TJ-RJ considera improcedente ação de Ali Kamel contra blogueiro

Do Portal Imprensa

Justiça considera improcedente ação de Ali Kamel contra blogueiro

O desembargador Celso Luiz de Matos Peres, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), considerou improcedente a ação de indenização por dano moral movida pelo Diretor de Jornalismo e Esportes da Rede Globo, Ali Kamel, contra o blogueiro Marco Aurélio Cordeiro de Mello.

No processo, Kamel exigia indenização pelo texto “Um desabafo” publicado em julho de 2013 no blog “DOLADODELÁ”. Segundo o diretor de jornalismo, o blogueiro o teria retratado como “uma figura soturna, responsável pela suposta devastação do departamento de jornalismo da TV Globo, ao qual teria imposto um clima de terror por meio de práticas como assédio moral, intimidação e perseguição”.
 
O magistrado decidiu pela improcedência do processo levando em consideração a atuação do jornalista como “manifestação do livre exercício do direito de expressão e manifestação do pensamento”.

 
Em carta enviada ao jornalista Miguel do Rosário, do site O Cafézinho, o blogueiro descreve sentimento de “alívio” com a decisão judicial. “Por causa desta e de outra ação em que sou réu, nos últimos cinco anos já ‘comi o pão que o diabo amassou’. Fui ridicularizado por colegas de profissão, criticado por amigos e parentes e vi o mercado de trabalho encolher em mais de 50%. Afinal, o oligopólio Globo emprega a metade de todos os profissionais do país, direta ou indiretamente. Tudo porque decidi contar minha experiência profissional de mais de uma década e desafiar aqueles que insistem em exercer o poder de informar de maneira inescrupulosa e tirânica, uma afronta à Democracia e uma permanente ameaça à Paz e à Justiça Social”, escreveu. 

Por Marco Aurélio Mello

Incrédulo.
 
Foi como recebi a notícia de que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, por unanimidade, julgou na última quinta-feira improcedente a ação movida contra mim pelo jornalista mais poderoso do país: Ali Kamel.
 
Por causa desta e de outra ação em que sou réu, nos últimos cinco anos já “comi o pão que o diabo amassou”. Fui ridicularizado por colegas de profissão, criticado por amigos e parentes e vi o mercado de trabalho encolher em mais de 50%. Afinal, o oligopólio Globo emprega a metade de todos os profissionais do país, direta ou indiretamente.
 
Tudo porque decidi contar minha experiência profissional de mais de uma década e desafiar aqueles que insistem em exercer o poder de informar de maneira inescrupulosa e tirânica, uma afronta à Democracia e uma permanente ameaça a Paz e à Justiça Social.
 
O Acórdão, ao qual tive acesso hoje, e envio a todos, como anexo, abre um precedente importante para reverter dezenas de outras ações que tentam calar jornalistas independentes de todo o país. Por esta razão, mais do que uma vitória pessoal, considero um passo importante para a garantia de um direito consagrado em nossa Constituição Federal.
 
“Livre é a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.” (Art. 5º, IX da CF).
 
Gostaria de agradecer a Todos que se envolveram nesta defesa, em especial Luiz Carlos Azenha e Rodrigo Vianna, parceiros de primeiríssima hora, Luis Nassif, que generosamente republicou importantes textos com denúncias que fiz, sobretudo de métodos de manipulação durante processos eleitorais, Paulo Henrique Amorim, por palestrar gratuitamente em prol de nossa causa, Instituto de Mídia Independente Barão de Itararé, na figura do incansável Altamiro Borges, Maria Frô, uma das mais proeminentes ativistas em rede do país, Paulo Salvador, responsável pelas articulações que nos levaram a promover importante debate em prol da Democracia, contra os desmandos do Grupo Globo, na sub sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo, no ano passado, Luiz Malavolta e Carlos Dornelles, por seus testemunhos e apoio incondicional e ao advogado, doutor Vitor Cardoso, por assumir sem ônus antecipado causa considerada perdida e revertê-la, levando-nos à esta vitória inédita.
 
Não posso deixar de fazer uma menção especial à minha companheira, Alexandra, que nos momentos mais delicados manteve a altivez típica de quem traz consigo os sentimentos humanos mais nobres.
 
E aproveitar também para deixar um recado especial a todos os que preferem o conforto do silêncio diante das injustiças: “Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e A VIDA É MUITO para ser insignificante.” (Charles Chaplin)
 
Muito Obrigado,
Marco.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Alan Souza

- 2015-12-01 15:25:55

Kamel não é aquele que escreveu...

Um livro intitulado "Não somos racistas"?

E que só neste ano já viu três de suas funcionárias (a jornalista Maju Coutinho e as atrizes Cris Vianna e Thais Araújo) serem alvo de racismo explícito nas redes sociais?

lenita

- 2015-12-01 14:53:01

Marco Aurélio

Parabéns a vc, ao seu advogado e ao sr. Juiz. Graças a Deus ainda existem pessoas de bom senso, que percebem que a Liberdade de expressão não pertence somente ao PIG, mas a todos os brasileiros.

Grande vitória, principalmente para quem foi a derrota.Quem sabe isto vai contaminando outros jornalistas dedicados a noticiar inverdades e manipulações dos fatos.

Um abraço

Sérgio BrasiI

- 2015-12-01 12:17:25

Ainda bem que ainda existem

Ainda bem que ainda existem juízes que aplicam o bom direito nesse nosso país...Parabéns ao Marco Aurélio.

Luiza

- 2015-12-01 12:08:27

O silêncio nao foi calado pelo $$. Nao dessa vez.

Caraca !!! Que coisa boa ler esse acórdao e as palavras do jornalista Marco.. Digo isso porque há muitos anos deixei de lado a imprensa tradicional para buscar informaçao com os jornalistas independentes e isentos que ousaram fazer o contraponto à esse sistema corrompido e financiado para bloqueiar o debate de idéias e a reflexao da realidade. O Marco citou vários amigos que o apoiaram nessa sua luta - a da liberdade de expressao e informaçao isenta - , entao concluo que se a conscientizaçao dos jornalistas ocorerer sobre a honestidade intelectual, ái sim, podemos um dia sonhar uma imprensa limpa, isenta e livre de manipulaçoes. Quiçá eu esteja vva para ver isso acontecer..

QUEREM CALAR OS JORNALISTAS INDEPENDENTES PELO BOLSO Á CUSTA DE PROCESSOS JUDICIAIS. NAO PASSARãO !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 

 

Juliano Santos

- 2015-12-01 12:05:22

Pois é, o pig não é

Pois é, o pig não é invencível. Viu presidenta?

Jorge Leite Pinto

- 2015-12-01 12:03:11

Enfim, uma boa notícia...

Enfim, uma boa notícia...

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2015-12-01 11:04:54

Ha, ha, ha... o filhote

Ha, ha, ha... o filhote processual do Ali Kamel foi sacrificado pelo Judiciário.  Ele fará uma peregrinação à Meca para pedir perdão por seus pecados? Ha, ha, ha...

jasantos

- 2015-12-01 11:04:38

Ali Kamel deveria aprender a fazer jornalismo
O Ali Kamel deveria aprender a fazer jornalismo pois o que ele apresenta na rede globe é um lixo. E quando tem algum mérito é do profissional, como Caco Barcelos etc e não dele. É muito fácil ameaçar os blogeiros protegido pelo rede globo. Não é postura de um homen correto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador