A trajetória de Fátima Bernardes

Quando entrei no programa de estágio do jornal O Globo, em 1987, ouvi comentários sobre ex-estagiária, que acabara de ingressar no telejornalismo. Era Fátima, mas conhecida com o jocoso e preconceituoso apelido de “musa do Méier” – ampliando negativamente o fato de ser mulher e da “Zona Norte”.

Nunca a conheci pessoalmente. Mas lembro-me da tempestade que arrasou o Rio, em fevereiro de 1988. Eu, já repórter de O Globo; Fátima, repórter da TV Globo. Ela estava na Praça da Bandeira – um dos centros da tragédia – transmitindo ao vivo pro telejornal local. A tempestade aumenta, começa o Jornal Nacional, e decidem colocar aquela novata no ar, em rede nacional. Só quem era jornalista naquela época – de tecnologia incipiente – sabe o medo que dava. Fátima foi perfeita. Naquele dia, ela calou a boca de todos que a chamavam de “musa do Méier”. Ela foi mais longe do que todos nós.

Hoje, quando anunciam sua possível saída da bancada do telejornal mais visto do país, insistem em associar seu nome apenas ao editor e marido.

Eu prefiro exaltar a mulher que venceu preconceitos; a jornalista que soube enfrentar as adversidades e que estava no local certo, na hora certa. Fátima Bernardes construiu uma história, que querem diminuir. Para o bem ou para o mal, a “musa do Méier” virou a musa do Brasil.

Da Folha.com

Fátima Bernardes começou carreira como repórter no jornal “O Globo”

PUBLICIDADE

DE SÃO PAULO

A jornalista Fátima Bernardes (17.9.1962 – Rio de Janeiro, RJ) começou sua carreira profissional em 1983 como repórter do jornal carioca “O Globo”.

Leia também:  Banimento de Trump sinaliza mudança na mídia social em relação à censura?

Em fevereiro de 1987 ingressou na Rede Globo de Televisão após ser aprovada em um curso de telejornalismo da emissora. Meses depois passou também a apresentar o extinto “RJTV 3ª Edição”.

Em maio de 1989, assumiu a apresentação do “Jornal da Globo”, ao lado do jornalista Eliakin Araújo, e em julho do mesmo ano passou a apresentar o telediário em dupla com William Bonner, hoje seu marido.

  Zé Paulo Cardeal/TV Globo  
William Bonner e Fátima Bernardes, apresentadores do "Jornal Nacional" da TV Globo
William Bonner e Fátima Bernardes, apresentadores do “Jornal Nacional” da TV Globo

Em 1993, começou a apresentar a revista eletrônica “Fantástico”, ao lado de Celso Freitas e Sandra Annemberg.

Em abril de 1996, assumiu a apresentação e edição do “Jornal Hoje”, voltando ao “Fantástico” em 1997 –sua dupla à época era Pedro Bial.

Em 1997, deu à luz os trigêmeos Vinícius, Laura e Beatriz, e pouco tempo depois, em 1998, se tornou âncora do “Jornal Nacional”, o principal telejornal da emissora, ao lado de Bonner, cargo que ocupa até hoje.

Neste cargo, destacou-se por ser a enviada especial da Rede Globo por diversas vezes para a Copa do Mundo de Futebol.

“JN”

O “Jornal Nacional” entrou no ar em 1969 com Hilton Gomes e Cid Moreira. Em 1972, Sérgio Chapelin passou a dividir a bancada com Moreira. A dupla comandou o programa durante 11 anos.

Em 1983, Celso Freitas substituiu Chapelin e formou dupla com Cid Moreira por seis anos. Em 1989, Chapelin, que havia ido para o SBT, volta ao “JN”. Em 1996, William Bonner e Lillian Witte Fibe assumem a bancada.

Leia também:  Youtube suspende conta de Trump

Veja abaixo a abertura do “Jornal Nacional” no segundo dia de Fátima Bernardes na bancada:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome