‘Bolsonaro vai provar o gosto da pressão popular’, diz presidenta da UNE

Movimento cresceu após anúncio do corte de 30% nos recursos da universidades e institutos federais.UNE pede aos manifestantes que levem livros às ruas. "Queremos o livro como símbolo de um país melhor"

Assembleia na Universidade Federal de Goiás reúne mais de 5 mil estudantes pessoas nesta segunda-feira

da Rede Brasil Atual

‘Bolsonaro vai provar o gosto da pressão popular’, diz presidenta da UNE

por Eduardo Maretti, da RBA 

São Paulo – Os estudantes começaram a semana mobilizados e em preparação para o Dia Nacional em Defesa da Educação, na quarta-feira (15), quando serão realizadas manifestações em todas as capitais do país e inúmeras cidades onde há universidades públicas. Segundo a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Marianna Dias, a expectativa é de que – além dos próprios estudantes, professores, pais e trabalhadores das instituições de ensino – a sociedade como um todo apoie e participe dos atos.

“Estamos fazendo uma manifestação de todos os setores. Temos expectativa muito positiva porque a gente acha que Bolsonaro precisa entender que não é simples ignorar o clamor das ruas”, diz. “Ele vai provar o gosto da pressão popular nessa quarta-feira.”

Para a dirigente, os atos de quarta-feira, que darão o caráter nacional à mobilização, podem desencadear uma série de outras manifestações. “Bolsonaro pode achar que isso não o pressiona, mas teremos essas manifestações do dia 15 e coisas que estão por vir.” O movimento ganhou força e cresceu após o anúncio do corte, pelo governo Bolsonaro, de 30% nos recursos das universidades e institutos federais.

Marianna afirma ser importante que as pessoas levem livros às passeatas. “A gente quer que essa seja uma marca forte das manifestações. Que as pessoas possam empunhar livros, tendo em vista que estamos num processo de ataque à educação e ainda tem esse debate sobre armas. Queremos o livro como símbolo de um país melhor.”

Leia também:  Macron, Piñera e Merkel criticaram Bolsonaro em encontro do G7

Segundo ela, não se trata de um protesto simplesmente “por gostar ou não do governo, mas trata-se do futuro do país”. “A educação é algo muito sério e tem reunido muitas pessoas que votaram no Bolsonaro ou apoiam algumas medidas do governo, mas acham um absurdo esse ataque à educação”.

A vice-presidenta da UNE, Jessy Dayane, disse em vídeo enviado à RBA que o Dia Nacional em Defesa da Educação “deve envolver todos os setores da sociedade, e não só os que atuam na educação. As universidades públicas são responsáveis por 90% das pesquisas do país, por isso é importante que a gente envolva o conjunto da sociedade. Tudo indica que será a maior mobilização desde que B foi eleito”.

De acordo com Jessy, as universidades já passam por dificuldades devido aos cortes que aconteceram com a Emenda Constitucional 95, do governo de Michel Temer, além da queda drástica no número de bolsas de estudo. Sintoma da situação, afirma, é a paralisação de diversas obras e laboratórios. Algumas universidades já declararam que, com o corte agressivo de 30%, não terão condições de funcionar até o final do ano. “E algumas universidades correm o risco de fechar as portas. A luta é muito maior, é para que a universidade pública exista, resista. Todo mundo tem que se envolver.”

No fim de semana, o cantor Lulu Santos enviou um vídeo à União da Juventude Socialista declarando apoio às manifestações de quarta-feira. “Entre a educação e qualquer outra coisa eu fico com a educação”, disse o cantor (veja o vídeo).

Leia também:  Proposta polêmica: pelo fim da Justiça Federal

Nesta segunda-feira, assembleia realizada na Universidade Federal de Goiás (UFG) reuniu mais de 5 mil estudantes, técnicos administrativos e professores no Centro de Eventos do Campus Samambaia.

As manifestações já ocorrem desde a semana passada, como, entre outras, em São Paulo e Salvador, promovidas pelos estudantes da USP e Universidade Federal da Bahia (UFBA), e em Niterói, em defesa da Universidade Federal Fluminense. Um ato em frente ao Colégio Militar reuniu no Rio de Janeiro alunos e comunidades ligadas a várias instituições.

Estudantes da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Floriano, e da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFPAR) também fizeram manifestações na semana passada, entre outras instituições.

Em nota que divulgou no início do mês, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) afirmou que o governo bloqueou 41% das verbas destinadas à manutenção da instituição. A obstrução orçamentária de R$ 114 milhões “impactará no funcionamento da UFRJ, atingindo diretamente despesas ordinárias de custeio, como consumo de água, energia elétrica, contratos de prestação de serviços de limpeza e segurança”, afirmou o comunicado. Isso sem falar no prejuízo ao desenvolvimento de obras e compra de equipamentos utilizados em instalações como laboratórios e hospitais.

Confira os atos confirmados para o dia 15, segundo a UNE

Rio Grande do Sul
Porto Alegre, Faced – UFRGS,18h (https://www.facebook.com/events/280600219549359/)
Caxias do Sul, Praça Danti Alighieri, 17h30
(https://www.facebook.com/events/715278808886630/)
Viamão, Centro de Viamão, 16h
(https://www.facebook.com/events/389285474996749/)

Santa Catarina
Florianópolis, Praça Central, 15h
(https://www.facebook.com/events/2525151464164346/)
Chapecó, Praça Coronel Bertaso, 9h30
Araranguá, saída da UFSC e do IFSC, às 9h, em direção ao centro da cidade

Leia também:  Allende sacrificou a vida, Lula a liberdade, por Francisco Celso Calmon

Paraná
Curitiba, Praça Santos Andrade, 9h
Cascavel, em frente à Catedral, 9h
Londrina, calçadão (em frente ao Banco do Brasil), 10h

São Paulo
São Paulo, Masp, 14h
(https://www.facebook.com/events/2272658436322219/)
Sorocaba, Praça Coronel Fernando Prestes, 9h (https://www.facebook.com/events/2176356422471926/)
São Carlos, Praça Coronel Salles, 9h
(https://www.facebook.com/events/628243907638556/)
Ribeirão Preto, Avenida do Café e marcha a Esplanada do Teatro Pedro II, 7h
(https://www.facebook.com/events/2193961904051181/)
Bauru, Câmara Municipal, 9h (https://www.facebook.com/events/2276204222697720/?ti=cl)

Minas Gerais
Diamantina, Largo Dom João, 15h (https://www.facebook.com/events/2207212052922172/)
Belo Horizonte, Praça da Estação, 15h

Rio De Janeiro
Rio de Janeiro, Candelária, 15h (https://www.facebook.com/events/287269758848041/)

Distrito Federal
Brasília, Museu da República, 10h

Goiás
Goiânia, Praça Universitária,14h (https://www.facebook.com/events/404256790156864/)

Amapá
Macapá, Praça da Bandeira, 15h

Amazonas
Manaus, Entrada da Ufam, 7h
(https://www.facebook.com/events/429516521168237/)
Manaus, Centro de Manaus, 15h
(https://www.facebook.com/events/429516521168237/)

Maranhão
São Luis, Vivência da UFMA, 11h30

Ceará
Fortaleza, Praça da Bandeira, 8h

Bahia
Salvador, Campo Grande, 9h
(https://www.facebook.com/events/1868744609892906/?ti=ia)

Pernambuco
Pesqueira, em frente à casa São Francisco, 9h30
(https://www.facebook.com/ifpecampuspesqueira/)
Garanhuns, praça da fonte luminosa, 8h

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome