OS SENHORES DA MÍDIA

 Essa reportagem mostra bem o quanto pode ser viciada a informação que nos é fornecida pelos veículos da dita “grande” mídia, ou mídia corporativa nos EUA. Decorre do simples fato de que apenas dez grupos de comunicação são donos da imensa maioria dos veículos de TV (aberta e cabo), rádio, imprensa escrita e multimídia (internet), entretenimento – cinema, música, livros, sem contar participações em diversos negócios, da educação à exploração de petróleo e gás natural. O poder de influência desse conglomerado norteamericano sem dúvida ultrapassa o de muitas nações.

Dessa forma, como acreditar que não exista conflito de interesses no jornalismo produzido por este colosso? E não tenha dúvida de que a informação produzida por esses grupos é a mesma que aqui consumimos, pois a mídia corporativa nacional (carinhosamente conhecida como “PIG”) nada mais faz senão reproduzir acriticamente seu conteúdo. 

Tentarei colocar a segunda parte na próxima semana. O texto original – em espanhol, publicado na RedVoltaire, encontra-se aqui.

*adaptei da tradução google

**legenda da foto: Keith Rupert Murdoch, bilionário australiano e magnata da mídia, controla um enorme conglomerado: centenas de jornais, rádios e televisões são de sua propriedade exclusiva. Em outras palavras, um fabricante de informação que anda de mãos dadas com os seus interesses e seus aliados no poder.

Os gigantes da mídia corporativa encontram-se mesclados às grandes multinacionais

Parte I 

Dez megacorporações detém ou controlam os grandes meios de informação dos EUA: imprensa, rádio e televisão. Essa dezena de impérios controla, ainda, o vasto negócio do entretenimento e da cultura de massa, que inclui o mundo editorial, música, filmes, produção e distribuição de conteúdos para televisão, cinemas, Internet e parques tipo Disneyworld, não só naquele país, como na América Latina e no resto do mundo.

Centenas de milhares de norte-americanos, latino-americanos e cidadãos de todo o planeta consomem diariamente – direta ou indiretamente – as informações e os produtos culturais das holdings AOL/Warner Times, Gannett Company, Inc., General Electric, a Companhia McClatchy/Knight-Ridder, News Corporation, The New York Times, The Washington Post, Viacom, Vivendi Universal e Walt Disney Company, os proprietários dos meios de comunicação mais influentes.

Os dez grupos controlam os jornais de maior circulação nacional, como o The New York Times, USA ToDay e Washington Post, centenas de estações de rádio e as quatro redes de televisão com maior audiência em seus noticiários: ABC (American Broadcasting Company, Walt Disney Company), CBS (Columbia Broadcasting System , Viacom), NBC (National Broadcasting Company , General Electric) e Fox Broadcasting Company (da News Corporation).

Quem controla estes meios adquire uma fatia significativa do poder que não emana da soberania popular, mas do dinheiro, e responde a uma intricada teia de relações entre esses meios de comunicação e as maiores corporações multinacionais norteamericanas, como a polêmica petrolífera Halliburton Company, do vice-presidente Dick Cheney, o grupo Carlyle, que controla os negócios da família Bush, a fornecedora do Pentágono Lockheed Martin Corporation, Ford Motor Company, Morgan Guaranty Trust Company de Nova York, Echelon Corporation e Boeing Company, para citar alguns.

O discurso dominante oferecido pelos dez grandes impérios midiáticos oferece propaganda política, forma opinião pública e persuade em favor da ideologia conservadora; justifica atitudes imperialistas como as invasões do Iraque e Afeganistão e, em geral, molda as mentes, faz lavagem cerebral. Em vez de informar o público para que possa ter uma visão crítica e vigilante, o controle da mídia o torna um consumidor passivo de entretenimento e um espectador da política… pela televisão.

O interesse no controle das notícias por parte da mídia mais influente [grifo meu: chamei de mídia corporativa, em diante] começa desde a seleção do que é “notícia”, ou seja, as informações que serão liberadas aos cidadãos, incluindo como eles deverão conhecê-la, isto é, a apresentação, o tratamento e a abordagem (enfoque) dos fatos através dos “âncoras” ou apresentadores, das imagens de televisão ou dos textos dos grandes jornais.

Paradoxalmente, estes dez grandes impérios da mídia corporativa mostram os Estados Unidos como uma democracia exemplar, regida pelo chamado “sonho americano de livre mercado” (“sueño americano de la libre competencia”), onde todos teriam “as mesmas possibilidades de triunfar”. Provavelmente, existam alguns ingênuos que acreditem nessa publicidade. A verdade é que a esmagadora concentração de propriedade eliminou muitos meios de comunicação locais, em particular estações de rádio, pequenos jornais e grupos familiares de comunicação, fechando postos de trabalho e restrigindo a “liberdade de expressão”.

Roma ergueu o Coliseu para oferecer uma diversão sangrenta para as massas urbanas de seu império. Hoje, cada vez que ligamos a TV, recebemos aterrorizados as crueldades da propaganda de guerra do império americano, embora as notícias pretendam mostrar a suposta bondade de seus soldados no Iraque e os filmes de cinema nos torne familiar a morte e a violência desde crianças. Petróleo e recursos naturais para as multinacionais e circo para o povo, parece ser o lema do império, mas agora o circo está instalado nos lares, por vontade de algumas poucas elites globais.

Nos EUA, a informação foi claramente substituída pela propaganda corporativa. Deixou de existir um “direito à informação” garantido pela Primeira Emenda da Constituição. Os cidadãos norteamericanos perderam o direito à informação precisa e oportuna, sem perceber e sem que tenham sido formalmente consultados (? – derogados, no original). As freqüências de rádio e televisão constituem um bem público, de toda a sociedade, mas seu controle passou para as mãos de alguns mega-conglomerados de mídia:

1) AOL/Time Warner Inc., é o maior império da mídia corporativa, conhecida na América Latina pela revista Time, o provedor de Internet AOL, os filmes da Warner Brothers, CNN, TNT e outras empresas que foram fundadas pelo famoso Ted Turner, ex-marido de Jane Fonda. Este império tem times de esporte, como o Atlanta Braves (beisebol), vários canais de televisão, como Cartoon Network, Entertainment Networks e todas as empresas que carregam o “T” de Turner em seu nome: TBS Superstation, TNT e Cartoon Network Ásia-Pacífico, Turner Classic Movies (TCM), Turner Entertainment, Turner Network Television (TNT) e Turner South.

As redes de notícia de TV a cabo CNN, CNN Airport Network, CNN en Español, CNN fn, CNN Headline News, CNN Interactive, CNN Internacional e CNN Radio. É um dos proprietários de Court TV (junto à Liberty Media Corp.), da HBO (Home Box Office), Kablevision (TV a cabo húngara – 53,75%), New York 1 News (canal de notícias 24 horas por dia só para a cidade de Nova York), Road Runner e Time Warner Cable. Produz filmes com a Fine Line Features, New Line Cinema e Turner Original Productions, e os distribui nos cinemas e emissoras de televisão através da Castle Rock Entertainment, Warner Brothers, Warner Brothers Domestic Pay TV, Warner Brothers Domestic Television Distribution, Warner Brothers International Television Distributionl, e outras 14 empresas. Controla a Warner Brothers International Theaters, que possui ou opera vários cinemas em mais de 12 países, e leva seus produtos aos domicílios via Warner Home Video, etc .

O conglomerado tem revistas, gibis (quadrinhos) e revistas como Life, Time, Money e outras publicações, 70 temas diferentes para todos os gostos. Tem cerca de trinta selos/gravadoras como American Recordings, Asylum, Atlantic Classics, The Atlantic Group, China e outros. Publica livros através da Time Life Books, Back Bay Books; BookoftheMonth Club, Bulfinch Press, Children’s BookoftheMonth Club, Crafter’s Choice, History Book Club e duas dúzias de outras editoras. Participa na Amazon.com, MovieFone AOL, CNN Newsroom (noticiário diário para salas de aula) e cerca de quinze empresas de educação online, além de serviços online para AOL.com, Europa AOL, AOL Instant Messenger, CompuServe Interactive Services, Cidade Digital, etc. Ela também opera no ramo de parques temáticos, como Disney World através da Warner Brothers Recreation Enterprises e comercializa com a Warner Bros. Consumer Products.

2) Gannett Company, Inc. reúne os jornais de maior circulação e também engloba emissoras de televisão. Tem os jornais nacionais USA ToDay, USA Weekend, USA ToDay Sports Weekly, USA ToDay Information Network e os serviços de informação Gannett News Service. A lista de jornais locais da holding soma dezenas de periódicos. E com a Army Times Publishing Company produz publicações para consumo de militares, como Army Times, Navy Times, Navy Times Marine Corps, Air Force Times, etc.

No Reino Unido – Grã-Bretanha e Irlanda do Norte – tem Newsquest plc Daily Newspapers, Bolton Evening News, Daily Echo (Bournemouth), e duas dúzias de outros. Na televisão, está presente no Arizona: KNAZ (Flagstaff), KMOH (Kingman), KPNX (Phoenix) e muitos outros estados. Também possui participações em outras empresas, como Cincinnati Reds, através de Cincinnati Enquirer, Classified Ventures Com LLC (propriedade compartilhada com Knight Ridder, New York Times Company, Times Mirror, Washington Post Company, Tribune Company, Central Newspapers Co. y McClatchy Company), Space.com (com a General Electric) e muitos outros negócios.

3) A General Electric é outro monstro que possui, controla ou participa de numerosas mídias importantes, incluindo a NBC News e a rede hispânica Telemundo, sem descuidar dos eletrodomésticos e incursionar na aviação, sistemas industriais e muitos outros negócios. Fundada em 1878 por Thomas Edison, cresceu ao longo dos anos, incluindo interesses na Westinghouse, United Fruit e AT&T. Em 1926 ele formou a National Broadcasting Corporation (NBC), que opera em redes de rádio e televisão. Sua subsidiária RCA controlou a Random House, mas foi vendida em 1980 para S. I. Newhouse’s Advance Publications. Adquiriu em 1985 por US$ 6.300 milhões a parte da RCA sobre a NBC, em 1986, vendeu a divisão de música da RCA à Bertelsmann, e em 1989 e formou a CNBC, MSNBC lançada mais tarde em 1996. Desenvolveu redes de notícia a cabo com a Microsoft, em 1997 expandiu a CNBC para a Ásia e Europa, em 1999 obteve 32% da Paxson Communications e da rede de TV PAX, em 2002, comprou a Telemundo Communications Group por 2,7 bilhões de dólares, um negócio que incluiu a Sony e a Liberty Media Corp. Adquiriu a rede Bravo NetWork à Cablevision e MGM por US$ 1.250 milhões. Em 2002 ele criou a NBC Universal com a Vivendi Universal, adquirindo holdings de entretenimento, incluindo os parques e estúdios de televisão e de cinema Universal Pictures e três canais de cabo.

Em resumo, possui 15 estações de televisão e outras 14 estações Telemundo, produz e distribui conteúdo de televisão com a NBC Universal Television Studio, NBC Universal Television Distribution, CNBC, MSNBC, Bravo, Mun2TV, Sci- Fi, Trio y USA., faz filmes com a Universal Pictures, opera o parque Universal Parks & Resorts, detém 30% da Paxson Communications e os negócios da GE Aircraft Engines, a GE Commercial Finance, GE Consumer Products, GE Industrial Systems, GE Insurance, GE Medical Systems, GE Plastics, GE Power Systems, GE Specialty Materials e GE Transportation Systems.

4) A News Corporation, cujo maior acionista é o australiano-americano-britânico Rupert Murdoch controla a rede de televisão Fox Broadcasting Company, com filiais em praticamente todo os EUA. Ele também tem o canal de notícias Fox News e tudo o que inclua em seu nome a palavra Fox (raposa), com a Fox Sports, e outras empresas que são nomeadas de forma diferente, como o National Geographic Channel, Sky-Directv, e assim por diante. O conglomerado tem uma divisão que publica as revistas TV Guide, The Weekly Standard e Inside Out, entre outros. Para fazer filmes possui a 20th Century Fox, Fox Television Studios e a Fox Searchlight Pictures. No mundo dos livros tem a empresa Harper Collins e outras 40 editoras. Suas revistas incluem os New York Post de EEUU; o News of the World, News International, Sun, Sunday Times e The Times, no Reino Unido e mais de 20 jornais na Austrália.

No final de 2004, Rupert Murdoch, 76 anos, pagou US$ 44 milhões para um apartamento na Quinta Avenida em Nova York, em frente à entrada do Central Park Zoo. Inclui dois andares, 20 quartos, 2.500 m2 (mais 1.250m2 de terraços) com um custo mensal de US$ 21,500. Segundo a revista Forbes, o magnata tem 9 bilhões de dólares e é o bilionário número 73 do ranking mundial de super-ricos. Tem meia centena de estações de televisão por cabo e TV aberta, nos EUA, Europa e Austrália, dezenas de editoras como a HarperCollins Publishers e a Greenwillow Books, para citar alguns, mais de 43 jornais distribuídos nos EUA, Reino Unido e Austrália.

5) A Companhia McClatchy, especializada em jornais e publicações na internet, possuía apenas 12 jornais diários até que em junho de 2006 adquiriu a Knight Ridder, a segunda holding de jornais, com 31 rotativos, incluindo o Miami Herald e El Nuevo Herald. Os novos proprietários conservam 31 jornais diários, cerca de 50 jornais não diários e vários jornais gratuitos, mas, obviamente, fizeram desaparecer vários jornais “concorrentes”, quando foram adquiridos. Todos os jornais têm versões on-line, enquanto a empresa opera a McClatchy Interactive, que fornece conteúdos e desenvolve ferramentas de software, tais como Real Cities (http://www.RealCities.com) e classificados (cars.com e apartments.com).

6) O New York Times publica o outrora respeitado jornal novaiorquino de mesmo nome e outros 17 jornais no país, mas também atua em rádio, televisão e outras áreas. Em 2006, a companhia valia 3,3 bilhões de dólares, incluindo The New York Times, The International Herald Tribune, The Boston Globe, mais outros 15 jornais diários, a emissora de rádio WQXR-FM e mais de 30 sites, incluindo o NYTimes.com, Boston.com e About.com.

Opera oito estações de televisão em diferentes cidades e duas estações de rádio em Nova York. Também tem participação no Boston Red Sox, NESN e o canal Discovery Times (50%).

7) O The Washington Post Company abrange negócios midiáticos diversificados e educação, mas sua principal operação é a publicação do jornal homônimo, The Washington Post, a edição de revistas, televisão, cabo, serviços de informação eletrônica e educacionais. Possui o portal Washingtonpost.Newsweek Interactive (WPNI), as publicações subsidiárias online Washingtonpost.com , Newsweek.com , Slate e Budget Travel Online, Express, El Tiempo Latino, The Gazette e Southern Maryland Newspapers, The Herald (Everett, WA) ; a revista Newsweek, Post-Newsweek Stations (Detroit , Houston, Miami, Orlando, San Antonio e Jacksonville) e Cable ONE, que atende o Centro-Oeste, Oeste e estados do sul. A companhia também é proprietária de Kaplan, Inc., um provedor internacional de educação e os chamados serviços “de carreira ” destinados aos indivíduos, escolas e empresas. Ele também tem participação acionária no Los Angeles Times, Washington Post News Service e Bowater Mersey Paper Company.

Tem estações de televisão em Detroit, Houston, Miami-Ft. Lauderdale, Orlando, San Antonio e Jacksonville e opera outros negócios, incluindo na área de educação, tais como Cable One (em Phoenix, AZ), Post Newsweek, Tech Media, Newsweek Productions, Government Computer News, GCN.com, Kaplan, Inc. e Post Newsweek Media Tech.

8) A Viacom é proprietária das redes CBS e UPN. Atua na edição, produção e distribuição de filmes, canais de TV à cabo (MTV, Nickelodeon e outras 13 empresas), além da produção e distribuição de TV. No rádio controla a cadeia Inifinity Broadcasting, com uma infinidade de emissoras. Também é a dona da Blockbuster (locadora de filmes), Paramount Parks, Famous Players, United Cinemas International e Famous Music.

A empresa opera mais de 50 canais, incluindo televisão a cabo e rede aberta, produz e distribui conteúdo de televisão com a Spelling Television, Big Ticket Television e King World Productions, faz filmes com a Paramount Home Entertainment e Paramount Pictures, publica livros e revistas através de Simon & Schuster, Pocket Books, Scribner, Free Press, Fireside , Touchstone, Washington Square Press, Archway, Minstrel e Pocket Pulse. Também atua no ramo de lazer para turistas e visitantes com parques, como o Paramount Parks.

9) Vivendi Universal, a proprietária do Universal Studios, Universal Pictures, etc, tem participação na HBO, Cinecanal e outros produtores e distribuidores de conteúdo de televisão, como Universal Television Group, Multimedia Entertainment, USA Networks Inc., entre muitos outros. É dona da revista Rolling Stones, as editoras Larousse, Nathan, Anaya, etc, enquanto dirige empresas interativas de Internet, e dezenas de empresas da indústria fonográfica filiadas ao Universal Music Group, afora numerosos negócios na área de comunicação e entretenimento, como Cinema Internacional Corp., Cineplex Odeon Corp., United Cinemas International, Vivendi Universal, Vivendi Telecom International Cegetel (telecomunicações), Viventures (fundos de capital) e muitas outras empresas de lazer e “varejo”.

Para citar apenas alguns outros negócios, possui ou participa da Cinema International Corporation (rede de cinemas – tipo “multiplex”- 49%), Cineplex Odeon Corporation (42%), Duet (serviço de música por assinatura com o Yahoo e Sony), United Cinemas International (-49%, rede de cinemas), a Vivendi Environnement (distribuidora mundial de água, No. 1), Vivendi Universal (que detém 26,8 milhões de ações da Time Warner) e Viventures (fundos de capital e risco).

Também está no ramo de parques de recreação e de varejo, com a Universal Studios Hollywood, CityWalk, Universal Orlando Resort, Hard Rock Hotel, Portofino Bay Hotel, Royal Pacific Resort, Universal’s Islands of Adventure, Universal Studios Theme Park, Hotel Port Aventura, Universal Mediterránea (Espanha), Universal Mediterránea Theme Park, Universal Studios Japan, WetnWild Orlando e Spencer Gifts. Ele se juntou a Vivendi Telecom Internacional e Cegetel no ramo de telecomunicações.

10) Walt Disney Company é outro mega monstro da mídia, que controla a rede de televisão ABC e possui e opera mais de cinqüenta estações de rádio e TV. Em TV a cabo inclui a ESPN, The History Channel e cerca de outras cinqüenta empresas, incluídas todas as que usem a palavra “Disney”. Ainda atua no ramo de petróleo e gás natural.

É proprietária e opera estações em Chicago, Nova York e cerca de outras cinquenta cidades dos EUA, participa do cancal de TV a cabo A&E Television (37,5%, com Hearst e GE), ABC Family, The Disney Channel, E! Entertainment (com Comcast e Liberty Media), ESPN Inc., que inclui o Classic Sports Network , ESPN, ESPN2 , ESPN News, ESPN Now, ESPN Extreme (80%; Hearst Corporation detém os 20% restantes), e cerca de outras vinte empresas de televisão e mais de trinta empresas internacionais de cabo.

No mundo literário atua com Hyperion Books, Miramax Books, e Walt Disney Company Book Publishing. Publica revistas com o Magazine Subsidiary Groups, que inclui a ABC Publishing Group, Disney Publishing, Inc., e algumas dezenas de empresas nos EUA e Europa. Negócios multimídia, com as empresas Walt Disney Internet Group, ABC.com, ABC Internet Group, ABCNEWS.com, Disney.com e mais uma dúzia de outras.

É claro, também está presente no ramo de parques temáticos, onde foi pioneira com Disneyland e Disney Worl, com presença nos EUA e Europa, enquanto desenvolve software de jogos de vídeo e CD-ROM), abrange a produção e distribuição de filmes (Buena Vista Home Entertainment, Buena Vista Home Video, Buena Vista International, Caravan Pictures, Hollywood Pictures, Miramax Films, Touchstone Pictures e Walt Disney Pictures.

E Disney se dá tempo para encontrar e explorar petróleo e gás natural, através da financeira Sid R. Bass e opera no varejo com The Disney Store. Na música atua com Buena Vista Music Group, Hollywood Records (música popular e trilhas sonoras para filmes), Lyric Street Records (selo de música country de Nashville), Mammoth Records (selo de música popular e alternativa) e Walt Disney Records. Teatro e esportes: Walt Disney Theatrical Productions, que inclui a produção de versões infantis de seus sucessos como O Rei Leão, A Bela e a Fera e Rei David. Proprietária dos times Anaheim Sports, Inc. e Mighty Ducks of Anaheim, que participa da liga nacional de Hockey.

Tem outros negócios internacionais: Hamster Productions (produção de televisão francesa), Japan Sports Channel, RTL2 (produção e distribuição de televisão alemã), Scandinavian Broadcasting System, TeleMunchen (produção e distribuição de televisão alemã), Tesauro of Spain e TV Sport of France. Para a produção e distribuição de televisão utiliza a Buena Vista Television, Touchstone Television, Walt Disney Television, Walt Disney Television Animation (tem instalações de produção fora dos EUA, no Japão, Austrália e Canadá).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome