Uma entrevista com Olavo Setubal sobre o desenvolvimento do sistema bancário, por Luis Nassif

Um dos capítulos nebulosos da Biografia de Walther Moreira Salles, foi a maneira como seu banco perdeu a compra do Banco Português do Brasil para o Itaú. Nessa entrevista, Olavo Setubal narra a maneira como o Itau adquiriu o Banco Português do Brasil. Conta também a metodologia que o Itaú adotou para as incorporações.]Fala também do pós-guerra, o fim do Banco Francês e Italiano, o mais influente da época, e a maneira como os funcionários saíram e se associaram a empresários brasileiros para montar bancos. Mais tarde, esses bancos acabaram sendo absorvidos pelo Itau, Bradesco e Moreira Salles.

Diz ele que trouxe para o sistema bancário a racionalidade da Escola Politécnica, a metodologia racional do sistema instrumental. Traçava a rota, avaliava, media e tomava decisões viáveis, dentro da racionalidade. E não emocionalmente, como eram os velhos banqueiros.

A cultura do Itau é uma cultura eminentemente acadêmica, da Politécnica e de estágios no exterior. A do Bradesco é a escola da vida, a convivência do Amador Aguiar com a clientela da época.

Fala também da enorme influência do sistema americano, em cima de uma revolução tecnológica da parte dos americanos. Menciona especificamente o cartão de crédito.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora