Os jornalistas correspondentes do Viva Favela

Por foo

“A velha mídia não quer mudar o sistema” – jornalista comunitária 

Da Rede Brasil Atual

Correspondentes comunitários criticam mídia por ignorar reivindicações dos pobres

São Paulo – Em vez de dar destaque às reivindicações da população, os veículos da velha mídia optam por cobrir o dia a dia de favelas em páginas policiais, na visão de correspondentes comunitários do Viva Favela, ONG do Rio de Janeiro. Para driblar preconceitos e estereótipos, uma das vias defendidas é a produção própria de conteúdo.

Para Angelina Miranda, jornalista de Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, estar na velha mídia não precisa ser o único objetivo. “Não estou certa de que as corporações por trás desse sistema querem mudá-lo. O melhor é que continuemos nós mesmos a produzir e republicar nosso conteúdo sem intermediários”, desafiou.

O debate abriu o 1º Encontro Nacional de Correspondentes Comunitários do Viva Favela nesta segunda-feira (18). O evento estende-se até esta sexta-feira (22) no Rio de Janeiro e tem o objetivo de avaliar os dez anos do portal criado pela entidade para incentivar o jornalismo comunitário. O evento inclui ainda oficinas, debates sobre políticas de comunicação e de cultura, além de shows.

Segundo a jornalista Rosilene Miliotti, da comunidade Maré, na zona norte da cidade do Rio, as equipes de reportagens de jornais policiais e de programas populares de rádio e TV não acompanham “quando é uma coisa legal”, mas apenas “quando tem tiroteio”. Mesmo demandas de segurança têm pouco espaço, na visão dela.

Leia também:  Sociedade deve se unir em defesa da democracia, diz Associação Brasileira de Imprensa

“A imprensa invade a comunidade com a polícia, mas não faz reportagens sobre a nossa cultura ou nossos artistas”, lamentou o jornalista Ivan Luiz. Embora ele se referisse à periferia de Salvador, a descrição é semelhante. “Temos uma classe média que cresce com a oferta de serviços e que ninguém descobriu.”

http://www.redebrasilatual.com.br/temas/cidadania/2011/07/correspondente…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome