O modelo de TV pública no Brasil

Por Lula Pinto 

Nassif,

é salutar essa preocupação com a TV Cultura e ao mesmo tempo é sugestiva da forma como temos, em geral, nos manifestado a respeito da questão da comunicação pública no Brasil. O problema não é bem a forma como a Fundação Padre Anchieta foi administrada nos últimos anos, ou o que parece ser evidente como o desmonte pelo qual passa a TV Cultura.

O grande problema é a falta de um modelo de TV Pública no Brasil, em que pese o (recente, recentíssimo) experiência da TV Brasil. É a falta de um modelo de gestão, administração dos recursos, financiamento e sustentabilidade que deixa à mercê do Poder Executivo da vez os caminhos dum instrumento de cidadania fundamental, como você indica.

O Brasil ainda está engatinhando na busca desse modelo de gestão/financiamento e sustentabilidade. A experiência do Pará, acima mencionada; assim como a TV Aperipê em Alagoas e o início da construção em andamento na TV Pernambuco são exemplos salutares, mas ainda em andamento, ainda sendo construidos.

É por isso que acho que essa sua chamada por um Movimento para Salvar a TV Cultura me parece inócua, ou ao menos deslocada. Esse Movimento já existe e vem sendo travado por diversos movimentos que lutam pela comunicação pública. É esse o verdadeiro front: o debate sobre o estatuto do que é e de como gerir de forma autônoma aquilo que nos últimos anos, graças a diversos movimentos sociais, se convencionou chamar COMUNICAÇÃO PÚBLICA.

Claro que concordo com você que a coisa é triste, que o desmonte é triste, e tal. mas ao mesmo tempo, temos que ver quando o buraco é mais embaixo, ou mais em cima.

Volto a frisar que a preocupação é salutar, mas nossa atuação tem que ser no olho da ferida. Os movimentos já existem e acredito que temos mais é que juntar esforços para debater a comunicação pública em todo o país.

Comentário

Ué, o movimento proposto é justamente para aproveitar o episódio e aprofundar a discussão sobre TV Pública. Se já existe uma discussão sobre o tema, nada mais útil do que abrir mais uma janela para a discussão se manifestar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome