Bolsonaro e Neymar lucram com negatividade antimídia, por Wilson Ferreira

Por Wilson Ferreira

Bolsonaro e Neymar lucram com negatividade antimídia

Em uma diferença de apenas 24 horas, dois sintomas dos estranhos tempos em que vivemos: no domingo, no horário mais caro da TV brasileira, o Fantástico da Globo, um pedido de desculpas auto-indulgente de Neymar com o patrocínio milionário da Gillete. No dia seguinte, o candidato à presidência de extrema-direita, Jair Bolsonaro, no programa Roda Viva da TV Cultura, apontando uma metralhadora de cacofonias numa estudada estratégia de confusão verbal e bate boca. Dois personagens que ganham força não pelas virtudes (nem que seja para simulá-las) mas pela negatividade. Nesses dois eventos o “bom senso” e a “ponderação” foram mandados à favas mostrando uma estratégia paradoxalmente antimídia – ganham força a partir de uma autodestruição das estratégias de enunciação que sempre ajudaram a mídia a simular possuir algum valor de uso: “informar”, “entreter” e “educar”. As, digamos assim, “sinceridades” de Bolsonaro (a extrema-direita em seu estado bruto, sem as estratégias de enunciação suavizantes) e de Neymar (a negação franca da virtuosidade do esporte – “falem o que quiser porque tenho dinheiro!”) são atos paroxistas. Se transformaram em “máquinas celibatárias” que ganham força investindo contra a própria mídia que os promoveu.

Dois sintomas dos estranhos tempos em que estamos vivendo: de um lado, a participação no programa Roda Vida da TV Cultura do agora ameaçador candidato de extrema-direita à presidência Jair Bolsonaro; e do outro o pedido de desculpas, patrocinado pela Gillete, do astro Neymar Jr após ter sua participação na Copa ridicularizada por todo o planeta.

De ambos parece que tudo já foi dito. De figura folclórica e bravateira do chamado baixo clero do Congresso, hoje Bolsonaro representa uma ameaça real, elevado ao status de “mito” por uma legião enojada pela Política, após o bombardeio diário de telejornais que se transformaram, de programas noticiosos, em verdadeiras crônicas policiais.  Bolsonaro destila o ódio que a própria mídia produziu ao abrir a “caixa de Pandora”: mexeu na lama psíquica dos baixos instintos coletivos para engrossar a tropa que sairia às ruas para pedir o impeachment e mandar a esquerda de volta a Cuba.

Enquanto Neymar Jr é figurado pela crônica especializada como um “Neymarketing” mimado: cercado pelos “parças”, prefere muito mais ostentar seu poder financeiro do que jogar futebol.

Mas há algo mais! Um traço que os une, como subprodutos midiáticos de um contexto atual de Guerra Híbrida, no qual a grande mídia foi elevada ainda mais à condição de protagonista político, dentro de um complexo judicial-policial-midiático. 

Não é mera coincidência o fato de que Bolsonaro e Neymar Jr ganhem espaço midiático pela sua negatividade. E paradoxalmente tirem a sua força disso.

Enquanto Bolsonaro vira “mito” para um público jovem que chega a confundi-lo com as tosquices dos youtubers, Neymar Jr transformou-se num exemplo a ser seguido por centenas de jovens nas peneiras de futebol de clubes por todo o País: afinal, Neymar é um moleque que se fez, encheu as burras de dinheiro e caiu fora do Brasil. Bem ou mal está na Europa e seu passe vale milhões de euros. Qual jovem não gostaria de um futuro desse? Afinal, não é esse o foco do discurso mérito-empreendedor que a grande mídia vende diariamente como modelo ético e moral?

Porém, esse algo a mais não se limita a um paradoxo. É também um paroxismo: o momento culminante de um ataque ou crise, onde um sintoma se manifesta com mais força causando disfunções em um determinado órgão ou sistema.

 

Leia também:  Gramática da manipulação: o jornalismo que esconde a motivação de atos contra o Carrefour

E essa disfunção sistêmica é, nada e nada menos, do que aquilo que este humilde blogueiro define como “tautismo” (tautologia + autismo midiático), conceito emprestado do pesquisador francês Lucien Sfez – “comunicação confusional”, traço dominante contemporâneo onde o processo comunicacional teria se tornado um diálogo sem personagem. Só leva em conta a si mesmo, isto é, a comunicação como seu próprio objeto (veja SFEZ, Lucien. Crítica da Comunicação. São Paulo: Loyola, 2000).

Tanto Bolsonaro como Neymar Jr são como as “máquinas celibatárias” de Deleuze e Guattari: uma forma de prazer auto referencial, uma aliança entre os seus desejos e as próprias máquinas que os promovem (a grande mídia) a tal ponto que fossem libertados poderes ilimitados que destruiriam a própria mídia para os quais deu visibilidade – sobre esse conceito clique aqui ou o livro O Anti-Édipo de Deleuze e Guattari. Mas principalmente a destruição  da simulação de um referente, de uma finalidade ou de um valor de uso. Respectivamente, a Política e o Futebol.  

Desde Kennedy e Nixon a mídia não foi mais a mesma…

Desde o primeiro debate, frente-a-frente, entre dois candidatos à presidência (Kennedy e Nixon) em 1960 a grande mídia não foi mais a mesma. Enquanto no rádio os ouvintes davam a vitória a Nixon, na TV a imagem jovial e bronzeada de Kennedy se impôs ao rosto suado e com olheiras de Nixon. Kennedy passou uma percepção de confiança e credibilidade, enquanto Nixon transmitia insegurança.

Desde então, no cenário midiático e da comunicação, a credibilidade se sobrepôs à verdade, a simulação à representação, o imaginário à informação. 

A partir desse evento inaugural, uma massa de ferramentas da publicidade, relações públicas, marketing e táticas subliminares foi mobilizada para disputar uma guerra de percepções, impressões, sentimentos e emoções. E assim, conquistar a opinião pública, mandando às favas tudo aquilo que algum dia foi chamado de “informação”, “verdade”, “representação” e todos esses conceitos cânones do racionalismo Ocidental.

Não que nada disso existisse antes – afinal, o sobrinho de Freud, Edward Barnays, defendeu e popularizou a manipulação de massas nos EUA muito tempo antes.

Debate Kennedy x Nixon na TV: evento inaugural

Porém a novidade que a mídia criou sobre esse cenário de simulações de credibilidade um outro jogo: a simulação de que ainda existia alguma miragem de referência: o jornalismo informa; o cinema entretém; o futebol promove uma prática esportiva e assim por diante.

Por exemplo, o telejornalismo criou um complexo jogo de enunciação para esconder a sua natureza ficcional (prazer voyeurista do espectador, o teleprompter, o croma key, o apelo a edição e montagem cinematográfica coberturas jornalísticas etc.). Um jogo de enunciação tautista de autorreferência e metalinguagem: a promoção de jornalistas como “âncoras”, os debates televisivos com um emaranhado de regras de discurso e linguagem que transmitam a seriedade noticiosa (o bom senso, o respeito ao mediador, argumentação, discurso silogístico, cordialidade etc.), colunistas e especialistas que se autopromovem como grifes.

Assim como no esporte, a promoção de atletas como astros e o enaltecimento da competição e performance escondem a intensa mercantilização na qual os atletas vitram commodities às quais deve ser agregado valor a cada calendário esportivo.

Estratégias de enunciação tautista

É o que em teoria da comunicação chamam-se “estratégias de enunciação” nas quais o emissor (no caso a própria mídia) esconde seu interesse por meio de um discurso “desinteressado”: “eu apenas transmito informações de interesse público” ou “entretenho as massas com o esporte que enaltece os bons valores morais e éticos” etc.

Porém, essa natureza tautista (ter que encenar continuamente a miragem de uma utilidade pública) chega hoje ao paroxismo, criando uma relação celibatária consigo mesma – assim como o dadaísta Marcel Duchamp matou a pintura com os seus ready mades: ao achar que tudo poderia ser arte, matou a própria arte.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Fala Sério, parça !

    Em qualquer esporte minimamente sério um competidor de uma equipe que joga  uma final ja negociado , para nao dizer vendido, ao adversario mereceria um banimento do esporte que pratica em beneficio do proprio esporte 

  2. CONHECEIS A VERDADE. E A VERDADE VOS LIBERTARÁ.

    Não são tantas verdades sendo ditas e descobertas em apenas um Programa de TV? Então Mirian Leitão que já pertenceu a Grupos Terroristas de Extrema Esquerda, Fanáticos Fundamentalistas Ideologistas que queriam implantar uma Ditadura Socialista no Brasil, logo após racharem o pacto que tinham com Quartéis Militares desde ao Governo Fascista de Getúlio Vargas. Não conseguiram manter sua posição nem com o total apoio e comando dos Familiares do Fascista: João Goulart e Leonel Brizola.  Golpe que trouxe Ditadura Fascista Caudilhista de Quartéis Militares é vangloriado até hoje. Sua Estrutura e Legislação Fascista mantidos até os dias atuais. Mas a continuidade deste Governo Militar a partir de 1964 é condenado? É Surreal !! Comparsas até 1954. Inimigos em 1964? Mirian Leitão, símbolo desta geração Marxista, então torna-se Porta-Voz de RGT. Imposição Norte-Americana, mascarada pela AT&T, para controlar as informações dentro do país, a partir do golpe militar dos mesmos anos 60. E torna-se Porta-Voz de uma Linha Político-Partidária, que ao combater atuais Estruturas Socialistas ou de Esquerda, tenta implementar a entrega, a rendição, a traição de Lesa-Pátria da Soberania do país à uma Nação Estrangeira. Justamente a estrutura que esta Jornalista combatia nos anos de 1960.  Só que estas estruturas que traem a Nação Brasileira e permite baixar a guarda de todos flancos de soberania, são extamente Estruturas de Esquerda que ascenderam com o Ditadura Fascista: OAB de 1930. USP de 1934. UNE de 1938. Quer os nomes? Todo pessoal que desembarcou em Aeroportos Anistiados de 1979. Todo pessoal de Sindicatos Pelegos de Contribuições Obrigatórias (legislação fascista). Os dois Partidos Políticos que comandaram estes 40 anos Redemocráticos PT e PSDB, formados pela Elite criada dentro da USP (realização fascista), Estrudantes de Universidades federais ou USP (realizações fascistas), filiados à UNE (realização fascista). Ou Profissionais Liberais sujeitados à OAB (outra realização fascista). E esperavamos por DEMOCRACIA? E o problema é o Bolsonaro? Pobre país rico da Indústria da Pobreza que já completa 88 anos. É de muito fácil explicação. (P.S. A censura nada esconde, mas revela muito. E como revela)abs.     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome