Os ataques da Folha

A iniciativa de colocar na Folha um debate pelo Twitter entre Sérgio Guerra e José Eduardo Dutra visou exclusivamente dar visibilidade a uma tentativa  de Guerra de me desqualificar. Ataque gratuito da Folha, na mesma matéria que endossa as revelações que fiz aqui no Blog.

A decisão foi da editora de Política Vera Magalhães, depois de críticas que fiz ao fato de sua editoria esconder o nome do repórter e do livro que serviu de base para o factóide do dossiê. Vera foi obrigada a aceitar a reportagem que veio de Brasília, mas resolveu dar o troco com esse ataque.

Não apenas isso. No episódio da matéria  do meu contrato com a TV Brasil, deixou de lado apurações de repórteres mostrando que o processo de contratação era idêntico ao da TV Cuitura.

Teve participação em outro episódio que expôs inutilmente a Folha: as supostas declarações de Dilma contra os que se exilaram, no comício de São Bernardo do Campo. A candidata não disse aquilo e a reportagem enviada não mencionava nada. A modificação do texto – com a inclusão da declaração falsa – foi feita na redação.

Nesse tempo todo, tenho sido bastante crítico do jornalismo da Folha – como fui, aliás, no tempo em que era colunista do jornal. Sempre mereci um tratamento respeitoso de todos os colegas – inclusive de muitos criticados – porque sabem que as críticas se restringem ao campo jornalístico.

A editora Vera Magalhães, no entanto, decidiu ser mais realista que o rei.

Se a Folha tivesse o bom hábito de ouvir os repórteres sobre o papel de determinados editores, evitaria uma grande quantidade de episódios desabonadores. O desgaste dessas iniciativas quase nunca é do editor, que se esconde atrás do jornal. É do próprio jornal.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome