Bolsonaro em evidência e o Lulil do Estadão, por Letícia Sallorenzo – a Madrasta do Texto Ruim

Bolsonaro em evidência e o Lulil do Estadão

por Letícia Sallorenzo – a Madrasta do Texto Ruim

Neste segundo turno, o padrão de coleta de manchetes para meu corpus de análise é um pouco diferente. Se no primeiro turno eu me vali de Charles Fillmore e seus semantic fields pra reunir as manchetes presidenciais e descartar as estaduais, agora eu estou colhendo as manchetes que contenham as palavras:

– Haddad

– Bolsonaro

– PSL

– PT

– Petista

– Capitão

– Candidato

– Presidenciável

 

Com esse critério, de 8 de outubro até agora eu já reuni um total de 187 títulos. Desse total, a palavra Haddad é citada em 51 manchetes – Bolsonaro aparece em 98. Arredondando, a coisa tá tipo dois para um. Está tudo muito claro: Bolsonaro é o assunto deste segundo turno. Haddad não está se destacando, não produz notícias, não produz novidades – ou isso ou a imprensa está tirando Haddad de evidência do cenário eleitoral. Prefiro crer na primeira hipótese.

Estadão e Globo mantêm um padrão que, aparentemente, O Jornal Nacional começa a quebrar: os dois jornais produzem textos torpes, quase infantis, para categorizar Haddad e Bolsonaro da mesma forma: dois radicais que não respeitam a democracia.

O jornal dos Mesquita faz dia sim, outro também, editoriais que podem ser resumidos mais ou menos assim: “Aff, o Bolsonaro é horrível, mas o PT não dá de jeito nenhum, coisa horrorosa, vade retro PT”. Um desses editoriais, assinado por Fernão Lara Mesquita, traz o inacreditável título “O plano de Lula para o Lulil” [https://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,o-plano-de-lula-para-o-lulil,70002541304 clique por sua conta e risco]. Lulil é a junção das palavras Lula e Brasil. Como o autor desse troço se refere ao Brasil de Lula. (Uma amiga desdenhou: “Ai, Lulil é horrível, Braslu ficaria muito melhor!”). Isso pode ser chamado de flerte com a censura, com o mau gosto, com a parcialidade. Mas, por favor, não chamem de jornalismo, pois não é.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora