Folha cria leitor de primeira e de segunda classe

No início da integração com a Internet, os jornalões reservavam matérias especiais para a edição impressa – a fim de não afugentar seus leitores.

Agora, a Folha está adotando uma posição esquizofrênica invertendo essa equação. Unificou as operações mas trata os dois públicos de forma diferente. Os da Internet recebem informações que são sonegadas aos do jornal escrito. As informações sobre o Índio da Costa constavam do jornal online. Foram suprimidas do jornal impresso pela editoria Vera Magalhães – algo que o Estadão não ousou fazer, por ter uma visão mais aprimorada sobre o universo de leitores online-impresso.

No caso da Folha lógica deve ter sido aa de que, na Internet, o jornal perdeu a capacidade de bloquear informações. Se todos os demais dão, há que se dar. Assim ela reserva a militância partidária para o jornal escrito. Só que, com isso, passa a dar tratamento de segunda classe ao seu leitor mais fiel – o que assina o jornal.

Não lhe passa pela cabeça que a parte mais interessada do leitor de jornal escrito provavelmente migrou também para a Internet. E que  está desprezando seu leitor preferencial, aquele que a acompanha há décadas, o do jornal impresso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora