Morre o jornalista e escritor Milton Bellintani

Do Portal Imprensa

Morre, aos 56 anos, o jornalista e professor Milton Bellintani

Faleceu na madrugada desta terça-feira (3/11), aos 56 anos, o jornalista e professor Milton Bellintani, vítima de um ataque cardíaco.

 

Milton foi editor de diversas publicações da Editora Abril de 1987 a 2001, entre elas Placar, e editor-adjunto do caderno “Cotidiano”, da Folha de S.Paulo, em 2002. Cobriu a Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos. 
 
Atuava com temas de direitos humanos há mais de 30 anos, com foco na verdade, memória e justiça. Diretor do Núcleo de Preservação da Memória Política, coordenador da Comissão da Verdade do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, também foi voluntário e diretor-executivo da Escola do Parlamento da Câmara Municipal de São Paulo. 
 
Coordenou o curso de complementação universitária “Descobrir São Paulo – Descobrir-se Repórter”, do Projeto Repórter do Futuro e foi ombudsman do Contraponto – jornal-laboratório do curso de jornalismo da PUC/SP (2012-2013). 

 
De 2005 a 2008 atuou no Terceiro Setor, em projetos de comunicação da Fundação Kellogg para a América Latina e o Caribe a da CEPAL – Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe das Nações Unidas. Desenvolve, ainda, projetos editoriais voltados à inclusão de pessoas com deficiência desde 2005.
 
Em 2014, foi co-curador da exposição “Política F.C. – o futebol na ditadura”, ao lado da subeditora do Portal IMPRENSA, Vanessa Gonçalves. 
 
A morte do jornalista deixou os amigos em choque. Na redes sociais, muitos lamentaram o falecimento precoce de Bellintani. Em nota, o Núcleo Memória comentou a passagem do diretor. “Milton se destacou pelo seu profissionalismo e dedicação à causa da Memória, Verdade e Justiça, tendo ocupado ultimamente várias funções de responsabilidade entre elas a de presidente  da Comissão da Verdade do Sindicato dos jornalistas de SP e da Associacao Amigos do Arquivo Público do Estado. No Núcleo teve participação importantíssima e muito de nosso projetos se devem a ele”.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora