A fraternidade da Satiagraha

Da Folha

A missão
Por Jânio de Freitas

A MAIS RECENTE novidade da Operação Satiagraha não se refere a grampo telefônico, não é criminal, não é policial, nem envolve ministro querendo derrubar alguém para dominar o seu cargo. É mais simples do que estes componentes ainda muito obscuros, também não está desvendada de todo, mas não é mais inofensiva do qualquer deles. Ei-la: a condução da Satiagraha orientou-se por uma espécie de sociedade ou fraternidade de fundo religioso, presente nos três âmbitos coordenados para a operação -o policial, o do Ministério Público e o judicial.

Esse vínculo imaterial é a fonte do caráter de missão justiceira e saneadora da sociedade, sobre a qual o delegado Protógenes Queiroz fala com crescente desenvoltura e exaltação, a seu próprio respeito, e o juiz Fausto De Sanctis o faz à sua maneira, com mais comedimento formal, mas total clareza de sua convicção missioneira, inclusive pelo despojamento em relação à carreira no Judiciário. O que o delegado Protógenes Queiroz também faz, agora, com a recusa à oportunidade de passar à política, que lhe é oferecida pela notoriedade e pelo PSOL.

A Satiagraha não é a primeira operação cujas características foram influenciadas pelos propósitos e maneiras da fraternidade. Antes houve ao menos uma em grande escala: a operação que prendeu o banqueiro Edemar Cid Ferreira, do Banco Santos, manteve-o encarcerado por prazo incomum e tomou-lhe, entre outros bens, a estupenda coleção de arte, raridades e arqueologia. A propósito, o juiz De Sanctis determinou agora que as peças sejam expostas, por considerar que a coleção de arte é um bem público, não privado.

O delegado Protógenes Queiroz passou a ostentar na lapela, recentemente, uma imagem de santa.

Comentário

Na verdade, o que Jânio chama de fraternidade, são apenas funcionários públicos sérios, empenhados em cumprir corretamente seu trabalho. Assim como existem muitos jornalistas sérios amarrados por esse pacto inominável de defesa de Dantas. Mas poucos deles, como o próprio Jânio, com coragem para enfrentar a maré.

Leia também:  Leitoras, leitores e assinantes protestam contra a parcialidade do programa sabatina Folha/UOL

As ótimas observações sobre o comportamento de Protógenes e De Sanctis chamam a atenção para um ponto relevante: para enfrentar esse jogo criminoso, foram buscar forças na fé, na família, na crença no país.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

105 comentários

  1. Nassif, olha, está difícil
    Nassif, olha, está difícil participar de alguma leitura nos jornais e revistas deste país. Estão cada dia mais desorientados. Não fora jornalistas como Você, não sei o que seria do país. Acredito que muitas “maracutaias”, muitos “gatilhos” foram desarmados por você e mais dois ou três outros jornalistas. A UDN não está mais à vontade para em conluio com a UDN midiática, aprontar o que bem entende, prá cima de quem bem entende.
    PARABÉNS POR ESTE COMENTÁRIO SOBRE A MATÉRIA DE JÂNIO DE FREEITAS. Esta imprensa está assim, o alvo é o MOCINHO o bandido eles traçam louvores. Veja só, está semana, saiu a Veja Retrospectiva, SURPREENDENTEMENTE – À sombra da ilegalidade (está quem? – Daniel Dantas? – Não! – Protógenes) – PICARETATION EM ÚLTIMO GRAU.
    Está assim a imprensa.

  2. Alegro-me por ver pessoas que
    Alegro-me por ver pessoas que podem fazer o correto fazê-lo com dedicação e esforços incomuns. Entristeço-me, entretanto, ao ver que essas pessoas são vistas (ou “forçadas a serem vistas”) como missionárias, ou membros de “fraternidades” que, segundo querem alguns impor, seriam pessoas movidas por uma certa “insanidade” do bem.
    Nassif, seu comentário é certeiro quando diz que nada mais são do que servidores públicos no sentido extrito e amplo desses termos. Afinal se tanto se fala em ética, princípios, leis e moral, por que aqueles que os aplicam efetivamente à realidade devem ser estigmatizados e rotulados como “descompensados” ou membros de “irmandades”. A quem interessa esse tipo de interpretação? O bom dessa comunidade é que todos têm olhos e vêem e têm ouvidos e ouvem.

  3. Lendo o Janio e o Nassif
    Lendo o Janio e o Nassif vê-se claramente um jornalista com objetivos escusos e o outro tendo como compromisso apenas a verdade. É incrível, só faltava essa. Daqui a pouco a culpada de tudo vai ser a Santa!
    Bom Domingo!
    zeh

  4. NASSIF…desculpe estar
    NASSIF…desculpe estar novamente no lugar errado

    Mas não dá pra vc mudar o horário do “Fora de Pauta” ? …é que deixando pra mais tarde, às vezes, muitos assuntos e triviais acabam chegando atrasados

    FIM DE ANO, época de balanço

    Leio nos jornais que as vítimas do Bateau Mouche ainda não receberam indenização, 20 anos depois

    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?t=apos-20-anos-vitimas-do-bateau-mouche-esperam-indenizacao&cod_Post=149902&a=111

    Aí me ocorreu …será que em outros casos que envolveram centenas de famílias, será que eles já receberam os devidos reparos? Casos como:

    -Avião da TAM em 1996

    -Avião da TAM em 2007

    -Avião da GOL em 2006

    -plano Bresser

    -plano Verão

    -plano Collor

    -quebra do PAPA-TUDO

    -Palace 2

    -CAOS aéreo

    -Buraco do Metro de SP

    -desabamento das arquibancadas do Vasco

    …e isso pra não falarmos dos casos em que HAVIA e se IDENTIFICAVA o culpado …e que até hoje estão livres leves e soltos ..lembra? Pimenta nos olhos dos outros é Neves

    Diante de tanto festival de impunidade, dá pra mantermos as esperanças pra chegada de mais um ANO ? será que em 2009 a coisa vai ? Pra onde ?

    BRASIL, um país de tolos

  5. Essa crítica do Jânio de
    Essa crítica do Jânio de Freitas está muito suspeita. Se fosse orientação religiosa o motivo que levou o delegado a investigar a quadrilha do Daniel Dantas, qual o problema? Os crimes praticados continuam esperando sua apuração.
    Já não dá para por a mão no fogo por ninguém mais na folha!

  6. Caro moderador do forum,
    Caro moderador do forum, acabei de postar um comentário no qual escrevi a palavra estrito com “x” lá ficou “extrito”, peço que caso seja decidido pela publicação do comentário seja feita a correção. Sabe lá se eu não vou ser condenado em minhas idéias por ter digitado rápido demais… eis o X da questão. Obrigado.

  7. Na mosca de novo!!

    Quando
    Na mosca de novo!!

    Quando perdemos a Fé em alguns homens que a princípio deveriam ser como a mulher de César, temos de buscar em outra dimensão o entendimento de porque isso acontece.

    Abs.

  8. Jânio de Freitas,um dos
    Jânio de Freitas,um dos poucos colunistas da Folha que ainda merece ser lido,cai na armadilha daquilo que parece ser a cultura do jornal em que trabalha. Só eles tem o direito divino de diuturnamente defenderem uma posição. Todos os demais são tratados como seitas,fraternidades,bando,etc.
    Se a Folha de São Paulo faz este mal todo a um colunista tarimbado como Jânio de Freitas,podemos imaginaro estrago que não faz àqueles que simplesmente querem ler uma notícia.

  9. Não fossem os artigos
    Não fossem os artigos anteriores de Jânio de Freitas, uma das leituras possíveis desse texto ambíguo e, nessa medida, mal escrito, apontaria para um suposto caráter messiânico das atitudes do delegado e do juiz. Vejam o trecho, por exemplo, no qual Jãnio fala da “MISSÃO JUSTICEIRA e saneadora da sociedade, sobre a qual o delegado Protógenes Queiroz fala com crescente desenvoltura e EXALTAÇÃO, a seu próprio respeito, e o juiz Fausto De Sanctis o faz à sua maneira, com mais comedimento formal, mas total clareza de sua convicção MISSIONEIRA”. Isto parece bola pingando na área para quem (quem?) tem pronta na língua a resposta de que as convicções de um juiz devem ser jurídicas, e não “missioneiras”, que um agente da lei deve primar pelo comedimento, jamais pela “exaltação”, e que um delegado não deve confundir-se com “justiceiros” executando missões ditadas por suas convicções pessoais.

    Jânio de Freitas escreve bem. Às vezes, porém, fica tão inebriado com os ornamentos da forma que se esquece de dar polimento ao conteúdo.

  10. nassif:
    vejo o sr. jânio de
    nassif:
    vejo o sr. jânio de freitas a querer
    desqualificar o delegado protógenes e o juiz de sanctis.nenhuma novidade.
    falta a ele,para se mostrar o profissional que ele pensa que é,escrever uma matéria densa sobre os jornalistas e os meios de comunicação,como a fsp
    que o remunera,simpáticos à causa do daniel dantas.
    mais:o que motiva o sr. jânio de freitas a escrever?já que ele é analista,
    que se analise.
    romério

  11. Nassif,

    O que o Jânio faz,
    Nassif,

    O que o Jânio faz, não sei de involuntariamente, é corroborar a tese de Gilmar de que existe uma milícia formada por delegados, juízes e promotores de Justiça. Essa tese favorece claramente Daniel Dantas.

    Eu acredito mais numa fraternidade do bem que pensa um país sem tanta corrupção e socialmente mais justo.

  12. Ontem eu estava assistindo o
    Ontem eu estava assistindo o programa de Serginho Groissman ( é assim que se escreve?) e uma jovem protestou contra nossa mídia. Fiquei satisfeita.
    Pelo menos o Janio está noticiando.

  13. Não estou entendendo as
    Não estou entendendo as últimas colunas do Jânio de Freitas, tão combativo, tão corajoso. Não é a primeira vez que ele escreve coisas como essa. Pior do que o comentário – meio infantil – é o que está por trás disso.

  14. Nassif,
    Aos meus olhos (os
    Nassif,
    Aos meus olhos (os dois) e neurônios (todos os dois), o referido texto me parece mais um objeto de estudo para ser analisado sob a ótica do Ignácio Ramonet, no livro “Propagandas Perniciosas”.
    Permite entendimento dúbio, facultando ao leitor chegar à alguma conclusão parecida com a sua ou, extremo oposto, satisfazer sua antipatia pelo delegado e pelo juiz, reforçando a própria visão já construída anteriormente com um novo termo, “seita”, que desqualifica ambos funcionários públicos, reforçando subliminar já propagada pela mídia.
    A necessidade de catarse é inerente ao humano, nossos olhos vêem aquilo que queremos. Passa-nos despercebido o que não nos interessa.
    Com a certeza de não estar ficando paranóico, feliz 2009 !
    Tuaregue

  15. NÃO CUSTA NADA ANDAR
    NÃO CUSTA NADA ANDAR DIREITO

    Essa nova safra de entes públicos que ora surge nos três poderes, e sua forma de atuação, já contaminaram a sociedade e ela não aceita mais volta.

    Da mesma forma, um punhado de jornalista, quase solitários, está empenhado nessa batalha de limpeza midiática, e já começa a formar escola.

    A sociedade não aceita mais jornalistas mentirosos publicando fatos, que horas depois são desmentidos pela velocidade da informação, e que ao final do mês passe em dois lugares para receber seus pró-labores: o da empresa jornalística em que trabalha e o talão de cheque de pilantras cujos interesses maiores são os cofres públicos.

    Se a Satiagraha foi aos intestinos do Brasil e expôs a lama que grassava no judiciário, imprensa, política e polícia, teve, ainda, o mérito de acender no povo a chama de uma nova conduta em relação aos agentes desses órgãos e poderes: NÃO CUSTA NADA ANDAR DIREITO.

  16. Enquanto isso o delegado fica
    Enquanto isso o delegado fica andando com os caros importados do DD. Afinal ninguem é de ferro.

    E você morrendo de inveja da proposta da propina de um milhão de dólares não ter sido para você. Como ninguém é de ferro…

  17. Acho que o Jânio anda
    Acho que o Jânio anda assistindo muitos filmes de aventura, caça ao tesouro perdido, em busca do cálice sagrado, o segredo da pirâmide, etc etc.

    Seu comentário Nassif enquadrada as coisas com elas são, isto é, “apenas funcionários públicos sérios”. Será que isto passou a ser coisa de ficção?

  18. Jânio tem toda razão ao
    Jânio tem toda razão ao afirmar que Protógenes, Fausto de Sanctis e Rodrigo De Grandis pertencem a uma fraternidade. Eu também pertenço a ela. É a fraternidade dos brasileiros que querem um país justo, democrático, fraterno e solidário. E que também querem que os criminosos de gravata tenham o mesmo tratamento que é dado aos pés-de-chinelo.
    Jânio se coloca do lado de lá ?

  19. Nassif,elogiável a sua
    Nassif,elogiável a sua tentativa de colocar o seu colega Jânio de Freitas,entre os bons e corajosos jonalistas da atual temporada,porem soa falso a sua (dele)declaração de fé nas pessoas da fraternidade,ele que sempre esteve macomunado com as teorias e lições dos atuais Frias.
    Sobre os citados funcionários públicos,como os exemplares Protógenes Queiróz e Fausto De Sanctis,estes sim,nunca deixaram de ser autenticos,nem de zelar pelos seus princípios,só agora colocados à mostra.

  20. Comecei a ver esse blog todo
    Comecei a ver esse blog todo dia faz um mês. Cada dia que entro me surpreendo mais com a nossa mídia.

    Sempre ouvi dizer que a Folha dava pra salvar, mas os jornais são/estão piores, porque pretendem-se imparciais.

  21. É espantoso! O jornalista
    É espantoso! O jornalista Janio de freitas notar a santa na lapela do delegado protógenes e se esquecer do chapéu do outro “reporter(?),colonista(?),comentarista de aluguel(?)”.
    A operação “Santagarra” apenas fez cair o pano do poder que a manipulação(oculta) da informação exerce hoje no cenário conjuntural do Brasil.
    Ezra Poud já dizia que um crítico é mais importante pelas escolhas que faz do que o que diz sobre elas´Janio de F podia ter escolhido falar sobre a “fundamentalista” atuação do sr. Nélio Machado na defesa do Banqueiro Dantas ou mesmo a atropeladora defesa do Habeas (espiritus) Corpus do Juiz Gilmar Mendes. Não tem estas atuações o mesmo caráter missionário a luz dos fatos que conhecemos?
    Deixemos que a maior parte da verdade possível de toda esta situação se estabeleça pelo bem da humanidade e do brasil, deixe pessoas honestas trabalharem ! Não vamos jogar poeira neste ventilador sr Janio por que não vai esconder o cheiro da M…que já voou.
    A polêmica que o sr. Janio tenta estabelecer beira a diversão acadêmica em termos de teoria da informação .

  22. Se houve um evento definitivo
    Se houve um evento definitivo que tenha servido para comunicar/desvendar à sociedade sobre aspectos particulares do judciário brasileiro este evento foi a “missão” Satiagraha. Como deveriam se comportar investigadores, promotores e juízes à medida que levantavam o véu?
    Bendita fraternidade! Bendita missão!

  23. Impressionante como a
    Impressionante como a cegueira política ou o simples ciúmes de alguns jornalistas, presos na limitante obrigação de rotular o que é esquerda e o que é direita, não conseguem distinguir nem mesmo a mais óbvia manifestação de dever cívico e coragem que Protógenes e outros poucos nos presenteiam. Enxergam sempre alguma conspiração ou algum outro lado.

  24. O tom usado por Jânio de
    O tom usado por Jânio de Freitas em sua coluna da Folha de hoje dá a entender a existência de um outro vínculo, não profissional, místico e forte. Ele diz que Protógenes passou a utilizar um botom de uma santa na lapela há pouco tempo. O que Jânio quis deizer com isto?
    Se não é possível buscar-se a verdade factual com a Justiça, seja em que nível for, com seus seus chefes na corporação e se, nem pensar!, é possível ajuda dos demais poderes, pergunta-se: em quem mais confiar?
    Minha vó dizia: Deus é mais!
    E foi o que eles fizeram. O Protógenes a seu modo e De Sanctis, muito discretamente, dando tempo ao tempo. Dando mais corda.
    Só faltava agora criarem (não duvidem) uma CPI do Além para dirimir suspeitas dos bons atores da investigação.

  25. Talvez seja um exagero a
    Talvez seja um exagero a denominação “fundo religioso”. Embora entenda que ela não seja de todo errada para definir as atitudes de funcionários públicos, principalmente quando enfrentam o crime, em todas as suas formas..
    Sou jornalista e sei que, em algumas coberturas, onde é vislumbrado um “objetivo maior”, e o “mal” estaria plenamente configurado, o tom chega a ser o mesmo.
    Mas acredito também que hoje essa seja a atitude de um grande parte da sociedade, que vê na operação Satiagraha, pela própria dimensão que ela tomou, um símbolo último contra a impunidade dos poderosos.
    Os advogados de Dantas tem até razão quando dizem que hoje o julgamento dele saiu há muito da esfera jurídica.

  26. O PSOL é um partido
    O PSOL é um partido engraçado. Quando o governo era sangrado por essas mesmas pessoas que protegem Gilmar Dantas ele estava junto. Não há como deixar de lembrar daquela foto da HH com, Heráclito, Virgílio, Agripino e outros todos sorridentes comemorando no senado vitórias sobre medidas que dificultariam a vida de gente como Dantas.

    Agora quer tirar o Protógenes e levar pra Brasília.

    Melhorar nosso quadro político? Isso acontecerá quando tivermos centenas de delegados, procuradores e juízes como esses que iniciaram essa operação.

    Protógenes é bem mais útil ao país com o escudo da PF no peito.

  27. Parágrafo final do
    Parágrafo final do texto:

    Talvez porque estas tenham sido sempre as forças elementares e reais da civilização, e de qualquer organização humana. Sem isso não haveria qualquer ordem construtiva à margem disso, nem qualquer respeito estável à convivência humana.

  28. Não é a primeira vez que
    Não é a primeira vez que Janio coloca em dúvida a ação dos participantes da Satiagraha. Sempre com cores mais fortes do que empresta aos crimes cometidos por Dantas e quadrilha. Como se o seu decantado poder de análise fosse sempre o mais profundo, o mais sagaz. Não é. Apenas tem servido para confundir e amenizar as ações dos bandidos.

  29. Honestidade, sensatez,
    Honestidade, sensatez, respeitabilidade, direito e ordem passaram a ser quesitos de uma “fraternidade”…
    Ser honesto, é ser revolucionário!
    Que coisa, não?!

  30. – Primeiro eles alertaram
    – Primeiro eles alertaram Dantas sobre a operação, antes de ser deflagrada;

    – Depois perseguiram implacavelmente na tentativa de desmoralizar instituições como a PF, o MP e os tribunais de Justiça;

    – Lançaram-se de forma inconcebível, jamais visto no jornalismo, em defesa do banqueiro bandido;

    – Editaram gravações, fingiram grampos, evolveram “n” autoridades políticas e jurídicas;

    – Não satisfeitos e malogrados seus planos, procuram chifres em cabeças de cavalos.

    Pergunto: E daí? Mesmo que isso tive algum fundo de verdade, que não tem. Não seria melhor uma ação embasada pela boa fé à má fé em todos os outros se apoiam?

  31. “…inclusive pelo
    “…inclusive pelo despojamento em relação à carreira no Judiciário. O que o delegado Protógenes Queiroz também faz, agora, com a recusa à oportunidade de passar à política…”

    Juro que não entendi: o fato deles colocarem o dever acima de suas ambições pessoais virou defeito? Quem dera tivéssemos mais juizes e policiais assim!!!

  32. Um a um os jornalistas venais
    Um a um os jornalistas venais vão se entregando. Chegou a vez do Jânio de Freitas.
    A começar por querer emprestar um caráter sobrenatural a conduta correta do delegado e do juiz. Está é, mesmo, a missão deles. Objetiva. Um a investigar criminosos o outro julgá-los. Nada há estranho neste comportamento. Estranho seria se não o fizessem. Este blá blá blá de fraternidade não cola, ou melhor, ambos, delegado e juiz, estão agindo de acordo a imensa fraternidade que é o povo brasileiro.
    Agora, sobre “a operação que prendeu o banqueiro Edemar Cid Ferreira, do Banco Santos, manteve-o encarcerado por prazo incomum e tomou-lhe, entre outros bens, a estupenda coleção de arte, raridades e arqueologia”. o que podemos comentar, senão que o bandido banqueiro merecia e merece a condenação. Percebe-se o desconforto do Jânio com as prisões de poderosos. Do que ele tem receio?

    O Jânio não se comportou de forma venal.

  33. comentário de Nassif: “As
    comentário de Nassif: “As ótimas observações sobre o comportamento de Protógenes e De Sanctis chamam a atenção para um ponto relevante: para enfrentar esse jogo criminoso, foram buscar forças na fé, na família, na crença no país.”
    São somente funcionários públicos sérios, cujo comportamento vem sendo interpretado como estapafúrdio. Buscam-se motivações externas ao simples cumprimento de dever. O delegado Protógenos seria supostamente um desequilibrado ou teria supostamente o interesse de se candidatar a um cargo político Ele por sua vez carrega a imagem de uma santa para proteção. No blog de Protógenes ele se apóia em pensamentos e poesias e o nome da operação se refere à doutrina de não-violência de Gandhi. Isso mostra que a sociedade não está acostumada ao mero exercício profissional competente. Se por um lado, o acusam de abusos, por ter extrapolado os limites da sua função (falso moralismo) por outro vêem nele uma pessoa movida por um um projeto pessoal. As decifrações são múltiplas. Nossa sociedade ainda não está acostumada ao exercício de uma atividade, no caso policial, simplesmente baseada em princípios éticos. Já em relação ao Juiz De Sanctis fez-se associações de seu texto e de seu comportamento ao autoritarismo, a partir de referências a um pensador, que é citado em outros textos jurídicos por juízes de qualquer instância. Ele redigiu uma peça competente e a peça em si é denunciada como de caráter nazista. Para defender seu compromisso com a ética, ele abriu mão de uma promoção a que poderia se candidatar e manteve uma posição de firmeza e persistência. A competência do delegado Protógenes era a de investigar indícios e produzir um relatório a partir de provas que sustentassem uma sentença. A competência do Juiz De Sanctis é a de produzir um juízo sobre o relatório e determinar, segundo a materialidade das provas, uma sentença. Somente estão cumprindo seu dever. E há uma parte da imprensa que tem furado bloqueios para informar a opinião pública. Por outro lado, a grande imprensa, em sua maioria tem barrado essa informação ou melhor maquiado a informação, açulando preconceitos na sociedade, com o propósito consciente ou não de neutralizar um processo judicial . Se este for exitoso, terá a função de recuperar a credibilidade na justiça e na igualdade de direitos, trazendo de volta à sociedade a crença, não religiosa, mas ética, de que os crimes não são impunes.

  34. “De tanto ver triunfar as
    “De tanto ver triunfar as nulidades…” ou “quando tudo está errado, o errado é o certo”. Janio confirma Bobbio que confirma Ruy.

  35. A imprensa brasileira é
    A imprensa brasileira é formada de jornalistas sérios e corajosos. O problema é que a maioria dos que são corajosos não são sérios e a maioria dos que são sérios não são corajosos.

  36. Augusto Fontenele

    Concordo
    Augusto Fontenele

    Concordo que o julgamento saiu da esfera jurídica. Especialmente quando um ministro do Supremo resolveu passar por cima de uma súmula do próprio tribunal que preside, quando o mesmíssimo ministro concedeu habeas corpus a alguém que estava tentando subornar os policiais encarregados de sua investigação, e principalmente quando seus colegas resolveram instrumentalizar uma decisão jurídica para fazer frente àquilo que percebiam como um excesso de autonomia fervilhando nas instâncias inferiores. Eles, sim, julgaram movidos por critérios que dizem respeito, não à lei e ao caso em pauta, mas sim à política interna do judiciário. Eles saíram da esfera da ciência jurídica, enveredando por trilhas que seriam mais bem exploradas pela sociologia do direito. Processo não é lugar de se passar sabão em juiz de primeira instância. Se queriam fazer isso, que o fizessem num contexto no qual os interesses de terceiros e da sociedade não estivessem envolvidos. O Conselho Nacional da Magistratura existe para isso.
    É impressionante o poder da mentira repetida com fleugma e naturalidade por meses a fio. O juiz De Sanctis, que tenta a todo custo aplicar a lei brasileira ao caso Dantas, é visto como um visionário que perdeu contacto com os textos legais e passou a decidir segundo concepções subjetivas do que seja bom e justo. E Gilmar Mendes, que sapateia em cima das súmulas do próprio tribunal que preside, é tido por uma espécie de Kelsen redivivo. Ficou todo mundo louco?

  37. Coragem de enfrentar a maré
    Coragem de enfrentar a maré quando a própria não “invade tanto” os interesses do jornalão. Houve um desvio de rumo na análise do escriba: ou recebeu aumento ou deram uma dura no cabra. Folha de São Paulo, tsc, tsc.

  38. Janio está certo.

    Tem gente
    Janio está certo.

    Tem gente que substitui a figura do demonio pelo Daniel Dantas.

    Mas o certo é que, dentro do governo há muita gente que apóia essa roubalheira financeira e somente pessoas com muita fé em Deus podem romper a barreira do medo e se lançar numa guerra santa contra a corrupção.

    A OPUS DEI está infiltrada em todos os escalões do governo. Só não está nos sindicatos, onde o comunisto e ateísmo imperam.

    Muitos falavam do caráter messiânico do delegado e do juiz. Jânio de Freitas apenas colocou o ovo em pé.

  39. Jânio apenas achou uma
    Jânio apenas achou uma maneira “criativa” de falar o que todos os seus amigos vendilhões, já falam há tempos. A Folha não segue o caminho para o esgoto, ela é o esgoto.

  40. Desde que cumpra seu dever,
    Desde que cumpra seu dever, em busca da Justiça e da punição de bandidos, o distinto delegado pode levar até uma foto da Madonna, Xuxa ou Michel Jackson na lapela.

    Agora, isto é o Brasil.
    Pessoas que fazem o que se espera do seu papel na Sociedade, atuando dentro dos princípios e normas que regem a sua profissão, são vistos como os fora-da-ordem, os desequilibrados.
    A civilização (?) perdeu o rumo e o Brasil perdeu os seus princípios em algum lugar da encruzilhada ou no lamaçal das falcatruas, corrupção e da impunidade.

  41. “a condução da Satiagraha
    “a condução da Satiagraha orientou-se por uma espécie de sociedade ou fraternidade de fundo religioso, presente nos três âmbitos coordenados para a operação -o policial, o do Ministério Público e o judicial.”

    Ele só esqueceu de acrescentar a sociedade como partícipe dessa “fraternidade”.

  42. Ateu,

    Jânio de Freitas
    Ateu,

    Jânio de Freitas coloca o ovo em pé, e você senta em cima, né?
    Vá se benzer, rapaz…

  43. Esse é mais um daqueles que
    Esse é mais um daqueles que chamam, pejorativamente, os Oficiais de Inteligência de “arapongas”. Ele, como os demais jornalistas (?) de seu nível, não sabe o quanto é importante para o País, o trabalho
    dos “arapongas”. Os “arapongas”, o delegado, o juíz, o procurador federal, são funcionários públicos que APENAS estão cumprindo o seu dever. Gostaria que o Janio, falasse do Daniel Dantas e dos seus. Se eles pertencem a alguma religião, se o Chicarone pertence a alguma irmandade, se o Gomes usa algum tipo de amuleto (para lhe dar mais sorte), se a irmã do Daniel Dantas pensou algum dia em ser freira, e por aí vai…. Daria uma ótima matéria.

  44. A Irmandade de Protógenes e
    A Irmandade de Protógenes e do Juiz De Sanctis estaria contra a Irmandade do Opus Dei e da Cosa Nostra, que tomaram ou querem tomar o Estado brasileiro por assalto?

  45. Caro Nassif, sou assinante do
    Caro Nassif, sou assinante do Estadão, tenho recebido como promoção nos fins de semana a Folha de São Paulo, tenhas certeza,minha opinião independe destes peiódicos, ao meu ver são parciais e acendem velas Para DEUS, o Diabo e outra para o Talves, estão com tds, desde q. seus interesses venham prevalecer.
    Sabemos tb q. os jornalistas são assalariados e vivem deste,porém, os
    Acorda, Brasil
    zamperetti fiori
    cidadão e
    ex-árbitro de futebol

  46. È, é uma questão de Fé, a dos
    È, é uma questão de Fé, a dos servidores públicos Fé em Deus, a dos servidores do Daniel Dantas fede mais ou fé de menos? A do Janio fé demais.

  47. pessoal, cuidado com esta
    pessoal, cuidado com esta história de fé… isto sempre acaba em mer…
    mas sou forçado a admitir que os funcionários públicos que remam contra a maré acabam sofrendo enormes pressões que só uma força muito grande os faz prosseguir. pena. fosse o brasil um país institucionalmente sério, não precisariamos desta força. bastaria o caminho institucional e pronto.

  48. …..
    Essa coisa de, Carater,
    …..
    Essa coisa de, Carater, seriedade, honra, é tão sem uso nos homens atualmente, que quando aparece algo assim, é tratado como se fosse alguma aberração da natureza. Vira motivo para elocubrações mentais dos menos entendidos no assunto, como parece ser o caso.

  49. Caro Nassif, sou assinante do
    Caro Nassif, sou assinante do Estadão, tenho recebido como promoção nos fins de semana a Folha de São Paulo, tenhas certeza,minha opinião independe destes peiódicos, ao meu ver são parciais e acendem velas Para DEUS, o Diabo e outra para o Talves, estão com tds, desde q. seus interesses venham prevalecer.
    Sabemos tb q. os jornalistas são assalariados e vivem deste, porém, ñ deveria tomar partido,esta posição cabe a quem o quizer fazê-lo, oq. ñ aceito, são as chamadas mudanças opinativas, ai, o bicho prova q. é mala.
    Acorda, Brasil
    zamperetti fiori
    cidadão e
    ex-árbitro de futebol

  50. O cara fica invocando até com
    O cara fica invocando até com santinho na lapela? O que ele tem com isso? Se é ateu problema dele, mas não tem o direito de ficar desrespeitando quem tem fé, afinal, cada um no seu quadrado.
    Ele (Jânio) deveria usar uma imagem da turma da pesada, que envorgonha o país, ficaria uma GRACINHAAAA, e seria bem apropriado.
    Pior é a fraternidade de jornalistas vendidos, sem noção e que não envorganham à classe.

  51. na mensagem anterior quis
    na mensagem anterior quis dizer “jornalistas que envergonham à classe”. Desculpe pela falha.

  52. 1. Caso se filiasse ao PSOL,
    1. Caso se filiasse ao PSOL, seria carreirista, estaria explorando o pobre DD para a autopromoção e alavanca política.

    2. Como rejeitou a política, é missionário, pertence a seita radical, compõe fraternidade obscura.

    3. Conclusão: Se sair, o Jânio pega. Se ficar o Jânio come.

  53. Nassif, as insinuações
    Nassif, as insinuações contidas no texto do Janio de Freitas são graves e só não vê quem não quer: ele, intencionalmente ou não, apóia as teses da defesa de Dantas. Muito me admirou o tom do seu comentário, um tom de “jogar panos quentes”. Se de fato ele era um dos que se salvavam na Folha, e agora me sai com um texto desse tipo, é de se crer que algo novo se move nos bastidores. Ou então é só desespero mesmo. Como não é possível abandonar por completo o maniqueísmo quando o assunto é Daniel Dantas, pergunto: você achou esse texto pró ou contra Dantas?

  54. Não importa a orientação, o
    Não importa a orientação, o que vale é o cumprimento da lei. Tanto o delegado queiroz como o juiz Sactis fizeram suas respectivas partes como servidores públicos… Essas pessoas que escrevem em jornais e se dizem jornalistas deveriam respeitar a inteligência de seus leitores, ainda bem que há anos não leio jornal e nem revista com exceção da Caros amigos e CartaCapital. Folha de SP, Estadão, Globo? Nem em sala de espera de consultório médico e não os toco nem para embrulhar peixe.

    PS: Por que o jornalista Fernando Rodrigues (folha de SP) não solicita formalmente satisfações do Ministério Público Federal que concordou com o delegado Queiroz que pediu a prisão da jornalista Michael?

    Por que esses jornalistas não reclamam com Roberto Carlos por não ter convidado Daniel Dantas e Gilmar Mendes para o seu show?

    Imprensa formadora de opinião? Já era. Só quem acredita nessa premissa são os próprios jornalistas. prova: eleição de 2006: bateram corvarde e anti-eticamente no candidato Lula e, no entanto, este ganhou as eleições. Continuam batendo anacronicamente com a realidade, e Lula surfa com a indiferença apropriada a esses jornalistas desrespeitosos que se acham donos da verdade e, o pior, se acham e se credenciam capazes de fabricar a verdade e empurrar goela a dentro dos leitores, ouvintes e telespectadores…

    PS: mas ainda entoa: “Os agentes secretos poderiam se identificar”… (Fernando rodrigues – folha de SP no roda vida, comprometido com a verdade e com a informação, então, tá, palhaço.)

  55. Entre a fraternidade do DD,
    Entre a fraternidade do DD, Heráclito, Jungmann, Virgilio, Jobin, GM, Gomes, Mainardi, etc fico com a do Protógenes e CIA. Viva a decência…

  56. Na edição em que Clóvis Rossi
    Na edição em que Clóvis Rossi volta aos velhos tempos, Jânio tem recaída e volta a escorregar nos novos tempos, certamente sem DD ou árvorezinha na lapela.

    É a misteriosa conjunção dos astros, através da lei da compensação, para que o “Petit” da Barão de Limeira não tenha um chilique dominical.

  57. “A Ordem de Cristo tem como
    “A Ordem de Cristo tem como regra: Liberdade, Igualdade, Fraternidade.

    A Ordem de Cristo não tem graus, templo, rito, insígnia ou passe. Não precisa reunir, e os seus cavaleiros, para assim lhes chamar, conhecem-se sem saber uns dos outros, falam-se sem o que propriamente se chama linguagem.

    Quando se é escudeiro dela não se está ainda nela; quando se é mestre dela já se lhe não pertence. Nestas palavras obscuras se conta quanto basta para quem, que o queira ou saiba, entenda o que é a Ordem de Cristo – a mais sublime de todas do mundo.

    Não se entra para a Ordem de Cristo por nenhuma iniciação, ou, pelo menos, por nenhuma iniciação que possa ser descrita em palavras. Não se entra para ela por querer ou por ser chamado; nisto ela se conforma com a fórmula dos mestres: «Quando o discípulo está pronto, o Mestre está pronto também.» E é na palavra «pronto» que está o sentido vário, conforme as ordens e as regras.

    Fiel à sua obediência – se assim se pode chamar onde não há obedecer – à Fraternidade de quem é filha e mãe, há nela a perfeita regra de Liberdade, Igualdade, Fraternidade.

    Os seus cavaleiros – chamemos-lhes sempre assim – não dependem de ninguém, não obedecem a ninguém, não precisam de ninguém, nem da Fraternidade de que dependem, a quem obedecem e de que precisam.

    Os seus cavaleiros são entre si perfeitamente iguais naquilo que os torna cavaleiros; acabou entre eles toda a diferença que há em todas as coisas do mundo.

    Os seus cavaleiros são ligados uns aos outros pelo simples laço de serem tais, e assim são irmãos, não sócios nem associados. São irmãos, digamos assim, porque nasceram tais.

    Na ordem de Cristo não há juramento nem obrigação.

    Ela, sendo assim tão semelhante à Fraternidade em que respira, porque, segundo a Regra, «o que está em baixo é como o que está em cima», não é contudo aquela Fraternidade: é ainda uma ordem, embora uma Ordem Fraterna, ao passo que a Fraternidade não é uma ordem.”

    Fernando Pessoa

    .

  58. Meu comentário foi censurado
    Meu comentário foi censurado porque coloquei no pacote a “famiglia serra”?

    É um segredo de polichinelo, todo mundo sabe que esse empenho da mídia para bloquear o Protógenes e a operação da PF é para proteger o costado do PSDB nas próximas eleições presidenciais. Se a casa do Dantas cair, ele entrega tudo, … e o PSDB esta por demais comprometido.

  59. Fui lá na folha conferir a
    Fui lá na folha conferir a coluna do Jânio e aproveitei e vi a coluna seguinte do Gaspari.
    Lá, ele cita a situação do Fábio Assunção, flagrado em janeiro em uma casa onde se encontrava muita cocaína.
    Sem entra em detalhes, ele está preso?
    Não.
    Assim como o personagem real que é descrito no file “Meu nome não é Johnny”.
    Existe sim uma fraternidade que usa a justiça, a polícia, a política como missão: a elite.

  60. Final de ano… e o Grupo
    Final de ano… e o Grupo Opportunitty deve estar distribuindo whisky importado na redaçõe$… aos montes! Né não Jânio?
    E como retribuição, “bola-se” um artigo… chama Delegado e Juiz de quadrilha… aí “repercute” no E$tadão, I$toé…
    Munindo o advogado e o baiacu do supremo.

  61. Janio está igual ao outro
    Janio está igual ao outro Janio;parecia ser uma coisa e era outra.Há muito tempo,escancarado.Gaspari também.São os “engana velhinho”.

  62. ATEU

    Preste
    ATEU

    Preste atenção.

    Vc já ouviu dizer estas palavras?

    ”AMAI O PRÓXIMO COMO A TI MESMO”

    Ele não especificou que era preciso acreditar em DEUS pra entrar no Reino dos CÉUS.

    Digo isso,porque pouco importa se é de seita,de Deus,de opus e etc.E ateu tbm.

    Digo mais( de acordo com a minha interpretação):

    É nuito mais fácil um agnóstico ou ateu que pratica o bem,entrar no reino de DEUS do que um crente que esconde dinheiro na bíblia.O Supra -assumo da hiresia( e o cara é ”pastor”)

    Ainda hoje estava lendo o EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO.

    E veja que coincidência.PGN 258:

    HAVERÁ FALSOS CRISTOS E FALSOS PROFETAS.

    E eu li isso por que?

    porque meu filho é um seguidor fanático da bíblia.E me perguntou se eu acreditava na salvação eterna( uma vida só)

    Respondi que não.Até porque pra entender a Bíblia é necessário ler dezenas de livros,que ele não leu.Respondi tbm que hoje a nossa média de vida é em torno de 70 anos.E quando a bíblia foi escrita era de 30 anos.E com 30 anos cometemos todos os pecados do mundo.Portanto não faz sentido uma vida só.Não haveria tempo de recuperação.

    Sem contar os segredos e as mofificações que a bíblia sofreu atarvés dos tempos.E aí citei vários autores pra ele se informar.

    Mas deixei a ele o que deixo a vc:

    Faça o bem.Amai o próximo como a ti mesmo.E pouco importa sua crença.Porque sua crença é de uma seita que se chama:GRATIFICANTE( caridade,humildade e prazer em servir)

    Como é difícil ser membro dessa ”seita”.Prometi a mim mesmo,que em 2009 serei seu integrante( todo ano faço o mesmo propósito e não consigo)

    quem sabe agora,né?

  63. Se as observações do
    Se as observações do jornalista sobre a inspiração filosófica e religiosa dos agentes da lei tiveram a intenção, como tem acontecido invariavelmente na Folha, de denigrir a sua conduta através da crítica da sua motivação, trata-se de mais um episódio lamentável da conversão do Jânio de Freitas, o último dos jornalistas independentes, à unanimidade da classe. Se não (e eu não vou conferir isso perdendo o meu tempo precioso a ler a Folha de S. Paulo), ainda assim eu desconfio: em relação a esse pessoal minha tendência é pensar o mesmo que aquele célebre general troiano: “Eu temo os gregos até em seus presentes”. Ou, de outra maneira: mesmo o que esse pessoal tem de bom me desagrada. E antes que você diga que é espírito de partido, ou que eu só aprecio golpes abaixo da linha da cintura (seja lá o que você quer dizer com isso, pelo menos no meu caso particular), rogo que pense uma segunda vez antes de falar para ver se a minha inclinação não carrega, como dizem os ingleses, a grain of truth.

  64. Deve ser brincadeira do Jânio
    Deve ser brincadeira do Jânio de Freitas. Se não for trata-se de uma conclusão muito pouco fundamentada. O fato dos discursos tanto do delagado Protógenes, como do Juiz De Sanctis serem um pouco exaltados e mais aquela bobagem do delegado andar com a imagem de uma santa na lapela, não permite tirar essa conclusão estapafúrdia de que eles fazem parte de uma tal irmandade ou fraternidade. Se ele (o Jânio) acha assim, que apresente provas mais concludentes de que existe essa fraternidade.

  65. Ai, lá vou eu, não digo na
    Ai, lá vou eu, não digo na contramão, mas nas transversal dessa história:

    outro dia, o tico e o teco aqui no meu hd trocavam algumas dúvidas por eu estar defendendo tão incondicionalmente um investigador da PF!!!
    Quem diria!

    atribui, comodamente, aos traumas que a PF de Tuma causou a muita gente, eu inclusa. Ubaldismo, pensei eu.

    mas, o tico e o teco insistem… lembro de como endeusamos alguns jornalistas na fase tenebrosa da ditadura, Janio de Freitas um deles.
    E a decepção que vários nos causaram.

    sem dúvida alguma, Protógenes, De Sanctis, De Grandis estão fazendo o trabalho deles de forma corajosa, indo contra a maré que procura encobrir o testa de ferro Dantas e toda a curriola. Perfeito.

    Mas continuo temerosa com esse endeusamento de pessoas cheias de defeitos como qualquer um de nós. E mais, a demonização de qualquer um que faça a menor referência crítica a eles…

    Acho que nem tanto ao Céu, nem tanto à Terra…

    O valor deles é inquestionável mas a afirmação desse valor dependeu muito do apoio recebido nesse episódio por todos nós, meros mortais…

    Eles não são deuses acima e além, nem totalmente inatacáveis.

    Fizemos isso com a mídia no passado, e parte dela se utiliza desse endeusamento para se colocar acima de todos os demais valores como um poder paralelo.

    Quis compartilhar com vcs, pessoas tão mais instrumentalizadas teoricamente que eu, essa pobre cidadã bem intencionada, essa minha preocupação.

  66. Nassif,

    Como não estou muito
    Nassif,

    Como não estou muito a par do caso da condenação do Edmar Cid Ferreira, perguntaria a você e aos demais leitores deste blog se a crítica do Jânio com relação ao tempo de prisão do banqueiro e a detenção de suas obras de arte procede.

    As obras foram adquiridas com dinheiro roubado e como maneira de lavar dinheiro. Desde 1994 ele estava tecnicamente quebrado e sobreviveu sabe-se lá como. Até hoje não se levantou quem facilitou os repasses do BNDES para ele, que fugiam a qualquer normalidade estatística.

  67. João.

    Me disseram que aqui
    João.

    Me disseram que aqui no blog do Nassif os comentaristas são cordiais e os comentários são se alto nível.

    Obrigado por me mostrar o nível dos comentaristas desse blog.

    Próxima vez vou colocar um tag SARCASMO e desenhar pra você enterder.

    Além do mais, leia o comentário do Luis Nassif e verá quem você realmente mandou sentar no ovo.

  68. Luiza, (28/12/2008 –
    Luiza, (28/12/2008 – 16:07)

    Não existe endeusamento de nenhum dos lados, as pessoas estão dando a sua opinião daquilo que acham correto de acordo com a sua formação.
    Não há exagero, salvo em algumas exceções, nesta atitude.
    Para atender a sua tese deveríamos então defender o indefensável.
    “Endeusamento”, “demonização”, “pessoas cheias de defeitos” ou “inatacáveis” são epítetos qualificativos um tanto apressados e preconceituosos. Discordo, me desculpe.
    Diante do que nos colocas, diria pra vc:
    “Nem tanto ao mar nem tanto à terra”.

  69. nd de roda viva em
    nd de roda viva em Natal/rn…

    Aqui na segunda retransmitiram a tv Brasil…hj resolveram retransmitir a cultura de sp….

    coincidencia?

  70. Nassif:
    Sou leitor do Jânio
    Nassif:
    Sou leitor do Jânio há décadas. Mas a posição dele na Satiagraha é, no mínimo, estranha. Insiste em critiar os policiais, o juiz, a ABIN e o que mais for o “outro lado”. Jamais se deteve na análise – no que, afinal, é especialista – da questão da corrupção envolvida no esquema Dantas e suas ramificações no aparato estatal…
    Que tal aproveitar a lista postada pelo Romanelli lá em cima e pedir aos advogados da comunidade para nos atualizarem sobre o desfecho/situação atual desses grandes casos, que se arrastam há anos e anos?
    Creio que reportagens como as de hoje sobre o Bateau Mouche e o Fórum Trabalhista dizem mais sobre a justiça, feita para os ricos, do que as entrevistas do Presidente do Supremo ou suas papagaiadas sobre estados policiais.

  71. Nada a ver com fraternidade,
    Nada a ver com fraternidade, mas

    Com as leis, e principalmente pelo stf que temos. O medo e a dúvida no futuro deixaram de ser uma barreira para o banditismo, não só do lado que conhecemos, pois, e uma vez que nunca acontece o real bloqueio dos bens materiais conseguidos, não existe o insucesso(?) para os bandidos do Brasil, seja lá de que lado for…e aí que mora o perigo, a confiança
    No caso dos ricos, o crime sempre compensa, sempre, e o stf está aí para garantir, e faz questão de mostrar, até mesmo em cadeia nacional, que por trás de todo criminoso de elite existe um exército de poderosos que a mente da maioria das pessoas não pode conceber…a podridão é tanta, que temos mesmo que prender a respiração quando nos aproximamos mais dessas pessoas…crimes horríveis…assassinatos a mando, ameaças de demissão, escravidão, pedofilia, putaria em todos os sentidos e com todos os poderes…legislativo, judiciário e executivo, o que põe em risco a vida de qualquer um dos envolvidos.
    Mas um dia a gente consegue evitar, dificultar pelo menos, e a cada dia estamos mais pertos dessas pessoas, não os que estão aí lutando, com suas vidas expostas, por culpa da insensatez de um civita, de um gilmar, de um tarso genro, de um jobin, mas sim pela moçada que está vindo aí…dantas será mais um exemplo do que pretendemos mostrar e temos certeza absoluta de que tempo virá em que alguém irá dizer na cara dele algo assim : a quais inimigos temer, além de a ti mesmo? pense bem, dantas, separe palavras, informe-se de acontecimentos passados e cuide-se ! impossível sair com vida, tenha certeza disso !!!

  72. Engraçado né.. ele teria
    Engraçado né.. ele teria tantos assuntos pra falar da Satiagraha e afins, e vem com essa de fraternidade ? Que conversa fiada hein…E a fraternidade do “outro lado”, será que ele não percebeu ?

  73. Nassif,
    A pretexto de
    Nassif,
    A pretexto de defender a colega amiga do Dantas Andreia Michael o Jânio sucumbe à seita do corporativismo.
    Quanto à Fraternidade do Protógenes e do De Sanctis deve ser àquela mesma do juiz Baltazar Gaston da Espanha e o da operação Mãos Limpas na Italia.
    Como o Jânio pode ver, há fraternidades e fraternidades. Seitas são sempre de fé cega. Como a do Jim Jones, por exemplo!

  74. “”A Ordem de Cristo tem como
    “”A Ordem de Cristo tem como regra: Liberdade, Igualdade, Fraternidade. “”

    Isso é lema da bandeira francesa.

    E CRISTO NÃO DISSE NADA DISSO.

    Ao contrário:

    HÁ centenas de relatos bíblicos,em que a mulher é um ser inferior.E bota inferior nisso.

    CADÊ A IGUALDADE?

    Cristo ficou na dele.A bíblia é que não imaginava a igualdade.

    E já que estamos no assunto:

    A msn de CRISTO é caridade(nunca disse,sequer insinuou o belíssimo lema da bandeira francesa)

  75. Lamparina é um nick
    Lamparina é um nick sugestivo.

    queria escrever alguma coisa pra ele.

    Não posso.

    Sua luz tosca me ofusca.

  76. Acabei de assistir a reprise
    Acabei de assistir a reprise do Roda Viva entrevistando o delegado Protógenes. Que coisa mais vergonhosa a atuação dos “jornalistas”.

    Me pareceu que através das perguntas os jornalistas tentavam o tempo todo arrumar um “lead” para complicar a vida do delegado e melar a Satiagraha.

    Me pareceu que os jornalistas encenaram que estavam zangados com o delegado e se sentiam incomodados com a presença dele, ou queriam passa essa impressão para uma audiência localizada.

    Me pareceu que todos os jornalistas estavam com seus espíritos embuídos de má-fé.

    A Sra. que apresenta o programa deu uma gargalhada debochada fora de hora dando a entender que ela e os demais jornalistas estavam contra o delegado.

    Gostei da postura despojada de qualquer animosidade do delegado. Não se deixou intimidar parecendo que ele já havia antecipado que tudo isso aconteceria.

    Foram colher lã e saíram tosquiados.

  77. Nassif,

    Obrigado pelo
    Nassif,

    Obrigado pelo esclarecimento. Diante desses fatos como é que um jornalista, supostamente bem informado, como o Jânio de Freitas vem com essa história (mal fundamentada, diga-se de passagem) de fraternidade e coisa e tal? Não dá para entender! Será que ele é um grande gozador?

  78. Quanto mais leio, menos
    Quanto mais leio, menos entendo o que as pessoas mais instruidas acham como sendno melhor para a sociedade. A puniçao dos atos ilicitos ou a execraçao dos que punem.

  79. é… tá difícil!
    nada sobrou
    é… tá difícil!
    nada sobrou da FSP que lutou pela redemocratização no final da ditadura militar.

    caiu o JF. Escancarou de vez. TODOS os “jornalistas” da FSP só falam besteira sobre a Satiagraha. Sempre do lado do banqueiro bandido… é deprimente.

    hoje também pude assistir ao Roda Viva do delegado Queiroz na TVBrasil. Patéticos TODOS os jornalistas. A Fibe já não me engana há tempos desde como “menina do Jô”. Os demais, fraco (Noblat e o da Cultura) e patéticos (o FR da FSP e o do Estadão). Tentaram como disse o Stanley acima fazer o delegado soltar info comprometedora que “melasse” a operação, dando mais munnição à defesa do banqueiro bandido. Ele, o delegado, impassível, calmo. A Veja, revista bandida defendida pelos “jornalistas” e pelo desenhista. Vexame…

    Voltando à vaca fria, Jânio deveria se envergonhar do hoje – perante seu nobre passado jornalístico.

    Feliz 2009, LN!
    E que a Satiagraha de frutos – muita CANA de preferência…

    Abraço

  80. Faz bastante tempo que o
    Faz bastante tempo que o Jornalista Janio de Freitas já perdeu o rumo. Daqui a pouco nossa mídia estará malhando Cristo e idolatrando Judas.

  81. Jânio de Freitas não está só.
    Jânio de Freitas não está só. Já ouvi muitas pessoas dizendo que o correto, mesmo, seria o Sr. Protógenes aceitar, sem rodeios, a propina de R$ 1.000.000,00, para não se parecer “messiânico” demais. Nesse caso, provavelmente não receberia outro rótulo do Sr. Jânio de Freitas que não o de “pragmático”. De fato, acho que faltou um pouco de pragmatismo na operação satiagraha.

  82. Eu queria entender se é o
    Eu queria entender se é o chefe da redação que faz do crânio dessa turma um penico, ou se eles pensam assim por vontade própria. Até alucinação tem limite. Nesta produção de fatos da Satiagraha estão fazendo questão de chutar o balde em absolutamente todas as reportagens. Um engano ou outro, vá lá. Mas sentar de frente para a parede, e sair escrevendo sem tentar se conectar com qualquer fato contextualizado é duro.
    Mas, em todo caso, põe veludo na Kombi que o Bento XVI vem aí, ao que parece anunciar a mídia.

  83. Um a um Dantas vai destruindo
    Um a um Dantas vai destruindo a reputação de jornalistas, uns por meio da calunia e difamação outros por darem tiros no pé defendendo o indefensavel e tentando desacreditar os que buscam a aplicação da lei doa a quem doer. Fraternidade por fraternidade prefiro a dos que combatem a corrupção, embora deva reconhecer que a dos que a praticam é mais numerosa e poderosa, pelo menos nos altos escalões da nossa sociedade, infelizmente a cada dia que passa fica mais patente que jornais e jornalistas estão do lado do grande corruptor, o banqueiro criminoso Daniel Dantas.

  84. Nassif,
    Um dos últimos da FSP
    Nassif,
    Um dos últimos da FSP acabou de sucumbir. Janio mostrou que também esta comprometido com toda essa “gentalha jornalistica” que está defedendo o “orelhudo et caterva”. É o fim melancólico da FSP e dos seus filhotes. Perderam todos eles os limites do ridículo e do respeito, se não por só próprios, mas pelos leitores. Explorar mais essa situação de irmandade religiosa é menoscabo ä inteligencia do público. Felizmente o PROTÓGENES, DESANCTIS e DE GRANDIS tiveram que procurar apoio também na fé religiosa para fugirem de toda essa maledicencia dessa patuléia mancumunada com esses assaltantes da “res publica”. De minha parte, deixei de lar, de a muito tempo, FSP, Estadão, Globo, Veja, Istoé, entre outros, e posso afirmar que minha vida melhorou sensivelmente. Ao Janio, envio minhas condolencias, pois tornou-se mais um cadáver insepulto do jarnalismo tupiniquim.

  85. Neste país em que impera a
    Neste país em que impera a impunidade patrocinada por muitas mídias, qualquer investigação contra poderosos, movida pelo por profissionais desprendidos e desapegados parecerá, pelo caráter extraordinário, messiânica, quixotesca, apaixonada etc, ora bolas!!.

  86. Pronto! Só faltava essa
    Pronto! Só faltava essa palhaçada.

    Depois de 3 meses criminalizando os investigadores e servidores que – coisa absurda! – cumpriam seu papel de servidores, agora resolveram satanizá-los também.

    Ou seja, na falta de argumentos, apelaram para a obscuridade, magia negra pura.

    Fala-me sério! Fraternidade… ai meu saco.

  87. Ao Marcos e sua teoria sobre
    Ao Marcos e sua teoria sobre os jornalistas sérios e os corajosos.
    Um doce(pode ser até da doceria Kopenhagen)pelo nome de algum jornalista sério e corajoso,e uma garrafa de água Perrier,pelo nome de algum corajoso e sério,excetuando os nossos conhecidos Luis Nassif,que de tão sério e corajoso,está balançando as estruturas da Ed.Abril,e o Ricardo Kotscho,que de tão corajoso e sério,jamais parou por muito tempo em qualquer jornal e/ou revista da imprensa marrom,e teve que alugar um espaço,num provedor de Internet,para sobreviver,porem com dignidade,coragem e seriedade.

  88. Sabe nestes momentos finais
    Sabe nestes momentos finais de 2008, estava aqui pensando, então ao ler este tópico me ocorreu; Vou ver se há vaga para mim em alguma penitenciária, lá deve haver gente boa, porque aqui fora já não sei mais quem é bandido, e quem representa a justiça, sabe aquela chama o ladrão, chama o ladrão, chama o ladrão?? Acho que a safra atuante da mídia atual anda cantando a música , esperando a aparição do DD, só pode, de preferência com uma mala na mão.
    Por isto que nós simples mortais, vivemos a indagar; Quem sou? De onde vim? para onde vou? A coisa está tão absurda , que agora no lugar da mídia nos vamos ter que apelar para mães e pais de Santo, se quisermos “receber’ alguma notícia próxima da realidade.

  89. Faz tempo que não consigo ler
    Faz tempo que não consigo ler a coluna de JF. É começar e desistir pelo meio do caminho. Acho até que ele tem estilo próprio para jornal português, pois para alguns é necessário ler e reler para entender o que ele escreve.

    No caso da coluna em questão, acho que o conteúdo revela a adesão de JF à linha editorial adotada pelo patrão, ou seja, resistiu enquanto pode e, agora, sucumbiu à pressão dos Frias. Logo, começou a atirar contra os que investigam o banqueiro daniel Mendes, iniciando processo de descontsrução da pessoa do delegado federal Protógenes, atribuindo a este atitude messiânica na investigação das falcatruas do banqueiro.

    A desqualificação do delegado e do juiz faz parte da estratégia de desacreditá-los e legitimar absolvição de Daniel Mendes na segunda instância.

  90. Já que o Jânio de Freitas
    Já que o Jânio de Freitas veio com essa conversa de seita, religião, fraternidade, então diria o seguinte a ele e à sua empáfia: o delegado Protógenes e o Juiz De Sanctis estão representando neste caso a fraternidade da luz, do bem, da solidariedade, da justiça, da liberdade, enquanto que essa grande mídia criminosa, corrupta, hipócrita e apátrida está representando com louvor a fraternidade das trevas, do egoísmo, da crueldade, da escravidão, da soberba, da injustiça. Sem dúvida, Jânio de Freitas, que escolho a fraternidade da luz e do bem.

  91. Que comentário inteligente!
    Que comentário inteligente! Tão sem intenção de desqualificar a investigação do delegado Protógenes, tão isento! Por comentários como esse é que me pergunto: O que seria de nós sem a análise de JF?!! Jornalismo analítico é isso; perceber a santa na lapela do Protógenes e identificar uma possível veia fundamentalista no delegado que quer prender o probo DVD.
    Continue assim JF. Certamente o OFF, o mano e o papai, lá no céu, ficarão muito orgulhosos de você.

  92. Nassif, é como eu já disse, o
    Nassif, é como eu já disse, o barco está afundando e eles estão inventando, falando e fazendo, tudo que for possível, na tentativa de estabilizá-lo.
    O jornalista em questão, está pensando em pular fora, mas ainda não tem certeza e coragem, bem como não sabe a força do pulo e acha que pode cair dentro d´água…..
    Afinal de contas, a Folha não é um jornal com bases religiosas?… Sdc

  93. O Jânio de Freitas também é
    O Jânio de Freitas também é da “tropa” de defesa do Dantas? Isso seria decepcionante. Tão decepcionante quanto essa nota dele ser parcialmente verdadeira. Por que? Já que o post falou em remar contra a maré, como já escrevi em comentários anteriores, tenho pavor dos paladinos da moral, ainda que eles acertem de vez em quando.
    O Protógenes, para mim, é um paladino, assim como aquele Procurador Luiz Francisco (muito em voga na era FHC, lembra?). Você, Nassif, defendeu na época o Eduardo Jorge. Teve coragem. Pois eu não vejo diferença entre o Luiz Francisco e o Protógenes. São ambos imbuídos de espírito missionário, salvacionista. Isso é horrível, ainda que, repito, acertem de vez em quando.
    Sou filiado ao PT e conheço de perto esse lado moralista de parcela da esquerda. A maior parte desse pessoal (que perpassava todas as correntes do partido) foi para o PSOL após o mensalão. Aqui no Rio essa turma moralista estava toda na esquerda do partido, onde eu militava (hoje, estou muito afastado, pois no Rio o PT está pior e mais inoperante que antes).
    Essa “tendência” da esquerda brasileira vem da forte influência que as CEBs exerceram na formação política de um grande número de militantes. Mistura de marxismo com milenarismo, que hoje vejo ser terrível. Esse pensamento moldou o caráter de figuras diversas, que atuam em áreas distintas, como Dom Cappio, Heloisa Helena, Protógenes, Luiz Francisco. Nada planejado, como a “maçonaria” descrita pelo Jânio, mas pessoas com premissas políticas comuns. Tal qual os economistas formados pela PUC-Rio: podem ser diferentes um do outro, mas têm muitas coisas em comum.
    Assim, o que me deixa tenso nessa história do Dantas é que não está havendo espaço para o “veja bem”. É cheio ou vazio. Ou se ridiculariza a investigação toda (safando, portanto, Dantas) ou se defende de olhos fechados, endeusando o Protógenes e o Sanctis. Eu não compraria o carro usado do Dantas e compraria o do Protógenes, mas não votaria em nenhum dos dois.
    A opção não pode ser entre o cinismo e a canalhice de um lado e o moralismo salvacionista do outro. Não quero o privado misturado com o público, a corrupção endêmica, mas também não quero um Robespierre ou um estóico autoritário.
    Dá para conciliar? Claro que dá.

  94. Nassif
    Há algum tempo venho
    Nassif
    Há algum tempo venho notando que o jornalista Jânio de Freitas, vem fazendo severas críticas aos servidores públicos sérios que procuram realizar as suas funções dentro da legalidade e na defesa do bem público como reza o código do Direito Administrativo do setor Público. Sempre admirei Jânio e nas muitas vezes que discordei dele não deixei de respeitá-lo, mas ultimamente a postura dele neste caso de Daniel Dantas me surpreendeu. Fico pensando, será que DD está pagando um salário a êle ou a alguém muito próximo e querido dele?

  95. Apesar de ter deixado de ler
    Apesar de ter deixado de ler a folhasp após sua guinada psdbistademonológica, mantive o respeito por alguns de seus articulistas. Jãnio é um deles. Mas neste artigo dele que leio em seu post Nassif, a palavra que me atravessou a cachola foi: dubiedade, dubiez, dubieza, dúbio. Fui até no Houaiss para reconferir seus diversos sentidos. Texto que vacila, hesita, vagueia.

    A Operação Satiagraha, não sei porque, causa na tradicional prensa brasileira uma enorme miopia. E as melhores intenções acabam por se revelarem vesgas.

    Sei lá, quem sabe são as forças, aquelas ditas ocultas. Fenômeno em que um astro deixa de ser visível devido a alguma interposição entre o observador e o astro em questão.

    Ressalte-se que uma prensa ptmdbista também não seria solução para a questão. Talvez, apesar do esforço de alguns, não seja mais possível um bom e legitimo jornalismo nas bancas. O sol nas bancas de revistas foi eclipsado. A alegria, alegria que nunca será plena, migrou para os bons blogs. Afinal, quem lê tantas noticias?

  96. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome