Detidos em protesto contra a Copa em São Paulo já foram liberados

Da Agência Brasil
 
Por Camila Maciel
 
O protesto contra os gastos públicos na Copa do Mundo de Futebol, ocorrido neste sábado (25) na capital paulista, teve confronto entre manifestantes e a Polícia Militar (PM) e terminou com 146 detidos. Todos foram liberados na madrugada de hoje (26). A maioria dos detidos (128) foi encaminhada para o 78º Distrito Policial (DP), nos Jardins. Dezoito foram levados para o 2º DP, no centro.
 
A manifestação partiu da Avenida Paulista, com concentração às 17h no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), e chegou ao centro da cidade no início da noite. Com o lema “Se não tiver direito, não vai ter Copa”, o protesto chegou a reunir cerca de 2,5 mil pessoas, segundo cálculo da PM. O ato, marcado para o dia da festa dos 460 anos da cidade, é o primeiro que ocorre no ano da Copa do Mundo. Houve mobilização em outras capitais.
 
Parte dos manifestantes foi presa dentro de um hotel na Rua Augusta, quando tentava se refugiar das bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, conforme imagens de um vídeo amador divulgadas na internet. O protesto teve a participação do movimento Black Bloc, cujos integrantes usam táticas de ação direta para protestar em manifestações de rua. Um carro da Guarda Municipal Metropolitana foi depredado e agências bancárias da região central foram quebradas.
 
Nota assinada pelos grupos que compõem a organização do ato explica as razões do protesto. “O levante de junho já mostrou claramente o que os brasileiros já perceberam: os gastos bilionários na construção dos estádios não melhoram a vida da população, apenas retiram investimentos de direitos sociais. Mas junho foi só o começo!”, diz texto divulgado pelos manifestantes.
 
O manifesto lembra que, embora os dirigentes políticos tenham dito, na época, que não era possível atender à reivindicação pela redução da tarifa dos ônibus, “o poder popular nas ruas mostrou que realidades podem ser transformadas”. O coletivo destaca que a proposta do grupo é impedir a realização dos jogos e “mostrar nacionalmente e internacionalmente que o poder popular não quer a Copa”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Perseguição Bolsonarista aos Movimentos Antifascistas, por Gilliam Ur Rehman

3 comentários

  1. Provavelmente eles voltarão a

    Provavelmente eles voltarão a se manifestar na abertura dos Jogos.  E já que eles não vão querer mesmo assistir aos jogos ( ha ha ha kkkk … duvido ), eles provavelmente passarão o período da Copa na cadeia, bem isoladinhos.

  2. > (…) teve confronto entre

    > (…) teve confronto entre manifestantes e a Polícia Militar (PM) e terminou com 146 detidos.

    Espero ver a condenação da PM pela “agressão covarde contra os pacíficos Black Blocs”.

    > O coletivo destaca que a proposta do grupo é impedir a realização dos jogos e “mostrar nacionalmente e internacionalmente que o poder popular não quer a Copa”.

    2500 gatos pingados? Poder popular? Esse pessoal é uma piada. Qualquer balada lá na Augusta reúne isso num fim de semana.

  3. “Nota assinada pelos grupos

    “Nota assinada pelos grupos que compõem a organização do ato explica as razões do protesto.”

    Cadê a nota? Quero ver.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome