A propagada imparcialidade da grande imprensa é uma “ilusão de óticas”

A propagada imparcialidade da grande imprensa é uma “ilusão de óticas”
Para jornalista de O Globo, blogosfera é parcial, imprensa não

E se os porta-vozes da opinião da grande imprensa tivessem seus contratos rompidos pelas “bolas-fora” que constantemente emitem?
Aí se os donos da grande imprensa considerassem a realidade como ponto de partida da construção da informação, não somente partindo do alinhamento ideológico que alicerçam uma disseminação comprometida?
Estas duas questões se anulariam…

Análises de expoentes da mídia como Alexandre Garcia, ex-porta voz do presidente Figueiredo, Jabour, Miriam Leitão, Reinaldo Azevedo, Merval Pereira, Lúcia Hipólito entre outros, não fornecem o perigo contido na primeira pergunta, porque estes bebem sedentos da fonte da segunda questão…

A imprensa brasileira sofre de uma grave crise de credibilidade, acentuada pelo surgimento da blogosfera independente, notadamente protagonizada por blogueiros progressistas, opositores da desinformação vigente nas redações dos gigantes veículos de comunicação, construtores de uma nova pauta: livre, diversa, analítica, real.

A imprensa brasileira pratica a memória seletiva: esconde seus erros e golpismos nos cortes editoriais e pelos intervalos comerciais…
A opinião da imprensa brasileira é um vaticínio, não tem como errar, pois tem todo o tempo do mundo para comprovar que estava certa “desde o início”, mesmo que para isso precise desinformar, mentir ou manipular os fatos…Honduras, Chávez, Morales, Lula, Wikileaks, enchentes, futebol brasileiro e Dunga são alguns exemplos clássicos de que, em algum momento, a mídia dirá que estava certa em seus prognósticos, porque “são incapazes” de falhar!

 
Leia a íntegra, clique aqui>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora