Os fakenews e o caso Eduardo Cunha, por Luis Nassif

 
Circulou hoje de manhã, na rede, um programa de TV web onde se afirma que eu teria sido ameaçado de morte, para ter escrito que Eduardo Cunha é um preso exemplar, que usa seu tempo rezando ou estudando seu processo. E que não teria influência no jogo político atual.
 
A informação e a análise me foram passadas por José Dirceu, que foi seu companheiro de prisão.
 
Há um risco grande para a contra-corrente, se começar a endossar fakenews. A única arma que os blogs mais sérios têm é a credibilidade da notícia e a profundidade das análises. É o diferencial em relação à mídia.
 
Se forem contaminados pelas pirações da Internet, perdem a sua maior arma de combate e se igualam aos blogs fakes que estão espalhados por aí.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

46 comentários

  1. Fakenews e fontes

    Então, o ZD entende que o Cunha está “de bubuia”? O Renan pensa bem diferente, né? De toda maneira, o Nassif revela a fonte. Aguardemos o aúdio e  o vídeo prometidos pelo Romulus/Calazans. Inquietação:Eugênio Aragão escreveu artigo recente no qual afirmava que “Notícia de jornal e de hebdomadários é que nem jabuti em árvore. Não chega sozinho lá. Alguém ali o coloca. Para entender noticiário é preciso conhecer a história por detrás dele …”. Nassif, teu post foi mera coincidência?

    • Verdade, a Geni dos tempos do golpe

      Nassif, assisti ao vídeo que declara de maneira desafiadora que você estaria sob ameaça do capo Cunha e que seus artigos seriam um pedido de socorro. 

      Pela lógica da alegação, até mesmo este post de desmentido seria uma possível comprovação, afinal, que interesse teria você em falar em favor de Cunha, de maneira indulgente?

      Contudo, acho a alegação de você ter publicado a informação anterior como um pedido de socorro algo pouco plausível, até porque não apresenta maiores detalhes para as motivações (você não vem falando contra o Cunha, que eu me recorde, e haveria gente a quem ele teria mais interesse em manter sob ameaça, mesmo entre os jornalistas). 

      Não percebi no artigo da discórdia publicado por você sobre o suposto comportamento de Cunha na cadeia – algo posto em dúvida de maneira veemente pelos comentaristas do tal vídeo – nada diferente das suas crônicas sobre os bastidores da política*, e se foi um pedido de socorro, desculpe, não foi perceptível para que recebesse qualquer ajuda – e acho que você teria outras pessoas e autoridades para fazê-lo de maneira mais efetiva, fosse o caso -, nem  mesmo para o comentarista Romulus que afirma que Cunha seria o atual chefe da LavaJato, possível origem das supostas ameaças contra você e parlamentares, cujos nomes não foram divulgados, da oposição, insinuadamente pelo referido comentarista, do próprio PT. 

      Você alega que são fakenews.

      Pessoalmente, acho que a melhor forma de combater fakenews é dissecando sua (in)verossimilhança. E você, como brilhante jornalista que é, pode dar uma resposta jornalística à altura, por exemplo, pedindo uma entrevista com transmissão ao vivo com o sr. Eduardo Cunha, direto da carceragem onde estaria preso, e com autoridades policiais e judiciais do caso. Entrevista também com José Dirceu, em vídeo, corroborando a análise que teria feito a você. 

      O problema com as informações no programa específico, o único que assisti e parcialmente, que fez as alegações sobre você estar sob ameaça de Eduardo Cunha, e de que este seria o novo chefe da operação LavaJato e portanto, não estaria preso mas circulando de maneira anônima, é que são apenas alegadas, e sustentadas com deduções abstratas, a partir de informações de fontes, sem verificação jornalística, factual e objetiva, compatível com a gravidade dos assuntos e com a própria prática jornalística. 

      Enquanto não se faz jornalismo de qualidade sobre o assunto e ficamos no terreno escorregadio das especulações e hipóteses, mirabolantes ou potenciais dado o estado de exceção e o fato de o país ser um pouco insólito a la “Alice no país das falcatruas”, onde tudo pode acontecer, mesmo com as melhores intenções  as fakenews, onde quer que estejam nesse cenário em que a informação é a nova arma de guerra simbólica e as boas intenções um cavalo de Tróia,  são fermentadas e os interesses subterrâneos acabam por auferir as vantagens pretendidas. E nós, pobres espectadores ficamos ainda mais à deriva. Quem ganha com isso? 

      * e com informações que foram dadas antes, com mais detalhes, por outros veículos com a Falha de São Paulo (http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/07/1897877-tido-como-preso-mais-frio-cunha-vira-distribuidor-de-marmitas.shtml); como o jornal é suspeito por ser golpista, possível alegação da contraparte, necessário então que as graves acusações feitas pelos comentaristas do vídeo sejam investigadas por todos os envolvidos. 

       

      SP, 20/12/2017 – 15:25

    • Verdade, a Geni dos tempos do golpe

      Nassif, assisti ao vídeo que declara de maneira desafiadora que você estaria sob ameaça do capo Cunha e que seus artigos seriam um pedido de socorro. 

      Pela lógica da alegação, até mesmo este post de desmentido seria uma possível comprovação, afinal, que interesse teria você em falar em favor de Cunha, de maneira indulgente?

      Contudo, acho a alegação de você ter publicado a informação anterior como um pedido de socorro algo pouco plausível, até porque não apresenta maiores detalhes para as motivações (você não vem falando contra o Cunha, que eu me recorde, e haveria gente a quem ele teria mais interesse em manter sob ameaça, mesmo entre os jornalistas). 

      Não percebi no artigo da discórdia publicado por você sobre o suposto comportamento de Cunha na cadeia – algo posto em dúvida de maneira veemente pelos comentaristas do tal vídeo – nada diferente das suas crônicas sobre os bastidores da política*, e se foi um pedido de socorro, desculpe, não foi perceptível para que recebesse qualquer ajuda – e acho que você teria outras pessoas e autoridades para fazê-lo de maneira mais efetiva, fosse o caso -, nem  mesmo para o comentarista Romulus que afirma que Cunha seria o atual chefe da LavaJato, possível origem das supostas ameaças contra você e parlamentares, cujos nomes não foram divulgados, da oposição, insinuadamente pelo referido comentarista, do próprio PT. 

      Você alega que são fakenews.

      Pessoalmente, acho que a melhor forma de combater fakenews é dissecando sua (in)verossimilhança. E você, como brilhante jornalista que é, pode dar uma resposta jornalística à altura, por exemplo, pedindo uma entrevista com transmissão ao vivo com o sr. Eduardo Cunha, direto da carceragem onde estaria preso, e com autoridades policiais e judiciais do caso. Entrevista também com José Dirceu, em vídeo, corroborando a análise que teria feito a você. 

      O problema com as informações no programa específico, o único que assisti e parcialmente, que fez as alegações sobre você estar sob ameaça de Eduardo Cunha, e de que este seria o novo chefe da operação LavaJato e portanto, não estaria preso mas circulando de maneira anônima, é que são apenas alegadas, e sustentadas com deduções abstratas, a partir de informações de fontes, sem verificação jornalística, factual e objetiva, compatível com a gravidade dos assuntos e com a própria prática jornalística. 

      Enquanto não se faz jornalismo de qualidade sobre o assunto e ficamos no terreno escorregadio das especulações e hipóteses, mirabolantes ou potenciais dado o estado de exceção e o fato de o país ser um pouco insólito a la “Alice no país das falcatruas”, onde tudo pode acontecer, mesmo com as melhores intenções  as fakenews, onde quer que estejam nesse cenário em que a informação é a nova arma de guerra simbólica e as boas intenções um cavalo de Tróia,  são fermentadas e os interesses subterrâneos acabam por auferir as vantagens pretendidas. E nós, pobres espectadores ficamos ainda mais à deriva. Quem ganha com isso? 

      * e com informações que foram dadas antes, com mais detalhes, por outros veículos com a Falha de São Paulo (http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/07/1897877-tido-como-preso-mais-frio-cunha-vira-distribuidor-de-marmitas.shtml); como o jornal é suspeito por ser golpista, possível alegação da contraparte, necessário então que as graves acusações feitas pelos comentaristas do vídeo sejam investigadas por todos os envolvidos. 

       

      SP, 20/12/2017 – 16:31 (envio origina às 15:22). 

       

      • Vanity affairs

        O que me pareceu interessante no episódio é que, da mesma forma que nas operações espalhafatosas da PF e MFP, da CarWashington a seus derivados, não mais se faz o trabalho alentado de investigação e se confia (em), publica e divulga de maneira açodada, unilateral e exagerada, as delações das fontes públicas que deveriam ser investigadas e postas à prova, grande parte do jornalismo atual não faz mais o seu trabalho de apuração das informações das suas fontes anônimas ou divulgadas, como se tais se bastassem. Guardadas as proporções e o fato de que o grau de exigência de apuração é variável a depender do tipo de informação e do papel que nela desempenha a visão pessoal ou a centralidade do objeto factual, em comum nos dois comportamentos a relação óbvia com o tempo na máxima do “publish or perish” (publicar ou perecer), a ênfase no espalhafato, a busca por holofote e fama, o ruído que na maioria dos casos atrapalha a percepção, pelo cidadão comum, do que é ou não confiável. 

        O mérito da verdade revelada por uma pessoa fofoqueira não cabe a ela ou a seu comportamento indiscreto e deliberadamente intrigante. Assim como no jornalismo, muitas vezes deter ou revelar informações de grande importância, os chamados “furos” que rendem prêmios e bajulação, não transforma seu/sua autor/a em um/a grande jornalista – mesmo que seja premiado – o que se deve medir pelos seus métodos e pela maneira de lidar com a informação, com o público e com a própria vaidade. Quando se busca através da notícia, ou da denúncia em jornalismo ou em atividades formais de investigação, projeção pessoal ou profissional como objetivo primeiro ou essencial, qualquer fruto positivo dessa atividade estará maculado pela desconfiança e pela irrelevância com o passar do tempo. Continuo achando que os fins não justificam os meios, e que a verdade é filha do tempo e não da autoridade, menos ainda da vaidade. 

         

        SP, 20/12/2017 – 17:26

         

  2. Posso até discordar da opinão do Luís Nassif, mas não do seu pro

    Posso até discordar da opinião do Luís Nassif, mas não do seu profissionalismo. O maior ativo do Jornal GGN é justamente a credibilidade.

    Parabéns Nassif!

  3. Acompanhei hoje essa celeuma

    Acompanhei hoje essa celeuma meio desorientado. Se a fonte é o Dirceu então é para confiar. Acho que o Romulus talvez exagere quando diz que o Cunha não está preso. Talvez ele consiga mordomia aqui e ali. 

    Mas para mim o importante que o que voce diz e o que continua afirmand Romulus não são excludentes. Com certeza Cunha tem influência de dentro da cadeia na base de chantagem e ameaça. E que Moro fez acordo com Temer que por sua vez fez com Cunha isso está na cara.

    A quadrilha de Curitiba está enrolada com a de Brasília. É como disse o Jucá “suruba com o STF e tudo”. 

    PS: Romulus que não é jornalista está sobre pressão. A quadriha Cunha/Temer/lavaajato é para assustar qualquer um

    • Privilégio ou acordo? 
      Foi

      Privilégio ou acordo? 

      Foi Cunha conseguir que a esposa não fosse liberada. Tratamento que nem a morta, Dona Marisa, conseguiu de Moro.

      Nesse xadrez temos muito que pensar e descobrir.

  4. CAÍRAM NUMA ARMADILHA

    Por açodamento, e porque seria realmente uma grande matéria, os blogueiros que criticam Nassif, parecem ter caído numa pegadinha lamentável. Coisas que só a experiência jornalística pode prevenir, ainda que não evite 100%. Acharam que ganhariam um Pulitzer, e disseram isso no ar! Menos vaidade e mais profissionalismo, além de caldo de galinha, não fazem mal a ninguém. Parabéns Nassif, pela credibilidade que nos conquistou ao longo de tanto anos.

      • A matéria ficou mesmo parecendo laudatória.

        Ler a bíblia, cuidar da higiene do local em que vive ou aí desempenhar tarefas NÃO conduz necessariamente à conclusão de que Cunha está impotente.

        Cunha rezava no Congresso, todos se lembram. É mais lógico creditar suas leituras atuais ao hábito da falsidade do que uma real “conversão à Bíblia”, que o texto parece sugerir.

        E ainda há algumas pontas soltas não explicadas:

        1 – por qual motivo Claudia Cruz foi preservada?

        2  – por qual motivo Marum abriu mão de uma “bomba atômica” como a acusação de que integrantes da Lava Jato são CORRUPTOS? Sob o ponto de vista político pouco importa se essa acusação está fundada ou não em provas, pois a “notícia” ou a notícia poderiam ser trabalhadas politicamente para a defesa do grupo que está aí. Aliás, seria melhor mesmo que fosse “notícia”, pois permitiria travar a batalha para salvar o grupo que promoveu o impeachment, sem o colocar em risco….

        Não seria muito mais natural acreditar que uma raposa como Cunha, vendo as peças se movimentando no tabuleiro, providenciasse um dossiê sobre Moro? Alguém acredita que Moro não tem esqueletos no armário, no caso BANESTADO? Esse dossiê não explicaria de forma mais razoável o caso Cláudia Cruz e a omissão de Marum?

        Sim, não existem provas do que foi afirmado no tal programa, mas a direção apontada, considerando-se mesmo o conteúdo das reportagens sobre a indústria das delações, É MAIS CONDIZENTE COM A LÓGICA bruta dos fatos em campo.

        E o postado sobre o “velhinho inofensivo” fica solta, sem sentido, no ar, principalmente porque não comprada, de há muito, por uma raposa como Renan…

      • Cunha é mais esperto que eu,

        Cunha é mais esperto que eu, voce, o Romulus e todo mundo do blog, Nassif. Aquele que de fato tem poder não precisa botar marra. Ter um comportamento humilde na prisão pode ser o jeito dele de acobertar suas articulações por baixos dos panos.

        Concordo que essa história de que ele não está preso tem jeito de ser teoria da conspiração. Mas nem tanto ao céu nem tanto ao mar. Alguém como ele que tem tantos parlamentares na folha de pagamento. Sabe tanto sobre a quadrilha do MT e com certeza sobre as jogadas de Moro & CIA, não poder ser tão impotente assim.

      • A IMPOTÊNCIA DE CUNHA E A INEFICÁCIA DE UM DECISÃO DO STF

        Caro Nassif, sua conduta jornalistica não está sob questão. Seus leitores o respeitamos. Mas a questão trazida é muito relevante. Onde está Cunha? Se é tão impotente, por que a Decisão da 2 turma do STF de mantê-lo em Curitiba não se cumpre faz três semanas? 

  5. Meu caro Nassif

    Ultimamente eu tenho observado, meio surpreso, a aparição de comentários  que espoucam aqui e ali dentro do blog, atacando seus escritos sem nenhuma critica. Existem sim  comentários criticos, mas estes não me incomodam, afinal isto faz parte do debate e não se pode agradar todos.

    Mas ultimamente tem aparecido vários comentários  que começam por uma vírgula em seu texto, e daí criam uma tempestade. Agora eu começa a achar que isto não é tão gratuito, pois criar fake news, é um outro passo, que me deixa com a orelha em pé. Afinal, ao fazer considerações prosaicas ( no bom sentido) da vida cotidiana na masmorra de Curitiba, significa exatamente o que está escrito, isto é, as pessoas encontram formas diversas para viver nas mais diferentes circunstâncias. Isto não me parece um julgamento político, nem mesmo abrange a totalidade da personalidade ou quiçá da persona de Cunha. Portanto eu não compreendo, e meu lado Ubaldo o paranóico, começa  a desconfiar disto tudo.

    Mas paranoico ou não acho que transformar seu texto em ameaça de morte etc. etc.. etc… é para mim incompreensível.

  6. OPINIÃO DE QUEM ?

    O Nassif não deu opinião nenhuma. Só repassou as informações de fonte que estava lá, junto do Cunha.

    E essa estória de que Cunha está comandando o planalto da prisão, ou salvando a reputação de Moro, determinando o que fica ou não na CPMI, precisa de mais lastro. O poder do Cunha não deve ser menosprezado, mas e se for distração?

    Num tenho porque não acreditar no ZD, aliás assim que psicopata se comporta no presídio: comportamento exemplar, leitor da bíblia, generoso. Só esperando a hora certa de agir.

  7. Creio que poderia citar
    Creio que poderia citar diretamente os envolvidos, pois creio que Romulus é um aliado. Seria de bom tom entrar em contato direto, atentando para os reais inimigos. Achei realmente estranho seu elogio a Cunha, mas não tenho motivos para desacreditando lo. Alguém lhe pediu para escrever sobre Eduardo Cunha, desmistificando sua influência sobre a CPI?

  8. E a influência do processo e condenação contra você, Nassif?

    Que o gângster Eduardo Cunha comete crimes, negociatas e corrupções, sabemos desde a época em que ele foi aprendiz de PC Farias. Através deste GGN e de outros blogs progressistas ficamos sabendo que você, Jornalista Luís Nassif, foi acusado por “ofender a honra” de  EC, que o processou judicialmente. Na 1ª instância a ação foi rejeitada. Mas Cunha recorreu ao TJ-RJ que condenou você, Luís Nassif, a pagar-lhe indenização por danos morais. Você mesmo noticiou o fato aqui. E a base das acusações foram matérias jornalísticas que você produziu ou apenas reuniu, mostrando a extensa folha corrida de crimes cometidos por Eduardo Cunha.

    Fausto Pinato, deputado federal, disse em rede nacional que Eduardo Cunha não apenas o chantageava, mas chegou a ameaçar a família dele. Lúcio Funaro, doleiro e operador das negociatas e corrupções concebidas por Eduardo Cunha, fez o mesmo tipo de relato e acusação.

    Ante o exposto, é mais do que verossímil que um Jornalista como você, Luís Nassif, esteja sendo coagido, chantageado e recebendo ameaças, assim como seus familiares. Portanto não é desarrazoado supormos que você sofre chantagens e ameaças. É evidente, também, que você não vai admitir isso pùblicamente, antes de ter tomado as medidas judiciais cabíveis. Ainda assim é compreeensível que você negue ou omita as ameaças, pois nosso sistema judiciário está ao lado, acumpliciado e conivente com tipos criminosos de alta periculosidade, como é o caso de Eduardo Cunha.

    Que Eduardo Cunha é inteligente, estudioso e conhecedor dos regimentos (da Câmara, dos processo legislativo) já sabíamos. Como ex-deputado, propoenente de várias mudanças na legislação, é esperado que, privado de liberdade, Eduardo Cunnha se dedique à leitura intensa e estudo da legislção penal e civil. Nem vou comentar as leituras bíblicas desse charlatão canalha.

    Mesmo nós, que não estamos presos, sabemos que o apenado que tem bom comportamento, trabalha, lê, faz resumo dos livros, que lê e estuda, tem abatimento na pena. É natural que José Dirceu e Eduardo Cunha façam isso. O que não é natural é um Jornalista processado e condenado por ação movida por um gângster como Eduardo Cunha publicar notas laudatórias sobre o algoz.

    Nem adianta você tentar explicar, pois não vai conseguir. Justificar as notas laudatótias, então!? Como tenho dito, à vezes você se mete em imbroglios totamente desnecessários, como aquele envolvendo Renata Luchsinger. 

    Você acha, Nassif, que Carlos Marun foi nomeado relator da CPMI por quem? E como você explica a retirada das denúncias feitas por Tacla Durán a Carlos Zucollotto Jr, advogado, “amigo pessoal” (sic) de Sérgio Moro e padrinho de casamento desse juiz, da versão final do relatório? Carlos Zucollotto foi sócio de Rosêngela Wolff Moro, esposa do juisn Sérgio Moro, em escritório de advocacia que, sim, atuava na área criminal (o que desmente Zucollotto e Ségio Moro); e o desmentido é comprovado por documento da RFB, omitido pelos procuradores lavajateiros.

    Portanto, Nassif, é melhor você cuidar da sua defesa contra a condenação de que foi vítima, originada pela ação por danos morais que lhe move duardo Cunha, do que jogar confetes sobre o algoz.

    • Piração, né? Se você é

      Piração, né? Se você é processado, significa que está de rabo preso com quem o processou. Se você não tem nenhum processo, de duas uma: ou nunca enfrentou o bandido; ou nunca teve relevância para ser processado. Então você é insuspeito e não tem o rabo preso. Me surpreende que pessoas embarquem nesse argumento.

      • Não sou eu o objeto da discussão

        Não sou jornalista influente, mas apenas um engenheiro. Minha profissão não é a de investigar e apurar ações e omissões suspeitas de pessoas públicas, como o ex-deputado Eduardo Cunha. Mas não sou o único a chamá-lo de gângster; em abril o ano pasado vários colegas dele, na Câmara, o chamaram assim. 

        Mas não sou eu, ou a relevância que eu (não) tenha,o objeto da discussão. O que está em discussão é a possibilidade de um Jornalista consagarado e combativo, no caso você, Luís Nassif, estar sob ameaças e chantagens deste (pseudo?) presidiário, cujas esposas e filhas, mesmo sendo usufrutuárias do dinheiro público por ele desviado, terem sido absolvidas e liberados os passaportes, para que possam gastar em lojas de luxo, do Brasil e do exterior, a fortuna amealhada por Eduardo Cunha em décadas de práticas criminosas.

        As hipóteses levantadas pelo Romulus e pelo Wellington Calasans são verossímeis e não foram desmentidas até agora. Como eu expressei no comentário, é natural que apenados como Eduardo Cunha e José Dirceu tenham bom comportamento no cárcere; isso sequer é notícia que mereça destaque. Nosso espanto é você, um Jornalista perseguido, achacado, processado e condenado em decorrência de um processo por danos morais e crimes contra a honra, movido por Eduardo Cunha, publicar um post, em forma de nota laudatória, a esse seu algoz.

        Não estou pirando ou misturando assuntos sem relação. É que você, com alguma freqüência, se mete em imbróglios desnecessários, que apenas lhe trazem dores  de cabeça, desgastes e desconfiança por parte dos leitores. 

        Como não perceber nas perguntas encaminhadas por Eduardo Cunha a Michel Temer, metades delas censuradas por Ségio Moro, que agiu como advogado de defesa de Temer, chantagens e ameaças? O caso das ameaças e chamtegens a Fausto Pinato é de conhecimento público. Se Ec faz essas coações, chantagens e ameças com colegas e comparsas dle, por que não faria com um Jornalista desafeto, processado por ele, como é o teu caso?

        A melhor resposta que você pode dar à dúvidas dos leitores é fazer uma reportagem, registrando em fotos e/ou aúdio e vídeo onde se encontra preso Eduardo Cunha; e em que condições ele se encontra. O desafio está lançado.

  9. Observações

    O jogo não é para amadores.

    O idealismo é necessário como motor (coração que bomba sangue), porém, pode turvar a razão. Os fatos devem falar mais alto.

    Uma hipótese, até ser provada, por mais bombástica (em todos os sentidos) que ela possa ser, não passa disso – uma ideia a ser comprovada pela evidências.

    Por outro lado, nehuma hipótese, por mais absurda que possa parecer, deve ser descartada a prioiri.

    Sugiro, da parte dos jovens blogueiros idealistas, muita calma nessa hora.

    Os peixes graúdos do golpe, acreditavam estar salvando o Brasil (escrevendo certo por linhas tortas) e estão morrendo pela boca. A blogosfera não pode cair nesse mesmo erro.

     

  10. A Cláudia Cruz que

    A Cláudia Cruz que movimentava a conta da propina foi absolvida pelo juizeco “implacável”, que mandou prender a cunhada do Vaccari só por causa de um vídeo embaçado. Se alguém tiver alguma explicação para essa absolvição que não seja uma negociata entre o juizeco e o Cunha, gostaria de saber.

     

    • Rapaz, é um hospício

      Rapaz, é um hospício completo. E eu não tinha a menor ideia de que tinham descoberto que Eduardo Cunha mora com Hitler e Michael Jackson em uma mansão no Lago Norte. O mero fato de mencionar o dia a dia da prisão é visto como sinal de rendiça. E a campanha nem começou   

       

  11. Os fakenews e o caso Eduardo Cunha

    Bem, Nassif, não consigo crer que E. Cunha seja desimportante hoje em dia. Dominou o Congresso por muito tempo. Tem, certamente, dossiês, aliás desde quando operava na Bolsa de Valores. Não pode ser irrelevante, se seu braço direito, o senador Marun, omitiu as contribuições da sub-relatoria das delações (informes de dr. Tacla Duran sobre a venda de delações na LJ, entregue ao deputado W. Damous. 

    Existe um sonho de se associarem os blogues progressistas. É nisso que confio como cidadã que levou uma bofetada quando da autorização da Câmara ao Senado para que iniciasse o processo de impeachment sem crime da Presidenta. Estou lutando há quase 2 anos para entender o que se passou, a fim de alterarmos o futuro desta história de impeachment, com perda de todos os direitos dos cidadãos brasileiros.

  12. Corajoso de sua parte abrir a fonte, Nassif

    Mas ainda tenho reservas quanto à falta de periculosidade de Cunha e sua influência irrelevante sobre Planalto, Congresso e Senado. Aguardo fatos que confirmem.

    Duvido, e nem espero, que a dupla Rommulus/Calazans abra a sua fonte. Estão sob ataque e é natural que se protejam. O esquema por trás da Lava Jato é muito mais letal que o esquema Daniel Dantas.

    Penso que a resistência democrática precisa de ambos, Nassif e Rommulus. Há um ponto em que todos parecem concordar, pq fundamentado em fatos: Lava Jato é mal intencionada, antinacional e aje fora da lei.

  13. Fakenews

    Eu fiquei com a impressão de que na tentativa de ligar um ponto a outro, alguns estão sustentando teses meio paranoicas. O Cunha pode até ter sua importância, mas não creio que seja tudo isso que falam. Sergio Moro pode ser canalha e muito mais, porém é muito arrogante para se imiscuir com um preso… Mesmo sendo Eduardo Cunha. Ele não quer a delação de Cunha porque vai recair, sobremaneira, no seu presidente Michel Temer. Se não tiver algo importante contra Lula, não interessa.

    Também acho que Dirceu não inventaria nada. Nunca pareceu ser homem de intrigas ou fofocas. Se Cunha esta representando um papel para os outros colegas de carcere, ele deve estar fazendo muito bem. Nessa de teorias, daria para dizer que Cunha seria um informante de algum procurador? 

    Enfim, acho que o pessoal precisa descansar um pouco e arejar a cabeça.

  14. Lava, passa, reza, limpa e até cozinha

         O comportamento do detento Cunha, assim como foi do Dirceu, do Marcelo e de outros, é o ” de lei ” ( não escrita ) quando se está nesta situação, é até instrução dada pelos advogados a de ser “exemplar”, alem do que qualquer um que ja teve a infelicidade de cair em uma cana, até que em termos “light” e curta ( hc é caro viu ), sabe que quem limpa seu barraco, recorta sua comida é vc. mesmo, assim como dividir seu bonde e auxiliar seus companheiros de ala, até ser bastante solicito com os inspetores, são regras basicas de convivência, sempre contribuindo para futuras reduções de pena.

          Quanto a perda de poder , o que importa era o “esquema”, tipo mafia/terrorismo pouco importa se um “cabeça” caiu, alguem vai assumir o esquema, um individuo ou mesmo uma “comissão” se encarrega de substituir o “caido”, o qual gradativa e inexoravelmente vai saindo de cena, até mesmo pode se supor que a possivel delação dele, sendo cada vez mais postergada, ou até mesmo negada a ser aceita, seja parte da jogada visando a manutenção e aperfeiçoamento do “esquema”. È o “vela”, a cada dia apaga mais e fica com toda a bronca.

    • não se trata de falsidade do

      não se trata de falsidade do bandido em tela, mas da cobertura que um sistema podre de justiça, refém do mesmo bandido, vem ljhe dando na obscuridade. onde afinal está o canalha?

  15. prisão de Eduardo Cunha

     

    Meu nome é Rubens Rodrigues Francisco, sou advogado e conversei com o sr em duas oportunidades.

    A primeira em 2016 por telefone, por ocasião da manobra realizada por mim para aprovação da lei Cancellier, quando este projeto legislativo ainda não tinha este honroso nome, pois o Magnifico reitor nem imaginava que seria vítima de abuso de poder, de modo fatal, e tal projeto de lei tinha apenas o número, PLS 280/2016.

    Naquela oportunidade, então sob relatoria do Senador Renan Calheiros, a materia sofria de intensos ataques por parte do Ministério Publico e do Judiciário, inclusive do Ministro  Marco Aurélio do STF, que no dia 06 de dezembro, quando estava certa a sua aprovação em Plenário do Senado, exarou liminar, cassando a condição de Presidente da Câmara alta, de Renan Calheiros, na ADPF 402.

    Imediatamente coloquei-me na defesa do exercício Parlamentar do Senador, pois desejava a aprovação desta importante ferramenta no combate a Lawfare, ingressando como Amicus Curiae no referido processo movido pelo Partido REDE, protocolando inclusive no Conselho Federal da OAB pedido para que o Presidente de nossa entidade não ingressasse com pedido de Impeachment contra Renan, pois estaria fazendo papel de inocente util. 

    Na ocasião o senhor publicou a matéria, sob o título ” O Xadrez do Golpe” ou coisa assim, não lembro exatamente, com base do que lhe relatei via telefone

    Na segunda ocasião, foi pessoalmente na PUC no lançamento do Livro ” A sentença anunciada” do Lula, , em São Paulo., conversamos brevemente. Ouvimos diversos juristas falando abertamente dos absurdos da lava jato.

    Logo, me surpreendi com a notícia que o senhor estava considerando um “fake news” as conjecturas formuladas sobre Eduardo Cunha ter influência na Câmara a ponto de ser um dos responsáveis por excluir o nome de Tacla Duran do Relatório final da CPI, favorecendo deste modo, os abusos e poder cometidos pelo Exmo. Juiz Sergio Moro e seus correligionários.

    Talvez pela falta  de publicidade em torno de processos de Cunha, lhe falta a informação sobre o parecer de Janout ao STF, no qual ele aduz e expõe provas, que Cunha mesmo preso,  influencia os rumos Políticos do País.

    Como o senhor é Jornalista sério, e renomado, na qualidade de Advogado posso lhe apresentar as peças dos Processos em comento, de onde o Senhor poderá concluir sem sombra de dúvidas, que a tese da periculosidade e influência de Cunha sobre o Congresso Nacional, mesmo preso, seja lá onde esteja “preso” em Brasilia, não só é plausível, como aduzido pelo Ministério Publico e ratificada pelo STF, como fato, ante a decisão colegiada do dia 28/11/2017

    Estou a Vossa Disposição para quaisquer esclarecimentos. Mas repito, se a menção de “fake news” for sobre este fato, por favor corrija esta grave injustiça, e se retrate em seu Blog, pois a influencia de Cunha , mesmo “preso”, é fato, e não “Fake”.

    Brasília, 20 de Dezembro de 2017

    At.

    Rubens Rodrigues Francisco

    OABRJ 189859

    • Fakenews é a notícia de que

      Fakenews é a notícia de que eu teria sido ameacado de morte, para expor a opinião da fonte sobre o papel de Cunha. Nunca neguei a influência de Cunha, que era de conhecimento público. Me limitei a reportar uma opinião mais abalizada, de quem convivia diariamente com ele no presídio. 

      • mas…

        pôxa Nassif, aquele texto, curto, estava mesmo estranho.

        talvez não fosse o extremo de ser ameaçado de morte, mas apenas ameaçado.

        o texto destoou e o pessoal percebeu. Bom, vamos ficar sem saber.

    • Detento Eduardo Cunha

      Dr Rubens Rodrigues Francisco, recorrer a Lei de Acesso à Informação, nº 12527, de 18 de novembro de 2011, não vincularia o sistema penitenciário a uma resposta definitiva?

  16. Ambos abriram as fontes
    E ambas as fontes têm informações relevantes sobre Cunha, provavelmente, observadas em tempos e pontos de vista diferentes.

    Ainda assim, pelo menos para mim, hoje, não dá pra saber direito qual é a do malvadão. Continua influente? Continua mandando? O cabo de alta tensão está desencapado ou não?

  17. Nunca vi Nassif responder com

    Nunca vi Nassif responder com tanta frequência a comentaristas de seu blog. Isso é só um fato observado, mas que pode ter algum significado.

    Mas pelo que vi e ouvi hoje, dia 21, Dirceu negou que tivesse cumprido prisão junto com Eduardo Cunha.

    Revendo o vídeo que tanto incomodou o Nassif aponto, como já tinha achado ontem, que Romulus não afirmou que o blogueiro estivesse ameaçado, apenas sugeriu essa explicação para o inusitado post publicado.

     

  18. Os fakenews e o caso Eduardo Cunha

    comentei com uma amiga minha sobre a repercussão provocada por este post do Nassif sobre o comportamento de Cunha no presídio em Curitiba.

    fiquei de passar para elas todos os links. mas ela retrucou não ser preciso. revirou os olhos, entrando num transe, para em seguida, muito inesperadamente, incorporar o fantástico Pai Uzêda.. iniciei o procedimento de exorcismo. mas Pai Uzêda não queria de jeito nenhum abandonar aquele corpo que não lhe pertencia. como um ransomware, exigiu resgate em Bitcoins.

    esta minha amiga é mesmo muito talentosa. possui também grande conhecimento hacker. de alguma forma já havia antecipado aquela situação. tudo não passava de uma armadilha. quem acabou infectado com um trojan foi o próprio Pai Uzêda. agora gira o mundo por aí, sempre atrás das notas de R$50.

    esta minha amiga é meio vidente. falou que Pai Uzêda não tá com nada. disse também que Temer é um morto-vivo. e que Meirelles acha que é o Presidente, mas na verdade não manda nada.

    para minha estupefação, garantiu que Cunha organizava cultos no presídio, quase sempre com a presença de alguns dos procuradores da Lava Jato.

    também confirmou ser verdade que Cunha se encarregava de manter a higiene das celas, a qualidade da alimentação e um saudável ambiente fraternal.

    jurou que Cunha continua preso, tanto aos seus laços de famiglia quanto aos seus compromissos com os negócios.

    sobre a pergunta de US$ 5 milhões, “Onde está Eduardo Cunha?”, ela sorriu enigmaticamente e apenas sugeriu o vídeo abaixo.

    sei lá… entender vidente às vezes é muito complicado.

    vídeo: “INFERNO”, Yael Bartana

    [video: https://www.youtube.com/watch?v=nI0laxLcDkU%5D

    .

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome