Grupo Prerrô: Seletividade editorial e deformação da liberdade de imprensa

O menosprezo de grandes jornais e redes de comunicação brasileiros em relação à viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a países europeus não constitui apenas uma inexplicável lacuna informativa.

Ricardo Stuckert

do Grupo Prerrogativas

Seletividade editorial e deformação da liberdade de imprensa

A tentativa de invisibilizar a agenda internacional do Presidente Lula…

O menosprezo de grandes jornais e redes de comunicação brasileiros em relação à viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a países europeus não constitui apenas uma inexplicável lacuna informativa. Revela também uma preocupante deformação da liberdade de imprensa. Somente um propósito intencional justifica a omissão noticiosa destes órgãos de comunicação quanto aos significativos encontros mantidos por Lula com personalidades europeias nos últimos dias.

A seletividade editorial discriminatória tentou invisibilizar a reunião do ex-presidente Lula, líder das pesquisas eleitorais para o pleito de 2022, com o futuro chanceler alemão, Olaf Scholz, líder social-democrata que exercerá papel decisivo na condução dos interesses da União Europeia nos próximos anos. Ainda que não fosse pela relevância do encontro em si, a agenda mereceria destaque por suas implicações geopolíticas e econômicas.

Em seguida, a recepção calorosa dedicada a Lula no Parlamento Europeu, em Bruxelas, assim como o seu discurso no Plenário da Casa, tampouco provocaram uma cobertura midiática nacional à altura da relevância política da ocasião.

Desnecessário lembrar que o ex-chefe de Estado brasileiro obteve nessa oportunidade uma espécie de desagravo, após a perseguição que o levou a suportar uma prisão injusta que perdurou por 580 dias, até que fosse libertado sem culpa formada, para assistir à proclamação da suspeição do seu juiz-algoz, Sergio Moro, em julgamento do Supremo Tribunal Federal. Não bastasse isso, a exitosa viagem de Lula sucede o desastre diplomático que representou a participação vergonhosa do atual mandatário, Jair Bolsonaro, na reunião do G-20.

Tais evidências exigem uma séria ponderação sobre as manobras que certos órgãos de imprensa são capazes de empreender, em favor de interesses inconfessáveis. São constatações que fragilizam e desmoralizam os protestos de tais organismos em resguardo da liberdade de imprensa. Afinal, toda vez que os meios de comunicação alijam da opinião pública informações relevantes, com o objetivo de desequilibrar a balança política, resta profundamente violado justamente o princípio segundo o qual a imprensa se legitima a partir da honestidade dos serviços que presta à sociedade.

Grupo Prerrogativas, 16 de novembro de 2021

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador