O livro das mutações bolsonariano, edição de bolso

O desprezo de Jair Bolsonaro pela China é tão evidente quanto a paixão dele pelos EUA. Ao que parece o presidente brasileira acredita que existe uma eterna guerra de civilizações e que o Brasil deve escolher o lado certo.

A única coisa certa na escolha feita por Bolsonaro, entretanto, é o prejuízo econômico duradouro que nosso país sofrerá. Menos evidente, o prejuízo cultural também será imenso.

Apesar de ter sido popularizada por alguns autores norte-americanos, Oriente e Ocidente nunca estiveram em guerra. Muito pelo contrário. Roma somente se tornou imensamente rica no momento em que conseguiu se conectar com o Império chinês. Essa aventura é contada no livro Roma e o Oriente Distante, Raoul MacLaughlin, Rosari, São Paulo, 2012, já explorado aqui mesmo no GGN https://jornalggn.com.br/historia/choque-de-civilizacoes-nao-entre-roma-e-o-oriente-distante/.

Nos últimos 50 anos, a melhor fase econômica do Brasil começou no momento em que Lula fez a Última Flor do Lácio Brasil repetir o feito do Império Romano ao conectar economicamente nosso país com a China. O rompimento abrupto das relações comerciais com os chineses realizada por Bolsonaro encerrou essa fase.

Em troca da fidelidade da familícia ao decadente império norte-americano o Brasil ganhou duas coisas: promessas vagas da Casa Branca e; o desprezo manifesto dos principais líderes da União Europeia. O espaço que o Brasil deixou de ocupar na economia chinesa será rapidamente preenchido por nossos concorrentes.

O pior é que não podemos nem mesmo dizer que o Brasil está embriagado. Afinal, a embriagues era tanto uma característica do culto de Baco, que foi introduzido em Roma durante a fase republicana, quanto da Idade Média chinesa. Por volta do século III dC “Con la embriaguez de vino se tenía la esperanza de experimentar la unión mística com el tao de la naturaleza.” (El imperio chino, Herbert Franke e Rolf Trauzettel, Siglo XXI de España Editores S.A., Madrid, 1973, p. 126).

O individualismo acentuado que caracteriza o tao do bolsonarismo tem sido atribuído a uma influência deletéria das religiões evangélicas exportadas pelos EUA. Entretanto, ele também era muito comum na China durante o século III dC:

“En aquella época em que se relajaron todos los vínculos sociales, pasó a ocupar un primer plano el indivicuo como sujeto del pensamiento y del sentimiento. No ocupaban ya el primer plano el estado o la família, sino el yo autónomo. La clase superior podía permitirse el lujo de evadirse de las duras y antipáticas realidades del mundo circundante huyendo a un mundo de hultra-tumba metafísico, huida que a menudo conducía a un refinado cinismo e incluso al anarquismo.” (El imperio chino, Herbert Franke e Rolf Trauzettel, Siglo XXI de España Editores S.A., Madrid, 1973, p. 125)

Luis Nassif afirmou que Jair Bolsonaro é um imbecil completo https://www.youtube.com/watch?v=Owq5sJ5wd8E&feature=youtu.be. A essa descrição nós já podemos acrescentar outra característica marcante.

Quanto mais tentar se afastar da China e se aproximar dos EUA, mais o presidente brasileiro se distanciará do legado romano que chegou ao Brasil por intermédio dos portugueses. O paradoxo, entretanto, é evidente. Ao se aproximar dos norte-americanos, Jair Bolsonaro ficará mais e mais e mais parecido com um típico mascate chinês adepto do taoismo do século III dC. Isso talvez explique sua predileção pela exportação de bugigangas feitas com nióbio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora