A tragicomédia das eleições norte-americanas.

Se achamos que as perspectivas futuras das eleições brasileiras de 2022, são sombrias e até funestas, ainda vamos ter dois anos ou menos para melhorar o futuro, porém os norte-americanos que tem um tico e um teco funcionando em conjunto, estão dentro de uma tragicomédia misturada com o teatro do absurdo.

Com um sistema político que conduz a escolha a somente dois partidos, um partido imperialista de direita e outro de direita imperialista (não foi erro de datilografia, foi proposital mesmo) e com uma esquerda completamente demolida e que não consegue se reconstruir porque cai na armadilha das pautas identitárias como prioridade do tipo: Pessoa de cor azul celeste só deve votar em candidatos azuis celestes ou pessoas pansexuais (definição do falecido cantor de rock brasileiro Serguei) só deverão votar em outros pansexualistas. Em resumo, toda a vanguarda norte-americana cai nessa armadilha e não consegue propor nada mais do que escolher dentre os dois candidatos dos dois partidos entre o terrível e o horrível.

Pois bem, nesse ano as eleições norte-americanas se superaram, há dois candidatos conservadores, belicistas, imperialistas e todos os defeitos possíveis com uma diferença, um tem mentalidade de doze anos e o outro está ficando tão decrépito que está indo na direção de uma mentalidade de zero anos. O último deles que está em franco processo de decomposição mental, faz sua campanha do subsolo de sua casa e quando é entrevistado por um grupo favorável a ele e fazem qualquer pergunta fora do script ele faz tanta confusão que a tradutora para língua de surdos nem consegue traduzir de tão sem sentido a resposta.

Como todo mundo sabe que se eleito o candidato em via de se tonar insano (o outro já é insano desde sempre) deveria escolher um vice-presidente que agradasse tanto as maiorias conservadoras como as minorias identitárias, logo para não ficar longe do padrão desejado de todas as minorias escolheu um Ornitorrinco político, ou seja, alguém que era conservador e punitivista e com a combinação de cores que resultou numa pessoa de azul escuro com tons esverdeados, que não se identifica com ninguém, mas não se identifica com nenhuma pessoa na américa do norte.

Em resumo: dentro de menos de 90 dias os norte-americanos terão que escolher ou o terrível ou o horrível.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora