

Editoria de Arte/Folhapress

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, encontrou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em Buenos Aires, na Argentina, fora da agenda e durante viagem oficial, em um sábado de novembro do ano passado.

A reunião, um almoço na área turística de Puerto Madero, ocorreu no dia 22. Três dias depois, procuradores desembarcaram na Suíça atrás de contas que foram usadas, de acordo com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, para a Odebrecht pagar a ele suborno de US$ 23 milhões, o que a empreiteira nega.

Na semana anterior ao encontro, no dia 14, a Polícia Federal, subordinada a Cardozo, havia deflagrado a fase da Operação Lava Jato que levou executivos das principais empreiteiras do país à cadeia.

Leia também:  Nunca um presidente foi tão vulgar com uma mulher. Espere o efeito bumerangue, por Carla Jiménez

Perguntada sobre o encontro com Janot, a assessoria de Cardozo informou inicialmente àFolha que o ministro viajara à Argentina naquela data para encontro com o ministro da Justiça e da segurança pública da Argentina.

Questionada novamente por telefone e email sobre a reunião, a assessoria, então, confirmou num segundo momento o ”encontro pessoal” do ministro com o chefe do Ministério Público, que estava na cidade para encontro de procuradores do Mercosul.

Segundo o Ministério da Justiça, Cardozo e o procurador-geral ”mantiveram contato” e, juntamente com a mulher de Janot, se encontraram para um almoço no dia 22. ”Não houve registro em agenda por não se tratar de encontro oficial”. A assessoria nega qualquer discussão sobre a Lava Jato.

A reportagem contatou a assessoria de Janot desde quinta (5), mas não obteve resposta.

Este é o segundo encontro de Janot e Cardozo que não consta na agenda de ambos. No último dia 26, a Folha revelou que eles estiveram juntos às vésperas da apresentação, por Janot, ao STF (Supremo Tribunal Federal) dos pedidos de abertura e arquivamento de inquéritos contra políticos.

A lista foi entregue na terça-feira (3) e liberadapelo ministro Teori Zavascki, relator do caso, na sexta-feira (6).

Janot e Cardozo negaram ter tratado da lista. O ministro da Justiça já foi alvo de questionamentos por ter se encontrado com advogados de empreiteiras investigadas.

10 comentários

  1. Sorry.  Nao tem quase nada de

    Sorry.  Nao tem quase nada de ridiculo na noticia.  O fato mesmo eh que eu nao confio em nenhum dos dois.  Nao tenho razao pra NAO pensar que eles nao estavam tramando nada.

  2.  
    “O ESTADO ISLÂMICO”, uma

     

    “O ESTADO ISLÂMICO”, uma faceta! FURNAS &$ A “LIBERDADE DE IMPRENSA TUCANA”! ############### (…)Há um sujeito engaiolado nos presídios de Minas Gerais, Nilton Monteiro, que sempre quis ajudar a Justiça, mas nunca recebeu os benefícios da “delação premiada”.Será porque Monteiro sempre deixou claro que queria delatar os esquemas tucanos, mais particularmente de Aécio Neves, em Furnas? FONTE: http://www.ocafezinho.com/2015/03/08/quem-vai-investigar-a-participacao-de-aecio-nos-desvios-de-furnas/#sthash.8bv62o9Q.dpuf (Ouça o áudio da entrevista do Viomundo com Nilton Monteiro. Serve para entender porque Ali Kamel tenta, tão desesperadamente, asfixiar a blogosfera com processos.https://soundcloud.com/azenha/a-entrevista-completa

  3. Não é ridículo.Trata-se de

    Não é ridículo.

    Trata-se de uma narrativa.

    A Folha está a semana inteira tentando criar uma que envolva Dilma na Lava Jato e ações de seu governo para tentar conduzir os outros poderes.

    Já que não há fatos para se provar isso, criam-se as versões conspiratórias para dar álibi aos parceiros atingidos.

    A estratégia é velha e surrada, mas no Basil, onde parte da classe média apolitica se informa e acredita na mídia corporativa, isso ainda dá muito resultado.

    Cabe ao governo reagir. O sonolento ministro da justiça parece que tomou uma dura (Dilma?) e agora dá até entrevistas para desmentir a boataria da nossa proba imprensa. Espero que isso não seja apenas um rompante momentâneo,  Isso tem que ser feito todo santo dia, 24 horas ligado.

    A propósito: Aécio, Anastasia, PSDB, Furnas…..  Nenhuma palavra, nenhum questionamento, nenhum interesse. Baseando-se na nossa imprensa parece que os tucanos não costumam jantar em restaurantes. Nem em segredo, nem em publico. Todos de boca fechada.

  4. Eiu não tenho  a menor ideia

    Eiu não tenho  a menor ideia da relevância da notícia– em tbm li.

         Foi um encontro ocasional que não tem nada de secreto.

             Segundo a Folha deixa transparecer, até parece que marcaram um eccontro na Argentina–nada disso.

                        Outro assunto:

                    O procurador Geral consegue desagradar ambos lados.

                       E quando se deixa fotografar como salvador da pátria piorou mais ainda– o cargo exige discreção;

                       Esse cara conseguiá atrasar mais ainda um processo que se antevê longo.

                         A figura é  fraca demais.

  5. Pois é…

    Será que o Ulisses Campbell será superado pela Andréia Sadi num futuro próximo? Vai que o Lula tem um sobrinho-neto em Buenos Aires…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome