Esperando pelo ônibus ideal

Em meu texto “Comunistas’, atestado de pureza e os empecilhos para uma união pela democracia”, comentava das cobranças e exigências absurdas que parte das esquerdas faz para aceitar entrar em uma frente ampla pela democracia – ou antifascista, que seria um pouco menos ampla. Dois exemplos desde então reforçam minha análise.

Mais visível, a fala recente de Lula, de ir com calma antes de aderir a projetos de defesa de democracia, não sem antes conhecer a fundo os interesses dos organizadores – nesse ponto, parece sensato à primeira vista, mas só à primeira vista. Fosse só isso, já seria complicado. Porém o ex-presidente também trata de olhar para o passado de quem assina, e a adesão de golpistas ao manifesto Juntos, por exemplo, é motivo para ressalvas. Neste ponto, o líder do PT parece começar a aderir à política dos pequenos narcisismos e do ressentimento – essa que afundou FHC num homem público desprezível e drena Ciro Gomes para destino semelhante -, e tem sua visão do contexto e da própria força obnubilados. Isso se mostra claro (com o perdão do trocadilho), quando Lula diz que leitura atenta, passando lupa nos filigranas é importante “para a gente não pegar o primeiro ônibus que está passando. É preciso que a gente analise todos esses manifestos e que conversemos com os organizadores para saber o que eles querem.” Postura corretíssima em maio, quem sabe até em junho de 2019. Para 2020, o ônibus que está passando não é o primeiro, nem o segundo, nem o terceiro. Se é o primeiro que Lula vê, que se esperte, pois pode ser o último – ou o próximo a passar pode fazer desse uma maravilha, comparativamente. Pior: se não embarcar nesse ônibus, antes do próximo é capaz de no sentido contrário vir uma jamanta desgovernada, subir na calçada e atropelar todo mundo que está candidamente esperando no ponto o ônibus mais adequado.

Em boa medida por conta do PT e as esquerdas se centrarem muito fortemente na justa bandeira do Lula Livre, parece que esqueceram que precisavam também estar atentos para as demais pautas, reconstruindo o movimento de base, apoiados em propostas futuras a partir do presente (e não lembranças dos bons tempos), e costurando apoios amplos da sociedade. A “lulodependência” de boa parte da esquerda – e que não me parece ser culpa do próprio, que dá mostras de que queria ir para o segundo plano desde que acabaram as eleições de 2012 – impediu que se construísse uma frente antifascista, necessária desde longa data, desde que se atacava pessoas por usarem roupa vermelha, ou ao menos desde 2019, afinal, desde o dia 1º o fascismo está sentado no poder e se afirmando orgulhosamente – não era necessário esperar o caos para articular mais intensamente uma resistência. Se as esquerdas tivessem conseguido agir nesse sentido, essa frente antifascista poderia hoje estar na cabeça desse movimento mais amplo e mais urgente de defesa da democracia formal representativa liberal burguesa.

Faço questão de ressaltar que tipo de democracia estamos defendendo – democracia que atende aos interesses do capital e ainda assim de estabelecida de maneira frágil, insuficiente, extremamente precária -, para que não esqueçamos que a defesa da democracia não está pondo em causa nenhuma proposta positiva de mudança, tão somente uma defesa negativa, uma reação a mudanças para muito pior que se desenham no horizonte. Que as coisas continuem como estavam até pouco tempo atrás para que seja possível, aí, sim, discutir mudanças profundas na sociedade.

O manifesto Juntos é de uma generalidade constrangedora, de estilo contemporizador – que Lula soube instrumentalizar no seu governo para implementar pequenas melhorias na qualidade de vida dos mais necessitados – capaz de agradar até mesmo fascistas, feito para fácil adesão de quem for que se encaixe em seus jargões amplos (inclusive evita o termo “direitos humanos” – talvez para não ser chamado de esquerdista?), sem nomear abertamente o presidente da república e seu séquito, ou seja, sem marcar claramente posição – em suma, é precário, mas ainda assim, é o que há. Será que não poderíamos ter um manifesto em defesa da democracia muito melhor, destemido, combativo, ainda que sem incluir pautas mais específicas, como saúde, educação e segurança públicas de qualidade? Aspiração plausível, mas não para hoje: ao invés de se preocupar com isso, boa parte das esquerdas estava em disputa por cobranças de autocríticas alheiras, esperando um líder messiânico que se provou ser só humano, com todas as limitações inerentes ao humano, por mais que seja de inteligência e perspicácia acima da média; e chorando as derrotas junto com seus pares nas suas confortáveis casas de classe média ou bares descolados.

O segundo exemplo de como as esquerdas estão perdendo absurdamente a “guerra de narrativas” em todas (ou quase todas) as suas frentes foi a profusão de bandeiras antifascistas que emergiram nas redes sociais, e as críticas (em parte pertinentes) ao seu uso por parte de quem não sabe o que é antifascismo, sua história ligada às esquerdas, ou comunga nos ideais da direita, quando não nos ideais fascistas – a fábrica de memes que domina o país não deixou de colocar “Witzel Antifascista”, “Doria Antifascista” e até “Partido Novo Mais ou Menos Antifascista” (porque pra tudo há um limite). Como disse, reconheço parcialmente a pertinência da crítica a esse uso indiscriminado da bandeira antifa, no caso em que se trata da instrumentalização oportunista por parte da direita de uma luta historicamente das esquerdas. Parte da crítica, contudo, é bastante impertinente e mostra a petulância de certas esquerdas e sua exigência de atestado de pureza e pleno conhecimento da história da esquerda mundial para quem deseja se juntar às suas lutas: se as pessoas estão usando a bandeira antifascista, eis a melhor hora para chamar essas pessoas para conversar, explicar o que essa bandeira significa, o que ser de esquerda significa, o que é o comunismo – em linhas muito gerais, para não acabar em briga de irmãos entre as diversas seitas, que passam a achar tudo o mais irrelevante diante da imperiosa necessidade de atacar o detalhe dissonante daquele que está ao seu lado. Porém, ao invés de chamar para conversar e acrescentar, prefere chamar os neófitos de burros ignorantes – um primor da inteligência estratégica que as esquerdas destes Tristes Trópicos parecem imbatíveis.

Há um além: a adesão de parte da direita que não tem problema em se aliar com os fascistas ao grito antifascista da moda mostra que haveria uma possibilidade de retomar parte da narrativa por parte das esquerdas, apresentando-se como um campo de luta pela defesa dos direitos humanos (esse que o manifesto do Juntos não fala), dos trabalhadores, dos excluídos das benesses do sistema, das culturas diversas e plurais, um campo acolhedor.

Mas a combinação de “acolhedor” com “esquerda” parece, pelo que se lê em vários revolucionários de classe média da internet (aí incluído muitos professores universitários), mera construção teórica ou fato passado (pretendo me deter mais nessa questão em outro texto). O ressentimento é o modo predominante de fazer política também de parte das esquerdas. Um erro estratégico sem tamanho: a direita, em especial a extrema-direita, leva ampla vantagem na mobilização do ressentimento e na captura dos tocados por esse afeto. Por sorte, há uma esquerda menos vinculada à universidade e à classe média que sabe o que é mobilização, trabalho de base, empatia, acolhida – falta-lhe o que Bourdieu chamou de capital social e cultural para ter mais visibilidade, além, é óbvio, capital econômico. É nela que podemos vislumbrar esperança que não seja projeção narcísica de desejos pequenos burgueses de protagonismo inconteste.

03 de junho de 2020

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora