ICIJ libera Off-shore Leaks: banco de dados que revela nomes por trás de sociedades secretas e trustes

Jornal GGN- O Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ) publicizou neste sábado(15), parte do banco de dados do chamado Off-shore Leaks. O banco contém o nome de pelo menos 100 mil empresas, trustes e fundações. Estas, de forma legal ou ilegal se utilizam de vantagens que facilitam a lavagem de dinheiro e a sonegação de impostos.

O significado de Offshore, embora faça lembrar de empresas que atuam ao longo da costa marítima (como as empresas petrolíferas), aqui, assume um significado diferente. No sentido acima, trata de empresas que tem sua contabilidade em um país distinto daquele(s) onde exercem suas atividades.

Os dados mostram uma pequena parte de um depósito de 2,5 milhões de arquivos off-shore que vazaram. Foram analisados por uma equipe de 112 jornalistas da ICIJ em 58 países, por mais de 15 meses. O aplicativo exibe gráficos de entidades offshore e as redes ao seu redor, incluindo, quando possível, os verdadeiros donos da empresa. O banco de dados cobre um peródo de 30 anos até o final de 2010.

O aplicativo Offshore Leaks web app foi desenvolvido pelo jornal La Nación, na Costa Rica, na Nicarágua para a ICIJ. Exibe gráficos de entidades offshore e as redes ao seu redor, incluindo, quando possível, os verdadeiros donos da empresa. Revela, pela primeira vez na história, o segredo de 10 jurisdições de offshore: Ilhas Virgens Britânicas, Ilhas Cayman, Ilhas Cook, Cingapura, Hong Kong, Samoa, Seychelles, Ilhas Maurícias, Labuan e Malásia. As informações vêm de duas empresas de serviços offshore com sede em Singapura: Portcullis TrustNet e BVI baseado Commonwealth Trust Limited (CTL).

Esquema

Utilizando um sistema de compras sigilosas, impostos mínimos ou nulos e isolamento legal, várias empresas criaram seu próprio paráiso fiscal por meio da economia offshore. Estruturas de canalização de lucros para a Irlanda, por exemplo, permitem que as empresas operem em um vácuo fiscal e regulamentar. Estas operações são semelhantes a aquisição de sua própria ilha onde as regras que a maioria dos cidadãos se seguem não se aplicam.

Leia também:  Xadrez do fim dos grupos nacionais de mídia, por Luis Nassif

Empresas brasileiras

Algumas Offshores com ligações com o Brasil, pescadas a esmo no banco de dados desenvolvido pelo ICIJ:

Alguns endereços relacionados a estas Offshores:

ICIJ

O Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) é uma rede global ativa de 160 repórteres em mais de 60 países que colaboram em histórias de investigação em profundidade.

Leia também:  Um assassinato de reputação de 2003, por Luis Nassif

Fundado em 1997, o consórcio busca investigar questões que ultrapassam as fronteiras nacionais: a criminalidade transfronteiriça, corrupção, e a responsabilidade do poder.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome