A imprensa como ela é, por Euro Arantes

Enviado por Felipe A. P. L. Costa

A imprensa como ela é

Por Euro Arantes [1]

O leitor que diariamente sai à rua para comprar ‘o seu jornal’ está pagando para ser ludibriado.

A notícia era apenas isso:

“Dois namorados, modestamente vestidos, passeavam ontem na Pampulha, quando foram colhidos por um caminhão da Standard Oil (hoje Esso), que rodava em direção a Belo Horizonte, transportando 6.000 litros de óleo destinados à Prefeitura da Capital. Os dois jovens, que mais tarde foram identificados como sendo Fulano e Fulana, tiveram morte imediata e o motorista foi preso por um inspetor de veículos que, casualmente, passava pelo local.”

Mas acontece que cada jornal costuma sempre interpretar os fatos ao seu modo e o resultado foi que, no dia seguinte, os nossos matutinos (com exceção do Informador Comercial, que é órgão especializado, e do Estado de Minas, que só publica anúncios, e por isso não noticiaram o fato) apareceram com os seguintes títulos:

FOLHA DE MINAS (jornal do governo)

“Notável eficiência do Serviço Estadual de Trânsito” – “O inspetor prendeu em flagrante o motorista assassino” – “O governador visitou pessoalmente as duas famílias enlutadas” – “Aberto rigoroso inquérito por ordem da Chefia de Polícia.”

O DIÁRIO (jornal da Cúria Metropolitana)

“Castigados os infiéis” – “Entregavam-se à prática de atos imorais, quando foram colhidos por um caminhão.”

TRIBUNA DE MINAS (de propriedade do ex-governador de São Paulo, Ademar de Barros)

Leia também:  Bolsonaro cria estratégias contra críticas nas redes sociais

“Ademar de Barros está com o povo” – “Amparada pela caixinha do ex-governador de São Paulo, a família do rapaz que faleceu ontem na Pampulha.”

DIÁRIO DE MINAS (do sr. Otacílio Negrão de Lima, inimigo público do prefeito da Capital)

“Responsável é o prefeito Américo René Giannetti” – “O veículo estava desenvolvendo velocidade excessiva porque o Visconde tinha pressa em receber a mercadoria” – “Para o sr. Giannetti duas vidas valem menos do que 6.000 litros de óleo.”

JORNAL DO POVO (órgão do antigo Partido Comunista)

“Proletários brasileiros vítimas do imperialismo norte-americano” – “Cena revoltante na Pampulha: dois humildes operários nacionais esmagados sob as rodas de um possante caminhão da Standard Oil.”

*

Nota

[1] Euro [Luiz] Arantes (1927-1993). Artigo extraído de Rabêlo, J. M. 1997. Binômio: edição histórica. BH, Armazém de Idéias & Barlavento Grupo Editorial.

*

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Já vi uma

    Já vi uma assim com a Chapeuzinho Vermelho.

    Compro jornal quse todo dia , EM PAPEL , gosto de mudar o jornal revesando Globo , Folha , Dia , Estadão e o JB (temos poucos no Brasil) sendo enganado por vários ao menos…

  2. Muito bom. Da hora. Mitou (?)!

    Amplia o estrago para uma rede de tv no lar, na sala, de 98% dos habitantes do País inteiro.

    Formatando a realidade, despejando e filtrando 24 horas por dia a versão dos fatos que melhor sirva aos seus interesses.

    Um Cavalo-de-Tróia hipnótico, por décadas e décadas, ocupando o espaço central do convívio familiar. De norte ao sul do Brasil, dos barracos das favelas e periferias até os apês e condomínios, cercados ou não, da classe-média tupiniquim. O poder absoluto foi consolidado pelo casamanto do marinho com os milicos da ditadura.

    A rebeldia deixou de ser vermelha, foi transubstanciada no mascar de uma coisa chamada chicletes; é verdade, o mundo consumiu e mascou feito ruminante em nome da liberdade, contra a opressão da família burguesa.

    Não, os coxinhas não nasceram ontem, a escola-sem-partido só vem se aperfeiçoando com o passar do tempo planeta afora.

    ps: Goebbels, onde estiver, morre de inveja.

     

  3. MAD

    “JOGOU RECEM NASCIDO NA LIXEIRA DO PRÉDIO.”

     

    “Fui eu mesma, disse dona Maria do terceiro andar, dei Racumin pra ele e ele morreu logo.”

    ( Publicado na revista  MAD há “milhares” de ano.)

     

    Tratava-se de uma ninhada de ratos, mas o leitor só saberá se ler a matéria, como a maioria só lê a manchete e sai alardeando temo este caos informativo que impera no país.

  4. A proósito, o DCM apresenta

    A proósito, o DCM apresenta uma matéria, com vídeo, pra mostrar o nível baixíssimo de informação d Globo News.

    Trata-se de uma entrevista de uma repórter a um Professor de finanças da UFRJ. O tema é a Petrobrás, e os desdobramentos dos problemas que vimos assistindo. Como o Professor defendia a  população, e se declarava contra a política adotada pelo governo, simplesmente foi descartado. A repórter o interrompe, pedindo os comerciais, e em seguida “cadê o homem que tava aqui?”. Simplesmente sumiu.

     

  5. Jingle Bell

    Jornal agora só serve mesmo para embrulhar peixe na feira ou para cantar jingle bell acabou o papel. Parei de comprar o Globo desde a campanha eleitoral de 2014 quando ficou escancarado o favorecimento midiático ao candidato do PSDB, Aecinho do pó. Eu ainda gastava meus trocados com esse jornal por causa da coluna do falecido e saudoso João Ubaldo Ribeiro, único acadêmico digno de uma cadeira na ABL. Hoje meus trocados se foram, assim como a feira, o peixe e o jornal.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome